Idiotas

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Entrevistem-me olhando nos meus olhos. Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A força dos pequenos: a Teologia da Libertação

    LER MAIS
  • Cuba. O melhor lugar da América Latina para as meninas irem à escola

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

31 Julho 2017

“Não se estudará nossa história sem concluir que esta foi a geração da grande e irreparável ilusão política, prenúncio de sabe-se lá o que virá”, escreve Luís Fernando Verissimo, escritor, em crônica publicada por Zero Hora, 31-07-2017.

Eis o texto.

“Idiota” já foi um elogio. No seu sentido original grego, significava uma pessoa privada (não, não uma pessoa WC, você sabe o que eu quero dizer). Alguém que tinha seus próprios valores e seus próprios caprichos (daí “idiossincrasia”) independentemente dos valores públicos e das convenções sociais. Com o tempo, passou-se a enfatizar o contraste entre o privado, o fechado em si, e o público, e “idiota” era o que não participava da vida comunitária, por deficiência ou por escolha. Como não participava da vida comunitária, era um ignorante.

Vem daí o sentido moderno de simples, burro ou desligado. Mas durante muito tempo, na Grécia, “idiota” era o que não se interessava pelo zelo coletivo, desdenhava da política. O oposto do cidadão. A primeira vez que se xingou alguém de “idiota” foi para criticar sua omissão política, já que era na participação política que o homem se distinguia dos servos e dos bichos – e das mulheres, diga-se de passagem.

Corta para o Brasil atual. “Idiota”, lhe dirá qualquer eleitor desencantado, é quem se deixa levar pela política e pelos políticos. Houve um momento na história recente da humanidade em que “idiota” perdeu seu sentido grego de infenso à política e ganhou seu sentido moderno de ludibriado pela política. No Brasil, a política nos fez todos de idiotas. A última esperança de participação política consequente e promessa de virtude cívica foi a do PT, que também desencantou eleitores e simpatizantes. Fora da fugaz esperança representada pelo PT, tivemos uma sucessão de “blefes” que foram minando nossa crença na política e nos políticos, a ponto de hoje você dizer que “é tudo ladrão” e ninguém contestar a frase reducionista.

Não se estudará nossa história sem concluir que esta foi a geração da grande e irreparável ilusão política, prenúncio de sabe-se lá o que virá. Assim como a falta de calorias vai nos imbecilizando, a privação política vai nos idiotizando. Há quem pense que a solução é resgatar o sentido original da palavra para poder dizer que é idiota no bom sentido, o sentido de quem só se interessa pela administração do próprio umbigo.

Nota tipo nada a ver: de onde virá a palavra “blefe”? Meu palpite, sem nenhuma base etimológica, é que vem de bluff, que na linguagem universal do pôquer significa apostar como se tivesse uma boa mão sem ter nada. Uma definição da classe política brasileira.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Idiotas