Assassinato de Ricardo Silva revela preconceito contra catadores, dizem organizações

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • General Mourão passou a ser o menor problema

    LER MAIS
  • As Forças Armadas não agem contra o 'caos', mas são parte fundamental dele

    LER MAIS
  • A Igreja e a pedofilia. "É a realidade: chegamos tarde", constata o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

17 Julho 2017

Dois policiais militares envolvidos na morte do catador de recicláveis Ricardo Silva Nascimento foram afastados de seus cargos pela Secretaria de Segurança Pública estadual. Integrantes da guarnição de Força Tática que prestaram apoio na ocorrência também estão afastados.

Ato pedindo justiça à Ricardo aconteceu na mesma região de seu assassinato. Foto: Guilherme Imbassahy/CUCA da UNE

Ricardo, conhecido como “Negão”, foi morto na noite desta quarta-feira, após ser baleado pelo PM José Marques Madalhano em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. O catador de 39 anos teve o corpo retirado do local pelos próprios policias antes da perícia.

A reportagem é publicada por Brasil de Fato, 14-07-2017. 

O assassinato de Ricardo Nascimento não é um caso isolado e reflete um cenário maior de vulnerabilidade das pessoas em situação de rua e dos catadores, principalmente quando não estão organizados em cooperativas.

É o que explica Eduardo Ferreira de Paula, membro da coordenação do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis. "Essa barbárie que aconteceu com o Renato já vem acontecendo há muito tempo. A profissão dos catadores, todo mundo enxerga de um modo diferente. Então todo catador que está puxando um carrinho, nas ruas, trabalhando, lutando pelo pão, sofre com o preconceito e com a violência, e ela vem de todas as formas agora."

Sergio Bispo, conhecido como Bispo Catador, é criador do coletivo Kombosa Seletiva, que busca promover a conscientização da sustentabilidade e melhorar o trabalho dos profissionais que recolhem o lixo na cidade.

Ele explica que o preconceito e o descaso do poder público com a profissão de catador são agravantes dessa situação de vulnerabilidade. "A gente já tem a discriminação do nosso trabalho, somos xingados nas ruas, discriminados por tudo isso. Mas agora eles estão partindo para a violência moral, física, na 'bala'", declara.

Bispo e Ferreira concordam que o diálogo entre o poder público e as cooperativas de catadores é essencial para uma cidade melhor, livre de preconceitos contra essa parcela da população.

Segundo levantamento do Movimento Nacional, cerca de 20 mil catadores e catadoras são responsáveis por diminuir a quantidade de materiais recicláveis gerados na cidade de São Paulo. No Brasil, esse número cresce para 800 mil.

Para Eduardo Ferreira, o que falta é apoio para que esses profissionais tenham melhor qualidade de vida.

"Nós, catadores e catadoras de materiais, estamos sempre a serviço da sociedade. Estamos promovendo um bem para o meio ambiente, para o poder público e até para a comunidade. O nosso trabalho é de grande utilidade. Não é um serviço de preconceito. Preconceito quem faz é a sociedade. Todas as profissões têm problemas na vida. E a nossa, que estamos defendendo o pão e indo às ruas, enquanto outros querem nos reprimir através da morte", conclui.

O 23 Batalhão da Polícia Militar Metropolitana instaurou inquérito policial para investigar o caso.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Assassinato de Ricardo Silva revela preconceito contra catadores, dizem organizações