Mulheres no Muro das Lamentações: fracassa o compromisso, vencem os ortodoxos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Chega de desgraça: o ex-juiz Moro candidato. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • O poder e a multidão: por que Freud permanece atual

    LER MAIS
  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Junho 2017

Há quase 30 anos, uma vez por mês, elas se apresentam diante do Muro das Lamentações com os talit (o xale de oração), os tefilin (as caixinhas de couro amarradas com tiras, que contêm os versículos sagrados) e tentam recitar a Torá em voz alta (t’fila, em hebraico, significa oração). São os quatro “Ts”, símbolos do protesto que os rabinos ultraortodoxos leem como uma única palavra: traição da tradição.

A reportagem é de Davide Frattini, publicada no jornal Corriere della Sera, 27-06-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Porque as mulheres – para esses extremistas do judaísmo – não podem rezar como os homens. A questão não é só teológica. O movimento nascido em Jerusalém é defendido pelos grupos reformistas e conservadores. As congregações são muito difundidas nos Estados Unidos, aquelas comunidades da diáspora para ajudam Israel com as coletas de fundos e as pressões políticas sobre os presidentes estadunidenses.

Agora que Benjamin Netanyahu renegou a promessa de um ano e meio atrás – encontrar uma solução para as feministas do Muro – os representantes das organizações internacionais não querem mais comer com ele e cancelaram a participação no jantar de gala previsto para a noite dessa segunda-feira, 26.

No mesmo dia, a coalizão no poder reafirmou o monopólio dos ultraortodoxos nas conversões, embora a Suprema Corte israelense havia reconhecido a legitimidade das conversões realizadas pelos rabinos reformados.

O primeiro-ministro israelita optou, assim, por se curvar às exigências dos partidos religiosos e, para salvar o seu governo, gerou inimizade com aquele que foi o primeiro governo de Israel.

Quem mobilizou a revolta contra a decisão foi a Agência Judaica, que liderou por alguns meses a nação recém-nascida em 1948.

O compromisso que contentava as dissidentes da religião tinha sido encontrado pelo herói da dissidência soviética: Natan Sharansky tinha proposto a expansão da área dedicada aos ritos, garantindo a liberdade sem ferir a sensibilidade. Ele admite, desconsolado: “Aos judeus no mundo, Netanyahu enviou a mensagem: ‘Vocês não fazem parte de nós’”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mulheres no Muro das Lamentações: fracassa o compromisso, vencem os ortodoxos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV