Jubileu de Diamante da Arquidiocese de Goiânia

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Pro Pope Francis: carta aberta de apoio ao Papa Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco: "Ante a escandalosa corrupção e os enormes problemas sociais, o Brasil precisa que seus padres sejam sinal de esperança"

    LER MAIS
  • Autocrítica do Magistério e reforma da Igreja. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Junho 2017

"Pedimos ao Espírito Santo que estes acontecimentos sejam “tempos fortes” de graça de Deus, para que a nossa Igreja Povo de Deus da Paróquia Nossa Senhora da Terra e de toda a Arquidiocese de Goiânia seja realmente uma Igreja evangélica, “pobre, para os pobres, com os pobres e dos pobres”, comprometida (como já dissemos) com o Projeto de vida de Jesus de Nazaré - que é o Reino de Deus na historia humana e cósmica - em Goiânia, em Goiás, no Brasil e no mundo de hoje", escreve Frei Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia (UFG).

Eis o artigo. 

No dia 16 de junho deste ano é o 60º aniversário - Jubileu de Diamante - da instalação da Arquidiocese de Goiânia (sua criação - por decreto do Papa Pio XII - foi no dia 26 de março de 1956) e da posse de seu 1º arcebispo Dom Fernando Gomes dos Santos (1957).

Cinco anos depois começou o Concílio Ecumênico Vaticano II, que - no dizer do Papa S. João XXIII - abriu as janelas da Igreja para o mundo. Podemos dizer que a Arquidiocese de Goiânia nasceu e deu seus primeiros passos no clima do Concílio. Cresceu e se desenvolveu como uma Igreja renovada (pós-conciliar) com as janelas - e também as portas - abertas para o mundo: 60 anos de caminhada.

Em comemoração ao Jubileu de Diamante, a Arquidiocese realizou duas Celebrações: a Missa no Santuário Basílica de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (Matriz de Campinas) no dia 31 de maio (Festa da Visitação de Nossa Senhora) e a Missa na Praça Cívica (Centro) no dia 15 de junho (Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo).

Durante a Jornada da Cidadania (24-27 de maio) - promovida pela PUC em conjunto com a Arquidiocese - realizou também uma “Linha da História” com a exposição de fotos e textos, produzida pelo Vicariato da Comunicação - com o apoio da PUC e da agência Iltda Comunicação - no Centro de Convenções da Universidade.

Faço agora duas reflexões. Primeira: o Ano Jubilar da Arquidiocese de Goiânia não pode ser reduzido a algumas Celebrações “formais” e a uma “exposição histórica” feita por comunicadores. É a Igreja Povo de Deus (sobretudo os pobres das nossas Comunidades) que - a partir de sua experiência de fé - deve viver este Ano Jubilar como um ano de “memória compartilhada” dos 60 anos de sua caminhada.

Do ponto de vista bíblico, fazer a memória da caminhada significa torna-la presente hoje, para que seja, para todos e todas nós, motivo de alegria, de ação de graças, de pedido de perdão, de renovação da esperança e de fortalecimento do compromisso com o Projeto de vida de Jesus de Nazaré - que é o Reino de Deus na história humana e cósmica - em Goiânia, em Goiás, no Brasil e no mundo de hoje.

Na “memória compartilhada”, ”o “ver-julgar-agir” (“analisar-interpretar-libertar”) nos leva ao “celebrar” e o “celebrar” nos leva novamente - num processo vivencial comunitário contínuo e de maneira sempre renovada - ao “ver-julgar-agir”. É somente vivendo esse processo - cada vez mais intensa e radicalmente - que podemos ser seguidores e seguidoras, discípulos missionários e discípulas missionárias de Jesus de Nazaré. Em caso contrário, corremos o risco de sermos fariseus hipócritas.

No 2º semestre do Ano Jubilar, a Paróquia Nossa Senhora da Terra (Jardim Curitiba III), para dar sua contribuição, promoverá - com o apoio, a colaboração e a participação de outras Organizações (CEBs, CEBI, CRB, CPT, Curso de Verão, Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil, Cajueiro, Centro Cultural Cara-Vídeo, Economia Solidária) e Movimentos Populares - os seguintes acontecimentos comemorativos:

1. Um Encontro de “memória compartilhada” dos 60 anos de caminhada da Arquidiocese de Goiânia (em setembro: local, data e horário a definir);

2. Um “espaço” também de “memória compartilhada” - destacando sobretudo o papel fundamental da Arquidiocese de Goiânia na caminhada das CEBs no Regional Centro-Oeste da CNBB (Goiás e Distrito Federal) - no Mini-Intereclesial das CEBs, que acontecerá na Paróquia Nossa Senhora da Terra (20 - 22 de outubro)

3. A 1ª Romaria das CEBs a Nossa Senhora da Terra - Mãe dos excluídos e excluídas - padroeira de todos e todas que lutamos em defesa de nossa Mãe Terra (em sintonia com as Campanhas da Fraternidade de 2016 e 2017). A Romaria celebrará a “memória compartilhada” (feita pela Igreja Povo de Deus nos dois Encontros anteriores e em outros Encontros) dos 60 anos da Arquidiocese de Goiânia. Durante a caminhada, teremos a Celebração Penitencial e a Celebração da Palavra; na Igreja Nossa Senhora da Terra, a Celebração da Ceia (domingo 26 de novembro: Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo. Horário e trajeto da Romaria a definir).

Pedimos ao Espírito Santo que estes acontecimentos sejam “tempos fortes” de graça de Deus, para que a nossa Igreja Povo de Deus da Paróquia Nossa Senhora da Terra e de toda a Arquidiocese de Goiânia seja realmente uma Igreja evangélica, “pobre, para os pobres, com os pobres e dos pobres”, comprometida (como já dissemos) com o Projeto de vida de Jesus de Nazaré - que é o Reino de Deus na historia humana e cósmica - em Goiânia, em Goiás, no Brasil e no mundo de hoje.

Segunda reflexão: os Documentos de Medellín (1968: 2018 será o ano do Jubileu de Ouro) - que encarnam os Documentos do Concílio Ecumênico Vaticano II na América Latina e no Caribe - nos ensinam que a Comunidade Eclesial de Base (CEB) é “o primeiro e fundamental núcleo eclesial” ou “a célula inicial da estrutura eclesial”, e que a Paróquia é “um conjunto pastoral unificador das Comunidades de Base” (Medellín, XV, 10 e 13). As palavras são muito claras. Não precisam de explicação. Só não entende quem não quer entender.

Infelizmente, muitas de nossas Igrejas, há tempo, jogaram os Documentos de Medellín (e, consequentemente, também do Concílio Vaticano II) no “lixo”. Ora, pela lógica (um pouco de lógica aristotélico-tomista faz sempre bem!), as Igrejas que não aceitam os ensinamentos dos Documentos de Medellín - que são os Documentos fundantes da Igreja latino-americana e caribenha enquanto latino-americana e caribenha - não têm moral para exigir que aceitemos os ensinamentos de seus Documentos). Como uma Lei Municipal ou Estadual que vai contra a Constituição Federal (a Lei Magna) não tem valor, assim também um Documento de uma Igreja Particular que vai contra os Documentos de Medellín (a Constituição - a Lei Magna da Igreja Latino-americana e Caribenha), não tem valor.

Em comunhão com os ensinamentos de Medellín, a Arquidiocese de Goiânia - em seu Plano de Pastoral - considerou por muitos anos as CEBs como a prioridade das prioridades pastorais. Infelizmente, há alguns anos, na Igreja de Goiânia e em muitas outras, as CEBs (como o Centro de Estudos Bíblicos - CEBI e outras Organizações eclesiais que tanto bem fizeram à Igreja no Brasil) foram praticamente “descartadas” ou simplesmente “toleradas” (muitas vezes, com um sorrisinho cínico e irônico contido, estampado no rosto de bispos, padres e outros agentes de pastoral) como um “grupinho” que não tem nenhum peso na estrutura eclesial. “Não há lugar para as CEBs nos ‘espaços físicos’ da Igreja oficial!”. Lembrem os responsáveis pelo “descarte” ou pela “mera tolerância” das CEBs que terão de prestar conta a Deus!

Uma advertência: aqueles que pensam que as CEBs morreram se enganam redondamente. Elas estão muito vivas e nunca morrerão, porque nasceram no Dia de Pentecostes. As CEBs são “um jeito antigo e sempre novo de ser Igreja”; são a Igreja de Jesus de Nazaré, que foi “morador de rua” antes de nascer, nasceu como “sem-teto” e nunca morou em palácios ou mansões episcopais. Hoje, a Igreja das CEBs é a Igreja das catacumbas. Tenho certeza na fé que ela voltará mais forte, mais experimentada e mais madura. Aguardem!

Meditemos e oremos pela Igreja que está em Goiânia e por toda a Igreja.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Jubileu de Diamante da Arquidiocese de Goiânia