Respirar o Espírito Santo

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Junho 2017

Publicamos aqui o comentário do monge italiano Enzo Bianchi, fundador da Comunidade de Bose, sobre as leituras deste domingo, festa de Pentecostes.

No tempo da Páscoa, como as outras leituras escolhidas pelo lecionário romano não são paralelas ao Evangelho, comenta-se apenas o trecho evangélico (Jo 20, 19-23).

A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Na liturgia de hoje, solenidade de Pentecostes, depois de ler o relato da descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e sobre Maria, a mãe de Jesus, no 50º dia depois da Páscoa (cf. At 2, 1-11), proclama-se o trecho do Evangelho segundo João, no qual é narrado o dom do Espírito aos discípulos na noite do mesmo dia da ressurreição, o primeiro dia da semana judaica (cf. Jo 20, 1). Essa diferença, na realidade, é uma sinfonia com a qual a Igreja testemunha o mesmo evento lido de modos diferentes, mas não discordantes.

Nos Atos, Lucas recorda que Jesus, tendo subido ao céu, cumpriu a promessa feita, enviando sobre a comunidade dos discípulos o vento de fogo do Espírito Santo, quando os judeus festejavam em Pentecostes o dom da Torá feito por Deus a Moisés. Para Lucas, é o cumprimento dos cumprimentos, a estipulação plena da nova aliança, aliança não mais fundada na Lei, mas no Espírito Santo, escrita não em tábuas de pedra, mas no coração dos crentes (cf. Jr 31, 31-33). É o nascimento da Igreja, da comunidade do Senhor imersa, batizada no Espírito Santo, habilitada pelo próprio Espírito a proclamar a boa notícia do Evangelho a todas as nações, de Jerusalém a Roma.

João, por outro lado, que conclui o seu Evangelho com aquele dia da ressurreição, pretende atestar a plenitude da salvação manifestada na vitória de Jesus sobre a morte, no dom do santo Sopro que dá início a uma nova criação, em que a misericórdia de Deus tem o primado, reina, e, por isso, há a remissão dos pecados do mundo. É essa remissão, esse perdão gratuito e definitivo dado por Deus do qual os discípulos devem ser ministros no meio da humanidade. Embora já tenhamos lido, ouvido e comentado esse texto no segundo domingo de Páscoa, voltemos fiel e pontualmente à escuta e à meditação sobre ele, pedindo ao Senhor que renove a nossa mente de modo que, lendo palavras antigas, escutemos palavras novas para o nosso “hoje”.

Estamos, portanto, no primeiro dia da semana, o primeiro depois do sábado que era Páscoa naquele ano, no dia 7 de abril do ano 30: é o dia da descoberta do sepulcro vazio, porque Jesus ressuscitou da morte. Os discípulos de Jesus, que tinham fugido no momento da prisão, estão fechados na sua casa em Jerusalém, oprimidos pelo medo de serem também eles acusados, procurados e presos como o seu rabi e profeta Jesus. Sim, a comunidade de Jesus é esta: homens e mulheres que fugiram por medo, paralisados pelo medo, sem a coragem que vem da convicção e da confiança, da fé naquele que eles tinham seguido sem entendê-lo em profundidade.

No entanto, naquela aporia, há um trabalho que se realiza no coração dos discípulos e na vida da comunidade: as palavras de Jesus, ouvidas tantas vezes, embora como que adormecidas, estão no seu coração; a leitura das Sagradas Escrituras, da Torá, dos Profetas e dos Salmos (cf. Lc 24, 44), feita junto com Jesus, continua gerando pensamentos e aquisições de conhecimento do mistério de Deus e da identidade do próprio Jesus; a força da fé do discípulo amado que “viu e acreditou” (Jo 20, 8) e de Maria de Magdala, que diz: “Vi o Senhor” (Jo 20, 18), os contagia e os move.

Medo e fé travam o seu duelo no coração dos crentes, quando Jesus, na realidade, está no meio deles, até que possam dizer: “Entrou e pôs-se no meio deles”. O Senhor está presente com a sua presença de ressuscitado vivo e glorioso, lá onde estão os seus, mas os nossos olhos estão impossibilitados de vê-lo, o nosso coração não tem a coragem de ver o que deseja e sabe ser possível. Não sabendo dizer outra coisa, nós afirmamos: “Entrou e pôs-se no meio deles”, mas o Ressuscitado está sempre presente e aparece como Aquele que vem quando nós nos damos conta.

Essa é a realidade que vivemos a cada primeiro dia da semana, a cada domingo, e aqueles discípulos não eram mais privilegiados do que nós. Jesus está no nosso meio, na posição central: se não estiver, isso significa ou que não o vemos por falta de fé, ou que voluntariamente tomamos o seu lugar no centro, atentando contra a sua soberania única de ressuscitado e vivente. Só quem sabe dizer: “É o Senhor!” (Jo 21, 7) sabe vê-lo e reconhecê-lo.

O Senhor está no meio de nós! Não esqueçamos que a maior tentação vivida por Israel no deserto foi justamente a de se perguntar: “O Senhor está no meio de nós ou não?” (Ex 17, 7). Eis a pouca fé ou a não fé da qual somos vítimas, nós que nos dizemos crentes...

Na verdade, Jesus está no meio de nós sempre, é o ‘Immanuel, Deus-conosco (cf. Mt 1, 23; 28, 20), não nos deixa, não nos abandona. No máximo, somos nós que o abandonamos e fugimos dele, como os discípulos no Getsêmani (cf. Mc 14, 50; Mt 26, 56); somos nós que, diante do mundo, acabamos dizendo: “Não o conhecemos”, como Pedro na negação (Mc 14, 71 e par.); somos nós que, quando devemos constatar a sua presença porque os outros no-la testemunham, continuamos desconfiando e alimentando dúvidas, como Tomé (cf. Jo 20, 24-25).

E eis que, no relato joanino, assim que Jesus “é visto”, ele dá a paz, o shalom, a vida plena, e acompanha essa palavra com gestos. Acima de tudo, faz-se reconhecer, porque não tem mais a forma humana de Jesus de Nazaré, aquela que os discípulos conheciam e, tantas vezes, tinham contemplado. É outro, porque o seu corpo cadavérico não foi reanimado, mas transfigurado, transformado por Deus em um corpo cuja respiração é o Espírito Santo, o Espírito de Deus, aquele que Jesus respirava no seio do Pai desde sempre, antes da sua encarnação no seio da virgem Maria, antes da sua vinda ao mundo.

Mas, naquele corpo de glória, permanecem os traços da sua vivência humana, do seu sofrimento-paixão, do fato de ter amado até dar a vida pelos outros (Jo 15, 13). São as chagas, os estigmas, os sinais da cruz na qual ele foi pendurado e, junto com eles, o sinal da abertura do peito por causa do golpe da lança, abertura que proclamava o seu amor, que, como rio saído dele, queria imergir a humanidade para perdoá-la, purificá-la e levá-la à comunhão com o Pai (cf. Jo 7, 37-39; 19, 34).

E, assim, os discípulos o reconhecem e se alegram ao ver o Senhor. Finalmente a sua incredulidade é vencida, e a alegria da sua presença, da sua vida neles os invade. Então, Jesus sopra sobre eles a sua respiração, que não é mais hálito de homem, mas Espírito Santo. Na criação do homem, no princípio, Deus tinha soprado nele um hálito de vida (cf. Gn 2, 7); na última criação, soprará um sopro, um vento de vida eterna (cf. Ez 37, 9): enquanto isso, agora, todas as vezes que ele está presente na comunidade dos cristãos e é por eles invocado e reconhecido, o Espírito continua expirando. Essa respiração do Ressuscitado se torna a respiração do cristão: nós respiramos o Espírito Santo! Cada um de nós respira esse Espírito, embora nem sempre o reconheçamos, embora, muitas vezes, o entristeçamos (cf. Ef 4, 30) e o estrangulemos, nas nossas revoltas, nas nossas recusas resíduos do amor e da vida de Deus.

Esse Sopro que entra em nós e se une ao nosso sopro tem como primeiro efeito a remissão dos pecados. Ele os perdoa, os apaga, de modo que Deus não os recorda mais. Esse Sopro é como um abraço que nos coloca “no seio do Pai” (en tô kólpo toû Patrós: cf. Jo 1, 18), nos une a Deus de modo que não somos mais órfãos, mas nos sentimos amados sem medida por um amor que não merecemos nem devemos merecer todos os dias.

“Recebam o Espírito”, diz Jesus, isto é, “acolham-no como um dom”. Uma só coisa é pedida: não recusar o dom, porque o Pai sempre dá o Espírito Santo àqueles que lho pedem (cf. Lc 11, 13). É o dom da vida plena; o dom do amor que nós não seríamos capazes de viver; o dom da alegria que desfrutaremos todos os dias; o dom que nos permite respirar em comunhão com os irmãos e as irmãs, confessando com eles uma só fé e uma só esperança; o dom que nos faz falar em nome de todas as criaturas como voz que louva e confessa o Criador e Senhor.

Jesus, que antes de ir embora havia dito: “Recebam, comam; este é o meu corpo” (Mt 26, 27), agora diz: “Recebam o Espírito Santo”, sempre o mesmo convite a acolher o dom.

Cabe a nós receber o corpo de Cristo para nos tornarmos o corpo de Cristo, cabe a nós receber o Espírito Santo para respirarmos o Espírito.

E, nessa nova vida animada pelo Sopro santo, sempre e sempre, ocorre a remissão dos pecados: Deus os perdoa a nós, e nós os perdoamos aos outros que pecaram contra nós (cf. Mt 6, 12; Lc 11, 4). Não há libertação senão da morte, do mal e do pecado! O Pentecostes é a festa dessa libertação que a Páscoa nos deu, libertação que alcança a nossa vida cotidiana com as suas fadigas, as suas quedas, o mal que as aprisiona.

Podemos realmente confessar: o cristão é aquele que respira o Espírito de Cristo, o Espírito Santo de Deus e, graças a esse Espírito, é santificado, reza ao seu Senhor, ama o seu próximo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Respirar o Espírito Santo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV