Doria ingressa na Justiça para apreender pessoas na Cracolândia e interná-las obrigatoriamente

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Mai 2017

João Doria ingressou no Poder Judiciário para poder apreender pessoas na região da Cracolândia e interná-las obrigatoriamente. O pedido de busca e apreensão já foi enviado para o Juiz, que antes de decidir enviou para parecer do Ministério Público de São Paulo. A ação com o pedido, no mínimo, “estranho” foi movida pela Procuradoria do Município e assinada pelos procuradores Ricardo Ferrari Nogueira e William Alexandre Calado.

A reportagem é publicada por Justificando, 24-05-2017.

Na ação de busca e apreensão, os procuradores afirmam que a operação policial na Cracolândia – a qual nas palavras da Secretária Municipal de Direitos Humanos da própria gestão Doria foi classificada como “desastrada” – espalhou usuários de droga por outras regiões. Sendo assim, essas pessoas que estariam, nas palavras dos procuradores, abduzidas pelo “fluxo” precisariam ser examinadas clinicamente pela prefeitura e, se fosse o caso, internadas contra sua vontade.

Contudo, apesar ainda da frágil argumentação, os procuradores pedem que o Judiciário emita uma ordem para apreensão genérica, sem delimitar grupo de pessoa e, ainda, sem delimitar território. Basicamente, pede-se uma carta branca para a prefeitura apreenda quem ela bem entender, encaminhe para um setor médico e interne compulsoriamente, se assim entender necessário.

Ao Jusitficando, o Promotor de Justiça da Saúde Pública responsável pelo caso, Ab, criticou com veemência o pedido feito pela Prefeitura encabeçada por João Doria: “estamos no terreno do absurdo. Trata-se de uma situação nunca antes vista, pelo menos no meu conhecimento, em nenhum lugar do Brasil ou do Mundo em que se peça ao Judiciário uma ordem tão genérica para que as pessoas sejam apreendidas no meio da rua. Isso viola a Constituição, o Código de Ética Médica, a Lei Antimanicomial”.

Leia o pedido de busca de apreensão de pessoas feito pela gestão Doria

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Doria ingressa na Justiça para apreender pessoas na Cracolândia e interná-las obrigatoriamente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV