Desemprego deve aumentar na América Latina, dizem Cepal e OIT

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • Ataques a religiões de matriz africana fazem parte da nova dinâmica do tráfico no rio

    LER MAIS
  • Como lidar com Bolsonaro?

    LER MAIS
  • O nacional-populismo já tem seu líder

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

Por: João Flores da Cunha | 19 Maio 2017

O desemprego deve aumentar neste ano na América Latina, segundo um estudo realizado em conjunto pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe – Cepal e pela Organização Internacional do Trabalho – OIT. A previsão foi divulgada no dia 11-5.

O relatório diz que “o aumento da desocupação média regional em 2016 foi o maior incremento anual em duas décadas”, segundo o estudo. “A taxa média de desemprego urbano na América Latina e no Caribe voltará a aumentar em 2017 para 9,2%, em um ano marcado por um modesto crescimento econômico que não será suficiente para neutralizar as condições de enfraquecimento do mercado de trabalho”.

O diagnóstico geral da Cepal e da OIT é de que “as condições de trabalho continuarão se enfraquecendo em 2017”. Se confirmada a projeção de 9,2% de desemprego para este ano, ela representaria um aumento em relação a 2016, que registrou 8,9%, e a 2015, quando a taxa foi de 7,3%.

A projeção de crescimento econômico da Cepal e da OIT para a região em 2017 é de 1,1%, um índice considerado “modesto” pelas organizações. Nesse cenário, há baixa criação de novos empregos.

“Considerando que o emprego é a chave-mestra para reduzir a pobreza e a desigualdade excessiva na região, as tendências de emprego recentes são altamente preocupantes. De fato, foram contidos os avanços no combate a estes flagelos”, afirma no documento a secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, e o diretor regional da OIT, José Manuel Salazar.

As entidades alertaram que um quadro assim afeta sobretudo grupos vulneráveis, como mulheres e jovens com baixa educação, além de imigrantes.

No Brasil, o IBGE divulgou no dia 18-5 dados da PNAD Contínua que mostram que há 26,5 milhões de pessoas subutilizadas no mercado de trabalho nacional (taxa de 24,1%). Esse número é a soma de desempregados, subocupados e pessoas que poderiam integrar a força de trabalho.

A faixa etária de 18 a 24 anos é a que registra maior taxa de desocupação: 28,8%. Cerca de 20% dos desempregados brasileiros procuram emprego há mais de dois anos, segundo o IBGE.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Desemprego deve aumentar na América Latina, dizem Cepal e OIT