Centrais e movimentos populares planejam "ocupar" Brasília contra reformas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Maio 2017

A partir desta quarta-feira (17), as centrais sindicais organizam uma série de ações contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas por Michel Temer (PMDB). No dia 24 de maio, os atos se concentram no Distrito Federal, com a convocação do Ocupa Brasília. Na data, as entidades planejam, entre outras atividades, a realização de uma marcha e um ato político.

A reportagem é de Rute Pina e publicada por Brasil de Fato, 15-05-2017.

Movimentos populares que integram as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo também organizam o evento. A expectativa é reunir 100 mil pessoas na capital federal. Sindicatos, regionais filiadas às centrais e comitês estaduais das frentes já estão organizando caravanas ao local.

Segundo os organizadores, as mobilizações dão continuidade à Greve Geral, realizada no dia 28 de abril, e à Jornada de Lutas em Defesa da Democracia em Curitiba (PR), na última quarta-feira (10), data em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prestou depoimento ao juiz federal de primeira instância Sérgio Moro.

Com a manifestação, as centrais pretendem pressionar os parlamentares em uma semana que pode ser decisiva para a tramitação, na Câmara dos Deputados, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287, que altera as regras da Previdência, adiando aposentadorias e diminuindo os valores de benefícios.

A votação em dois turnos no plenário da Casa está prevista para os dias 24 e 31 de maio. Sem a convicção dos 308 votos necessários para a aprovação da proposta, no entanto, o governo pode protelar a apreciação da matéria até o mês que vem.

Janeslei Aparecida Albuquerque, secretária de relação com os movimentos sociais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), afirma que o momento também será de diálogo com a população para divulgar a "crueldade e violência" que é a reforma trabalhista. Segundo ela, o que está em processo com a proposta, em conjunto com a PEC 287, é o "desmanche de um projeto de país".

"A medida que o golpe vai avançando, as pessoas vão tomando mais consciência do que está acontecendo; mas a pauta do Congresso não parou", diz.

A última pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha mostrou que 7 em cada 10 brasileiros são contrários à reforma da Previdência. Já uma enquete no site do próprio PMDB, partido de Temer, computava 96% de votos contra a reforma e apenas 2% a favor no final da tarde desta segunda-feira (15).

Além de Brasília, paralisações e mobilizações também são esperadas em outros estados no dia 24 de maio. Em São Paulo (SP), a Frente Povo Sem Medo convoca um debate público no Vão Livre do Museu de Artes de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Centrais e movimentos populares planejam "ocupar" Brasília contra reformas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV