Brasil tem 15 mortos em chacinas no campo em 15 dias

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Maio 2017

Pará teve quatro mortos em matança no dia 1º; Rondônia, três mortos no dia 29; no Mato Grosso, nove pessoas ligadas ao MST foram executadas no dia 19.

A reportagem é de Cauê Seigner Ameni, publicada por De Olho nos Ruralistas, 04-05-2017.

O Brasil mal assimilou o assassinato de nove camponeses em Colniza (MT), no dia 19 de abril. Mas outras duas chacinas banham o campo com sangue novamente – e somam 15 mortos em 15 dias. Dez dias depois da matança no Mato Grosso, no dia 29, moradores da linha 90 Gleba Corumbiara, a 70 quilômetros de Vilhena, em Rondônia, encontraram uma caminhonete incinerada com três corpos carbonizados. O triplo homicídio ceifou as vidas de Valdinei Assis da Silva, Yure Silva e Geovane Alves de Jesus. Segundo parentes, eles tinham saído no dia anterior para pescar.

O local do crime fica a 15 quilômetros da Fazenda Vilhena, região marcada por conflitos agrários. Em 2015, foi registrada uma chacina de cinco pessoas no local. Segundo o jornal Extra de Rondônia, o assassinato foi um recado dado ao fazendeiro, pois ele pretendia entrar na Justiça com pedido de reintegração de posse, por ter suas terras invadidas por grileiros. Com 21 assassinatos, Rondônia foi o estado com maior números de mortes por conflitos agrários em 2016, segundo o relatório anual elaborado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). De acordo com o relatório, 61 pessoas foram mortas no ano passado, no Brasil, por causa de conflitos no campo.

Dois dias depois, na segunda-feira (01/05), uma execução semelhante aconteceu em Santa Maria das Barreiras, no sul do Pará. Quatro corpos foram encontrados carbonizados dentro de uma caminhonete localizada dentro do assentamento Cristalino – uma área com 40 mil hectares, que no passado pertenceu à multinacional Volkswagen. Segundo reportagem da EBC, os homicídios foram causados por uma disputa entre posseiros. Para a Polícia Civil do Pará, os indícios mostram que posseiros brigavam pelo loteamento da área.

De acordo com reportagem do Estadão, três acusados foram presos por participar da emboscada, e um quarto morreu na troca de tiros com a polícia. O delegado Antonio Miranda, superintendente da Polícia Civil na região do Araguaia Paraense, disse que as mortes ocorrem com frequência na região: “A briga é por terras. As vítimas dessa chacina trabalhavam para posseiros que foram ao local para expulsar outros posseiros”.

O Pará, antigo líder nos assassinatos rurais, ficou em terceiro no relatório da CPT sobre assassinatos no campo de 2016, com seis mortos. Ao todo, desde que os dados começaram a ser coletados, em 1985, o Brasil já somou 1.833 assassinatos no campo até o ano passado. Mais detalhes sobre mortes políticas no campo podem ser lido na reportagem “Democracia já tem quase 2 mil assassinatos políticos no campo“.

O  ataque aos Gamela

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) divulgou nesta quarta-feira um vídeo sobre o ataque ao povo Gamela, no Maranhão. Não houve mortos, mas vários indígenas ficaram feridos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil tem 15 mortos em chacinas no campo em 15 dias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV