Região Metropolitana de Porto Alegre. Taxa de desemprego se mantém estável

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2017

A Região Metropolitana de Porto Alegre – RMPA apresentou relativa estabilidade no desemprego no mês de janeiro de 2017. A Pesquisa de Emprego e Desemprego – PED aponta um percentual de 10,6% de desemprego, enquanto no mês de dezembro de 2016 o percentual foi de 10,7%. Os pesquisadores da PED da RMPA ressaltam que ainda é cedo para dizer que essa queda é um sinal de recuperação do mercado de trabalho. 

O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, compartilha a pesquisa da Fundação de Economia e Estatística – FEE sobre a movimentação no mercado de trabalho na RMPA de janeiro de 2017.

Eis o texto:

O primeiro mês de 2017 registrou relativa estabilidade no desemprego da Região Metropolitana de Porto Alegre conforme a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-RMPA), apresentada na FEE nesta quarta-feira, 22. De dezembro de 2016 para janeiro de 2017, a taxa passou de 10,7% para 10,6% da População Economicamente Ativa (PEA), com uma estimativa de 195 mil desempregados, 8 mil pessoas a menos que no mês anterior.  Esse resultado deveu-se ao fato de que a redução do contingente de ocupados (menos 43 mil, -2,5%) foi menor que a saída de pessoas do mercado de trabalho da Região (menos 51 mil, -2,7%). A queda do nível ocupacional na RMPA foi de 2,5%, com 1.649 mil ocupados. “Houve um aumento dos inativos, principalmente pessoas com mais de 60 anos, mantendo essa tendência, mas não dá ainda para dizer que a estabilidade verificada seja um sinal de recuperação do mercado de trabalho”, alerta Iracema Castelo Branco, economista da FEE. Para a economista do DIEESE, Virgínia Donoso, as incertezas pelas novas regras da previdência estão favorecendo a busca por aposentadorias. “Quem está com possibilidade de se aposentar, está saindo”, explica.

A maior redução percentual dentre os setores de atividade econômica analisados foi na construção (menos 10 mil ocupados, ou -7,8%).  Nos serviços foram menos 45 mil ocupados (-4,7%) e no comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, menos 7 mil ocupados (-2,2%). A indústria de transformação registrou aumento de ocupação, com mais 15 mil ocupados (+ 5,5%). “A indústria tem apresentado sinais positivos devido ao aumento das contratações no setor calçadista, que é intensivo em trabalho e tem se favorecido com o crescimento das exportações”, pondera Iracema.

Segundo a posição na ocupação, diminuiu o contingente de assalariados (menos 11 mil, ou -0,9%) devido à redução no setor público (menos 17 mil, ou -8,7%), uma vez que houve aumento no setor privado (mais 6 mil, ou 0,6%). No âmbito do setor privado, houve aumento do emprego com carteira (mais 5 mil, ou 0,6%) e relativa estabilidade do sem carteira (mais 1 mil, ou 1,2%). Em relação aos demais contingentes, constataram-se redução para os trabalhadores autônomos (menos 29 mil, ou -11,7%) e empregados domésticos (menos 3 mil, ou -3,0%) e estabilidade para o agregado demais posições, que inclui empregadores, donos de negócio familiar, trabalhadores familiares sem remuneração, profissionais liberais, etc.

De novembro a dezembro de 2016, o rendimento médio real apresentou pequeno aumento para o total de ocupados (0,5%), para os assalariados (0,4%) e, com maior intensidade, para os trabalhadores autônomos (8,0%), passando a corresponder R$ 1.924, R$ 1.912 e R$ 1.750 respectivamente. A economista do DIEESE Virgínia Donoso avalia que o leve aumento dos rendimentos para o mês de dezembro já é um sinal positivo face à perda acumulada nos últimos dois anos.

Leia Mais...

A realidade da população jovem no mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre
"O desemprego ainda vai aumentar neste ano antes de começar a cair"
Desemprego ampliado no Brasil é de 21,2%, quase o dobro da taxa oficial
Região Metropolitana de Porto Alegre. Taxa de desemprego recua em outubro
Extinção da FEE pode acabar com credibilidade de indicadores econômicos do RS, alertam pesquisadores

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Região Metropolitana de Porto Alegre. Taxa de desemprego se mantém estável - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV