O Papa envia Burke a 12 mil quilômetros de Roma para investigar um caso de abusos sexuais

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • Por oito a zero, STF reafirma direitos originários dos povos indígenas

    LER MAIS
  • Livro sobre 'escravos livres' é tão forte que obriga a olhar para o presente

    LER MAIS
  • Vitória indígena no STF

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Fevereiro 2017

Exílio para o cardeal Raymond Burke? O líder da oposição ao Papa Francisco chegou nesta quarta-feira à Ilha de Guam – a mais de 12 mil quilômetros de distância de Roma – para presidir o julgamento canônico de Anthony S. Apuron, o ex-arcebispo de Agana acusado de ter abusado de coroinhas na década de 1970.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 16-02-2017. A tradução é de André Langer.

Apuron, de 71 anos, deve responder às denúncias apresentadas por três homens que o acusam de tê-los abusado sexualmente na sua infância. A mãe de uma quarta vítima, que já está morta, também acusa o arcebispo de ter abusado do seu filho. Embora o prelado continue a insistir em sua inocência, e até o momento não foi acusado penalmente, foi suspenso do seu cargo em junho do ano passado.

A Sala de Imprensa da Santa Sé, até o momento, limitou-se a confirmar que um tribunal eclesiástico de primeira instância, constituído em outubro passado, será presidido pelo cardeal estadunidense. Não deu nenhuma indicação sobre quanto tempo o cardeal permanecerá em Guam, nem qual destino possa esperar após o seu retorno. Mais quatro bispos se juntarão a Burke nesse tribunal, confirmou a Sala de Imprensa.

De acordo com o Guam Daily Post, o cardeal Burke assinou um decreto no dia 03 de fevereiro passado no qual pedia o comparecimento, no dia 16 de fevereiro, na chancelaria diocesana de Agana, de um dos acusadores de Apuron, Roland Sondia, “com o propósito de dar seu testemunho” sobre os fatos. O equivalente, no Direito Canônico, a um promotor e a um advogado defensor também estarão presentes ao ato, de acordo com o cardeal. Um segundo documento, assinado no dia 06, estipula que, de acordo com as normas canônicas, o processo contra Apuron será “confidencial” e acontecerá “sob segredo pontifício”.

Neste primeiro decreto, o cardeal também faz menção de que chega à remota ilha do Pacífico Ocidental por indicação do cardeal Gerhard Müller, o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e, como tal, encarregado de coordenar a resposta da Igreja às alegações de abusos contra seus clérigos.

Burke, no entanto – e embora tenha sido prefeito da Assinatura Apostólica, o Supremo Tribunal da Igreja –, não tem experiência especial no julgamento de sacerdotes abusadores, motivo pelo qual a sua nomeação para presidir o julgamento de Apuron é, no mínimo, fora do comum.

Correm rumores de que a nova missão do cardeal Burke é uma estratégia para afastá-lo de Roma e das críticas ao Papa Francisco. Uma tese que ganha força ao recordar que Burke foi destituído recentemente de todas as suas responsabilidades na cúria romana em consequência de sua descarada rebelião contra o Pontífice nas controvérsias das dubia e da Ordem de Malta.

Inclusive desta última congregação, com a chegada ali do delegado pontifício, Angelo Becciu. Outros, ao contrário, indicam que se trata de uma nova oportunidade para o cardeal praticar a penitência e a conversão à qual Francisco não cessa de chamar a Igreja.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O Papa envia Burke a 12 mil quilômetros de Roma para investigar um caso de abusos sexuais