Apenas 15 pessoas sabiam da negociação secreta Estados Unidos-Cuba, diz assessor de Obama

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Janeiro 2017

De acordo com Ben Rhodes, não foi o Papa Francisco quem tomou a iniciativa para mediar o entendimento com a Ilha, como se vinha dizendo, mas os Estados Unidos se aproximaram do Pontífice com esse propósito.

A reportagem é publicada por Martí Noticias, 18-01-2017. A tradução é de André Langer.

Após sua recente visita a Cuba para a assinatura do controverso Memorando de Entendimento Legal entre os Estados Unidos e Havana, o assessor-adjunto de Segurança Nacional e leal amigo de Barack Obama, Ben Rhodes, disse em uma entrevista ao correspondente da revista Politico, Michael Crowley, que participou ativamente das conversações secretas com o regime da Ilha que levaram à retomada das relações diplomáticas entre os dois países e que com isso “rompemos um obstáculo psicológico que nunca vai ser totalmente restaurado”.

Segundo Rhodes, não foi o Papa Francisco quem tomou a iniciativa para mediar o entendimento com a Ilha, como se vinha dizendo, mas os Estados Unidos se aproximaram do Pontífice com esse propósito.

Assim, assegura na longa entrevista à Politico: “Em relação a Cuba, quando fui ao Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano e seu pessoal não sabiam o que fomos fazer ali. Nós dissemos que estávamos dispostos a restabelecer as relações diplomáticas e começar a normalizar as relações. Uma das pessoas que trabalhou para o cardeal – nunca vou esquecer isso – literalmente começou a chorar. E lembro que tivemos esta longa cerimônia nesta sala adornada e então lembro que fui às ruas de Roma e fui anônimo, e pensei: eu sei de uma coisa que ninguém mais sabe, exceto cerca de 15 pessoas. Mas, vai explodir a mente de todos”.

Para o assessor de Obama, tratava-se das batalhas mais difíceis. “Assim que desafiamos a convenção e tocamos as vias para selar um acordo com o Irã ou abrir-nos a Cuba, e esses foram os portfólios que tomei precisamente porque sabia que eram importantes para o presidente Obama”.

Obama acaba de nomear Rhodes para integrar o Conselho dos Estados Unidos em Memória do Holocausto, uma junta de 68 pessoas criada em 1980 pelo Congresso.

O conselho dedica-se a conscientizar o público dos Estados Unidos sobre a história do genocídio nazista e arrecadar fundos para o Museu em Memória do Holocausto, sediado em Washington.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apenas 15 pessoas sabiam da negociação secreta Estados Unidos-Cuba, diz assessor de Obama - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV