Diálogo com o judaísmo: Rute, modelo de acolhida

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Janeiro 2017

Na tradição judaica, fala-se de chésed, ou seja, de obras de bem que vão além das necessidades materiais e envolvem a tentativa de compreender as necessidades até mesmo psicológicas do próximo. Na tradição cristã, recorre-se à expressão “atos gratuitos de amor e misericórdia” capazes de se traduzirem para uma caridade que não conhece fronteiras humanos ou geográficas. É o coração do Livro de Rute, no centro da 28ª Jornada para o Aprofundamento e o Desenvolvimento do Diálogo entre Católicos e Judeus que se celebra nessa terça-feira na Itália.

A reportagem é de Giacomo Gambassi, publicado no jornal Avvenire, 17-01-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Um compromisso que se insere “em um período histórico em que se vê, de um lado, a multiplicação de iniciativas de diálogo (e não apenas com o mundo judaico), mas, de outro, uma espécie de fechamento preconceituoso, sempre à espreita, sempre perigoso e, especialmente, sempre absolutamente estéril”, explica o diretor do Escritório Nacional da Conferência Episcopal Italiana (CEI) para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-Religioso, Pe. Cristiano Bettega, na apresentação do subsídio para a jornada. Uma publicação que é um debate a duas vozes sobre o Livro de Rute entre o bispo de Frosinone-Veroli-Ferentino, Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo, e o rabino-chefe de Milão, Alfonso Arbib, presidente da Assembleia dos Rabinos da Itália.

No ano passado, foi concluído o itinerário de dez anos sobre o Decálogo, que tinha servido de fio condutor para a jornada. “Para os próximos cinco anos – afirma Spreafico – optamos por propor à reflexão comum um trecho tomado de cinco livros que, Bíblia judaica, constituem as cinco megillot (rolos): Rute, Cântico dos Cânticos, Eclesiastes, Lamentações, Ester.”

Arbib acrescenta: “O Livro de Rute, desde os tempos dos Gheonim, é lido de costume durante a festa de Shavuot, isto é, a festa do Mattán Torá (o dom da Torá)”. O texto é a história de uma mulher estrangeira – modelo de piedade – que se casou com o filho de uma belemita, Noemi, que tinha deixado a terra de Israel por causa de um período de fome e tinha emigrado para Moab.

“O midrash – recorda o rabino – defende que a fome não havia atingido a sua família, que era muito rica e importante. O que a leva a emigrar é o temor de ter que assumir a responsabilidade de se ocupar das pessoas atingidas pela fome, de ter que dar de comer ou um teto para os pobres se protegerem. Do ponto de vista da norma legal, a escolha é legítima, mas o midrash pede para ir além da norma estrita.”

De acordo com o bispo, estamos diante de “uma história tão atual que nos coloca em contato com o drama da emigração de tantas mulheres e homens que fogem dos seus países não só por causa das guerras, mas também por causa da pobreza e da impossibilidade de prover o futuro das suas famílias”.

Rute, tendo-se tornado viúva, permanece ao lado da sogra Noemi, assim que esta última decide voltar para a sua terra natal. “Ela a segue quando retorna para Belém pobre, humilhada”, ressalta Arbib. “E se identifica completamente com a sogra e com o seu povo, convertendo-se ao judaísmo e dizendo: ‘O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus’.”

Trata-se de um exemplo de chésed, de proximidade e ajuda. Spreafico ressalta: “Rute faz um ato de misericórdia, não deixando a sua sogra na solidão e em um destino incerto. Isso atrai sobre ela a bênção do Senhor e a benevolência dos homens. Gestos de amor abrem a vida dessas duas mulheres a um futuro cheio de esperança. Deus parece guiar a história dessas duas mulheres para a acolhida e a inclusão”.

É fundamental no livro o encontro entre Rute e o israelita Boaz. “Com chésed – observa o rabino – comporta-se Boaz, que permite que Rute colha no seu campo, apesar de ser estrangeira. Mas ele faz um ato de chésed ainda maior casando-se com Rute e dando uma descendência à casa de Noemi.”

Para Spreafico, emerge a preocupação de “não exclusão”, de “integrar também o estrangeiro, junto com as outras pessoas frágeis econômica e socialmente, como os escravos, o órfão e a viúva”. E esclarece: “O texto esconde uma tradição bíblica interessante que abre à solidariedade também para com aqueles que não fazem parte do povo de Deus”.

Assim, conclui o rabino-chefe de Milão, “o Livro de Rute nos indica uma das direções em que o diálogo pode se desenvolver: a da solidariedade para com o próximo, que pode ser comum às várias religiões, mas, acima de tudo, ao judaísmo e ao cristianismo, que vêm de uma raiz comum e que têm no princípio ‘ama o teu próximo como a ti mesmo’ um elemento essencial”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Diálogo com o judaísmo: Rute, modelo de acolhida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV