Com 54 mortes, violência no campo volta a nível de 2003, aponta Human Rights Watch

Revista ihu on-line

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Estamos frente a um sistema de agiotagem que paralisou o país'

    LER MAIS
  • Reforma aproxima trabalhadores de condições análogas à escravidão, diz historiadora

    LER MAIS
  • Amoris laetitia: segundo teólogo inglês, Papa Francisco ensina erros

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

17 Janeiro 2017

Pesquisador ressalta papel das milícias e impunidade de fazendeiros; 1% dos grandes proprietários detém 45% da área rural.


Fonte: De olhos nos Ruralistas.

A reportagem foi publicada por De Olho nos Ruralistas, 16-01-2017.

A violência no campo no Brasil alcançou seus piores índices em uma década por causa das milícias privadas criadas por fazendeiros para atacar ativistas pelo direito à terra no país, disse César Muñoz, pesquisador brasileiro da Human Rights Watch (HRW), na quinta-feira, à Fundação Thomson Reuters.

Com 54 assassinatos em conflitos rurais em 2016, o ano tornou-se o mais violento desde 2003, quando 71 pessoas morreram, lembra Muñoz, municiado com os dados do relatório da Comissão Pastoral da Terra (CPT). “Aqueles que usam violência para manter o controle sobre a terra podem agir com impunidade, eles podem matar”, disse o pesquisador, que é especializado em abusos policiais.

De acordo com o relatório da CPT, Rondônia foi o Estado mais violento com 17 homicídios. O Maranhão ficou em segundo, com 12 assassinatos. O Pará em terceiro, com 6 mortes.

A CPT destaca 3 casos mais paradigmáticos: 1) assassinato do ativista Nilce de Souza Magalhães, em Porto Velho; 2) do quilombola Zé Sapo, em Palmeirância (MA); e 3) do indígena Clodioli Aquileu de Souza, em Caarapó (MS).

Entre 1984 e 2010, morreram no campo 2.262 por causa de conflitos envolvendo disputa de terra, aponta relatório Terrenos da Desigualdade – Terra, agricultura e as desigualdades no Brasil rural, lançado pela Oxfam Brasil em 2016.

Segundo o relatório, a concentração fundiária é o principal motivo para violência no campo. Atualmente, menos de 1% dos grandes proprietários concentram 45% de toda a área rural — enquanto pequenos proprietário, inferior a 10 hectares, ocupam menos de 2,3% da área rural.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Com 54 mortes, violência no campo volta a nível de 2003, aponta Human Rights Watch