O exemplo dos bispos de Malta para os episcopados da América Latina

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja é contra a Reforma da Previdência

    LER MAIS
  • A justiça social é mais importante para evitar doenças mentais do que medicamentos, afirma relator de saúde da ONU

    LER MAIS
  • Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e somando 239 registros no ano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Janeiro 2017

“Por que os bispos latino-americanos, nem como pastores de suas dioceses, nem como conferências, deram uma orientação particular aos fiéis sobre a possibilidade aberta pela Amoris Laetitia para que os divorciados recasados possam comungar na missa?”, pergunta Jorge Costadoat, SJ, teólogo chileno, em artigo publicado por Reflexión y Liberación, 15-01-2017. A tradução é de André Langer.

Eis o artigo.

Por que os bispos latino-americanos, nem como pastores de suas dioceses, nem como conferências, deram uma orientação particular aos fiéis sobre a possibilidade aberta pela Amoris Laetitia para que os divorciados recasados possam comungar na missa?

O Papa entregou a eles a tarefa de dar especificações regionais de aplicação da exortação apostólica. Só podemos supor que haja uma razão poderosa para que até agora os bispos praticamente não se tenham pronunciado sobre o tema.

Os bispos malteses, sim, deram uma orientação.

A pergunta que faço é similar àquela que muitos católicos se fazem: “no que deu a questão da comunhão aos divorciados recasados? Sabe-se algo sobre isso?” Os sínodos sobre a família foram despertando interesse pouco a pouco. As pessoas foram se informando pela imprensa. Muitos não ficaram sabendo de nada por parte de suas dioceses ou paróquias sobre as 39 perguntas que o Papa propôs para trabalhar os temas mais relevantes. Nem os meios de comunicação – alguns por seres agnósticos, outros por serem conservadores – deram suficientes informações. Isto assim, os católicos mais comprometidos e, certamente, aqueles que não podem participar plenamente da eucaristia, constatam outra vez que são deixados de lado.

O que aconteceu em outras regiões do mundo? Entendo que um bispo norte-americano tenha proporcionado recomendações para que os católicos, cumpridas as exigências da Amoris Laetitia, se aproximem para comungar; mas também que outro extraiu um documento ao contrário. Não fiquei sabendo se os alemães publicaram algo. Sua contribuição no Sínodo foi extraordinária. E a Espanha? Os bispos de Malta,  ao contrário, redigiram um documento notável. Ele certamente ajudará os seus fiéis.

Não entendo o porquê deste silêncio. O Papa também precisa de ajuda. Francisco tem uma oposição impressionante de parte de seus próprios colaboradores. Quatro cardeais, e outros católicos por trás deles, ameaçaram Francisco, sugerindo que com a Amoris Laetitia ele se afastou da ortodoxia. E os outros cardeais, o que pensam? O Sínodo aprovou o documento base da Amoris Laetitia por mais de dois terços dos votos, é verdade. Mas, deixou em aberto explicar aos católicos como devem entender sua aplicação nas suas respectivas regiões.

Posso entender que os bispos latino-americanos não entrem em polêmica com o cardeal Burke e os demais prelados, contra o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e as outras autoridades da cúria contrárias ao Papa. Mas, se há bispos de acordo com Francisco, por que não os apoiam na aplicação do documento, sobretudo quando o que está em jogo é orientar o Povo de Deus? São muitos os católicos que têm a sensação de abandono.

Bastaria um documento como o da Igreja de Malta: critérios para a aplicação do capítulo VIII da Amoris Laetitia. No parágrafo decisivo diz:

“Se, como consequência do processo de discernimento, empreendido com ‘humildade, reserva, amor à Igreja e ao seu ensinamento, na busca sincera da vontade de Deus e com o desejo de alcançar uma resposta a ela mais perfeita’ (AL 300), uma pessoa separada ou divorciada que vive em uma relação consegue com clara e informada consciência, reconhecer e crer que ela ou ele estão em paz com Deus, ela ou ele não podem ser impedidos de participar dos sacramentos da reconciliação ou da eucaristia (Cf. AL, notas 336 e 351)”.

Enquanto não houver pronunciamentos dos bispos latino-americanos, este documento e este parágrafo podem servir para muitas Igrejas da América Latina; e, quem sabe, também para outras Igrejas do mundo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O exemplo dos bispos de Malta para os episcopados da América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV