Papa recebe pessoas atingidas pelos terremotos da Itália, em 2016

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS
  • Aquele que veio para desconstruir e devastar - Frases dia

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Janeiro 2017

O Papa Francisco recebeu hoje, em audiência, centenas de pessoas atingidas pelos terremotos que assolaram, no ano passado, várias cidades do centro da Itália, tragédia em que quase três centenas de pessoas morreram.

A informação é publicada por Terra, 05-01-2017. A tradução é de Henrique Denis Lucas.

O pontífice expressou sua proximidade com o sofrimento dos participantes, a quem lhes disse: "estou com vocês".

Entre os testemunhos estava o de Luciano Avenati, um pároco de Norcia, uma das localidades mais afetadas pelos terremotos, que disse ter escolhido ficar junto às pessoas que permaneceram entre os escombros ao invés de sair para um lugar mais seguro.

O Papa elogiou a "solidariedade" mostrada nesse exemplo e salientou que essa atitude em espanhol significa "ser bem-nascido".

Francisco elogiou "a coragem, a tenacidade e a paciência" demonstrada pelas pessoas afetadas pelos terremotos, o primeiro dos quais atingiu a zona central da Itália no dia 24 de agosto.

O Papa fez um apelo para que prossigam a reconstrução das áreas afetadas "desde o início, mas também (para) recomeçar sem perder a capacidade de sonhar, sonhar sobre como se recuperar, ter a coragem de sonhar de novo".

Francisco comentou que, além da reconstrução física das casas destruídas, será necessário antes "reconstruir o coração" e, em uma intervenção sem ler o discurso escrito previamente e fazendo alusão aos depoimentos do evento, reconheceu que isso terá de ser feito de forma "dolorosa".

O Papa disse que o que é necessário agora não é o otimismo, mas a esperança, apesar de admitir que "as feridas são curadas, mas as cicatrizes permanecerão por toda a vida".

"Será uma recordação desse momento de dor, será uma vida com uma cicatriz a mais", descreveu o Papa.

"Perdemos muitas coisas, lares, famílias, mas nos tornamos uma grande família de outra forma", acrescentou Jorge Bergoglio, que assegurou que a proximidade das pessoas atingidas tornou "mais humanos, mais valentes" aqueles que sobreviveram.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa recebe pessoas atingidas pelos terremotos da Itália, em 2016 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV