“A grande preocupação de Jesus não era se as pessoas pecavam mais ou menos, mas se tinham fome ou estavam doentes”, afirma José María Castillo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Dezembro 2016

“A grande preocupação de Jesus não era se as pessoas pecavam mais ou menos, mas se as pessoas tinham fome ou estavam doentes”. O importante teólogo granadino José María Castillo recebeu, à noite, um autêntico banho de massas, durante sua intervenção na Aula Cultura ABC, de Madri.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 13-12-2016. A tradução é do Cepat.

O ato, que serviu para apresentar “La Humanidad de Jesús” (Trotta), superou as expectativas: todos os assentos da Aula (mais de trezentos pessoas) cheios para ouvir Castillo, um dos pais da Teologia Popular e cujos escritos são essenciais para compreender o “modelo Francisco”. E, pela primeira vez em muito tempo, o livreiro colocou o cartaz de “tudo vendido”.

Após a abertura de Fernando García de Cortázar, sj., e depois de uma extensíssima apresentação de Reyes Mate, Castillo foi direto ao assunto, separando “duas formas de fazer teologia: a dos Evangelhos e a de Paulo”. Em sua opinião, “a dos Evangelhos é uma teologia narrativa, enquanto que a de Paulo é uma teologia especulativa, porque parte de ideias sobre a religião, o pecado, a salvação e o ser humano”.

Esta dicotomia marcou a evolução do Cristianismo no Ocidente desde praticamente o surgimento da Igreja. Para Castillo, “é um fato que as relações entre o divino e o humano na história da Humanidade foram difíceis, complicadas, tensas e, às vezes, conflitivas e inclusive violentas. Foram e continuam sendo”.

Aprecia-se, assim, um “conflito entre o desejo e a proibição que vem do divino”, e que penetra na intimidade das consciências, onde se dão os sentimentos de culpa. “Se não existisse, todos os psiquiatras e terapeutas deveriam apontar à paralisação”, disse entre os risos das pessoas.

No caso do Cristianismo, “esta tensão se acentua porque o centro é Jesus Cristo, que nossa fé afirma que é perfeitamente divino e perfeitamente humano”. “Se nossa fé em Jesus fosse como tem que ser - explicou Castillo -, a fé em Jesus teria que ser a presença em nós do divino, que deveria nos levar a pensar e a viver da forma mais plena e coerente o que é humano. Assim, haveria harmonia, gozo, desfrute, felicidade”. Mas, se ao contrário, “nossa fé em Jesus for vivida como presença em nós do humano, isso teria que nos levar a pensar de forma plena e coerente no divino”. Uma das duas? “Mas, as coisas não funcionam assim”, disse Castillo.

O grande problema, então, é a forma como falamos de Deus, como definimos Deus, inclusive se este último é possível. “Quando falamos de Deus, estamos falando do transcendente, e o transcendente, por definição, é aquele que não podemos conhecer. Se buscamos conhecê-lo, não conseguiremos de outra maneira a não ser objetivando, e coisificando. Algo mentalmente elaborado, e isso é Deus”.

Mas, inclusive concebendo esta possibilidade, “como harmonizamos que Deus é infinitamente bom e poderoso com este homem e este mundo que temos? Isso não tem solução. Não existe”. E se não tem solução, então vem minha pergunta. “Deus quer...”. “Onde ficou sabendo disso? Quem disse a você? Se você começa a me explicar Deus, é que não ficou por dentro do que é Deus, ou não admite o transcendente. Você faz uma representação desse momento e isto é o que as diferentes religiões fazem”, explicou o professor.

Que solução o cristianismo deu a este problema? “A solução foi Jesus, que é a explicação do que nós podemos saber e conhecer. Isto é exatamente o diz o Evangelho de João: ninguém nunca viu a Deus, jamais. É um ato de fé. E então a chave passa a ser como vivemos esta fé”, destacou Castillo.

E onde está Deus? Castillo utilizou o Evangelho de João para explicar que Deus está em Jesus, em seus atos e suas palavras. “Vendo como Jesus atuou e se comportou, saberemos o que agrada a Deus, o que Deus quer, o que Deus rejeita. E vemos isso na humanidade de Jesus, porque a divindade não está a nosso alcance. Justamente porque a missão de Jesus é nos dar a conhecer o que não podemos conhecer de outra maneira ou por outro caminho”.

Para Castillo, “Jesus é uma representação, um ser pessoal que se identifica com Deus e é com ele que Deus se identificou. Deus soube que a primeira coisa que precisava fazer para se comunicar conosco era se humanizar”. Uma profunda humanidade de Jesus que se manifesta na leitura dos Evangelhos, onde se refletem as “três grandes preocupações de Jesus: a saúde, a alimentação e as relações humanas”. Por isso, explicou que, no Evangelho, Jesus aparece curando doentes, partilhando a comida e acolhendo todo mundo, falando com todos.

É que “a grande preocupação de Jesus não era se as pessoas pecavam mais ou menos, mas se as pessoas tinham fome ou estavam doentes”, explicou Castillo. O problema era o delito, que é prévio ao pecado. E isto fez com que “Jesus entrasse em conflito com os representantes da religião”.

Mais ainda: “Jesus percebeu que a religião, da forma como funciona, entra em conflito com a felicidade do ser humano. As religiões proíbem amar certas pessoas e são exigentes com as coisas mais íntimas das pessoas, ao passo que se mostram tolerantes com o dinheiro. Não toleram a igualdade: as religiões se dão mal com a igualdade e precisam estabelecer diferenças: eu posso mais que você e lhe proíbo que pense ou diga isso”, destacou o teólogo.

E, no entanto, “segundo o Evangelho, a plenitude do divino se alcança na medida em que vamos nos aproximando da plenitude do humano. E uma pessoa que maltrata o humano não pode acreditar em Deus. Quem faz os outros sofrerem, não acredita em Deus, acredita em uma representação que fez e a qual se apega, chegando a matar se for preciso”.

Para Castillo, “o problema da Igreja é que as maiores resistências que teve, desde suas origens, não foram contra o divino, mas supreendentemente contra o humano”, ressaltou Castillo, recordando os principais conflitos dos primeiros séculos do Cristianismo, e os grandes temas que, ainda hoje, sacodem o debate intereclesial: desde a homossexualidade, à desigualdade entre homens e mulheres, e também a escravidão. “Sabem quando a Igreja condenou a escravidão? Com Gregório XVI, na metade do século XIX”.

“É curioso que os países mais praticantes na Europa sejam os do sul, os de mais religiosidade, observância e tradição... que são os países mais corruptos. E, ao contrário, os países onde há menos religiosidade, ritualismo e clericalismo são os países onde esta mácula que sofremos e nos envergonha, nem a imaginam”.

“Por que o Vaticano, a esta altura, ainda não assinou os acordos internacionais para a aplicação dos Direitos Humanos”, denunciou Castillo, que agradeceu o ensino, desde João XXIII, sobre os direitos humanos... na teoria. “Procurem a palavra ‘mulher’ no Código de Direito Canônico (CDC). Não a encontrarão. Minha convicção é que o CDC é um livro de uma violência... Não é que aqueles que o fizeram ou o mantêm sejam pessoas violentas. São pessoas fiéis a sua religião. E como querem ser fiéis e permitirão arrancar a pele antes de perder sua religião, temos o que temos”, concluiu.

No breve turno de perguntas, Castillo demonstrou sua impressão de que o Papa Francisco “concordaria em muitas coisas comigo, ainda que não em tudo”. Em sua opinião, Bergoglio “é um homem que mudou a figura do Papado, até o ponto em que aquela imagem hierática do Papa não será fácil recuperar”.

“Neste homem predomina sua humanidade. É um homem profundamente humano”, destacou o teólogo, que recordou que “tudo o que eu disse ressaltando a humanidade e a misericórdia, Francisco também enfocou”. Apesar de tudo, reconheceu que “uma pessoa que tem cargos de governo dificilmente pode colocar em questão determinados princípios que entrariam em conflito com o mesmo cargo que desempenha”.

A última pergunta foi: veremos a Deus?. “Eu acredito na Ressurreição, porque tenho esperança que a morte não tem a última palavra. E, nesse sentido, posso afirmar minha fé na ressurreição. Mas, segurança... nenhuma. Em minhas crenças, ela existe”, finalizou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A grande preocupação de Jesus não era se as pessoas pecavam mais ou menos, mas se tinham fome ou estavam doentes”, afirma José María Castillo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV