Contra PEC 55 e reformas de Temer, estudantes ocupam prédios da UFSM

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • O arcebispo do povo, entre oração e bicicleta

    LER MAIS
  • CNBB estimula Jornada de Oração e Jejum pelo Brasil por ocasião do Dia da Pátria

    LER MAIS
  • O país da Casa-grande

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

11 Novembro 2016

Alunos dos cursos de Educação Especial e Pedagogia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) aprovaram, em assembleia, a ocupação de salas da universidade na noite de quarta-feira (9). De acordo com nota, divulgada em uma página da ocupação no Facebook, as atividades no prédio dos cursos estão suspensas, com apoio da unidade.

A informação é publicada por Sul21, 10-11-2016.

Na tarde de quarta-feira, alunos já haviam ocupado também o Centro de Ciências Sociais e Humanas (CCSH), após assembleia com presença de estudantes dos cursos de Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda, Produção Editorial, Ciências Sociais, Serviço Social, Filosofia, História, Direito, Administração, Relações Internacionais e Psicologia.

A nota da Ocupa CE-UFSM diz ainda que a ocupação se posiciona contra a antiga PEC 241, atualmente PEC 55 no Senado, a reforma do ensino médio e as propostas de Escola Sem Partido (apelidada de “lei da mordaça). Os estudantes apoiam também a greve dos professores da entidade.

Os estudantes escrevem ainda: “Esse governo que tem um projeto neo liberal, busca dividir o pais entre pobres e ricos, aprofundando a desigualdade social e retirada de direitos daqueles que mais precisam e que aos trancos e barrancos os tem conquistado durante a historia pós ditadura do Brasil. Nós buscamos não permitir que sejam cortados ou reduzidos os recursos da educação e saúde, nossa luta é pela garantia de uma universidade pública, de qualidade e que forneça sempre melhores condições de ensino, permanência, pesquisa e extensão”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Contra PEC 55 e reformas de Temer, estudantes ocupam prédios da UFSM