Relatório Planeta Vivo 2016: Produção de alimentos acelera perda de biodiversidade em escala global

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O risco que eu estou correndo é cada vez maior, e a responsabilidade vocês sabem de quem é”, denuncia padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • A nova encíclica de Francisco nascida do diálogo com o Islã e do Covid. Artigo de Alberto Melloni

    LER MAIS
  • Padre Julio Lancellotti recebe novas ameaças após ataques virtuais de deputado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Novembro 2016

As atividades não sustentáveis de agricultura, principalmente a produção de soja e a carne, assim como a queima da vegetação para a produção de carvão, permanecem como uma grande ameaça à biodiversidade do Cerrado, bioma brasileiro localizado entre a Amazônia, a Mata Atlântica e o Pantanal. O uso inadequado do solo coloca o Cerrado entre as regiões mais ameaçadas e sobreexplotação do mundo.

A reportagem foi publicada por WWF Brasil, 31-10-2016.

A constatação está no Relatório Planeta Vivo 2016, divulgado internacionalmente hoje pelo WWF, que traça um panorama mundial, mas destaca o Cerrado como um epicentro da perda acelerada de biodiversidade no mundo.

Conheça o Relatório Planeta Vivo 2016

Desde o final da década de 1950, cerca da metade das savanas e das florestas naturais do Cerrado foi convertida para a agricultura. Como esses ecossistemas foram extintos, desapareceu a vida silvestre que eles sustentavam e os serviços ambientais essenciais por eles providos, como água limpa, sequestro de carbono e solos saudáveis.

As espécies ameaçadas de extinção incluem a onça, o lobo-guará e o tamanduá-bandeira, além de muitas outras plantas e animais que só existem no Cerrado. Não são apenas os ecossistemas e as espécies frágeis que sentem o estresse.

A destruição de habitat ameaça, também, a forma de vida de muitas populações indígenas e outras comunidades que dependem das florestas, das pastagens naturais e das savanas para seu meio de vida.

Colcha de retalhos

Na colcha de retalhos planetária, o caso do Cerrado é mais um agravante ao acelerado declínio de espécies que pode levar a um colapso dos ecossistemas ao redor do mundo.

Em escala global, a produção de alimentos para atender às exigências de uma população crescente segue como o principal fator para a destruição de habitat e o desaparecimento de populações inteiras de animais selvagens.

Se não mudarmos a forma como produzimos alimentos e buscamos na natureza os recursos para sustentar nosso modo de vida no planeta, a vida selvagem global pode sofrer 67% de declínio, em intervalo de apenas 50 anos, como resultado destas e outras atividades humanas, alerta o relatório.

O documento do WWF é elaborado a partir do Índice Planeta Vivo (IPV), fornecido pela Sociedade Zoológica de Londres (ZSL). 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relatório Planeta Vivo 2016: Produção de alimentos acelera perda de biodiversidade em escala global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV