Hillary e Trump, entre rupturas e heresias políticas. Artigo de Massimo Faggioli

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • A força de Theodor Adorno contra a extrema direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Outubro 2016

"É evidente que a candidatura de Trump é a de um herege em relação ao credo político-religioso da democracia nos Estados Unidos. O verdadeiro problema são os milhões de estadunidenses fascinados por esse herege."

A opinião é do historiador italiano Massimo Faggioli, professor da Villanova University, nos EUA, em artigo publicado no sítio L'Huffington Post, 20-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O terceiro e último debate para as eleições presidenciais estadunidenses de 2016, moderado por um dos apresentadores da Fox News, poderia ter sido o primeiro debate de verdade com Donald Trump e Hillary Clinton, que se dividiram sobre as questões substanciais e não em ataques pessoais.

A ilusão durou apenas cerca de 20 minutos. O início não foi fácil para Hillary Clinton, na defensiva especialmente no primeiro dos seis segmentos do debate, dedicado à Suprema Corte e, depois, sobre o aborto.

Trump garantiu que irá nomear juízes pró-vida, e, de algum modo, prometeu a abolição da sentença de 1973 ("Roe versus Wade") que tornou legal o aborto em nível federal nos EUA; Clinton evitou colocar limites sobre aos abortos, até mesmo no terceiro trimestre.

Nesse primeiro segmento, Trump marcou pontos importantes com o eleitorado religioso e destacou a mudança da posição de Clinton do aborto "raro, seguro e legal" (slogan dos anos 1990) ao aborto "on demand" (com pouquíssimas limitações) desta campanha eleitoral.

Esse foi o melhor ponto da noite para Trump, mas o resto do debate fez com que a maioria esquecesse o primeiro segmento. Na segunda parte, Trump não conseguiu formular, em resposta a uma pergunta específica, uma crítica credível de Putin e da espionagem russa na campanha eleitoral estadunidense. Trump destacou, de modo instrumental, mas inegável nos fatos, as fraquezas da política externa estadunidense de Obama – mas que, nesta campanha, quase não desempenha nenhum papel, senão pelas revelações do Wikileaks publicadas em tempos nada casuais.

A segunda metade do debate viu Hillary Clinton emergir, até porque a discussão voltou aos níveis dos encontros anteriores: as fraquezas de Trump são, evidentemente, mais graves, apesar das evidentes fraquezas de Hillary Clinton. O ponto mais baixo de Trump coincidiu com o momento mais crítico na história das eleições presidenciais nos Estados Unidos, quando o candidato republicano se recusou a prometer que irá reconhecer a legitimidade do resultado das eleições e conceder a eleição em caso de derrota.

O fato de que Trump, se derrotado na eleição do dia 8 de novembro de 2016, pode rejeitar o resultado das urnas significa a ruptura de um dogma político-religioso aceito ecumenicamente por todos os estadunidenses. É a primeira vez em 240 anos de história da democracia nos Estados Unidos; é uma novidade que diz muito sobre a profunda crise política que atravessa o país-guia do mundo ocidental.

A partir desse momento, a cerca de 20 minutos do fim, o resto do debate perdeu grande parte do seu interesse. É evidente que a candidatura de Trump é a de um herege em relação ao credo político-religioso da democracia nos Estados Unidos. O verdadeiro problema são os milhões de estadunidenses fascinados por esse herege.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hillary e Trump, entre rupturas e heresias políticas. Artigo de Massimo Faggioli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV