Cunha é primeiro peixe grande que a Lava Jato prende fora do PT

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • “O PT não defende a causa da esquerda. Nem a do país”. Entrevista com Ruy Fausto

    LER MAIS
  • “A Reforma Trabalhista é a vitória do Brasil colônia sobre o Brasil do desenvolvimento”

    LER MAIS
  • O que é a esquerda hoje. Artigo de Atawallpa Oviedo Freire

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

20 Outubro 2016

A prisão do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta quarta-feira (19), autorizada pelo juiz federal Sergio Moro, pode ficar marcada como a primeira grande ação da Operação Lava Jato que não envolveu o PT.

A reportagem é de Maria Júlia Marques e publicada por Uol, 19-10-2016.

"Não sabemos se Moro quis mostrar que também afetaria outros partidos depois do PT ter sido alvo principal de prisões da operação. Mas foi uma grande prisão e mostra que vão buscar 'peixes grandes' de outros partidos", afirma David Fleischer, cientista político e professor da UNB (Universidade de Brasília).

O professor afirma que aconteceram outras investigações importantes sem vínculo com o PT, como a recente denúncia de lavagem de dinheiro envolvendo o ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), mas que a de Cunha é representativa.

"Pode ser um aviso ao PMDB, de que já existem outros políticos na mira de Sergio Moro. Cunha era o mais poderoso do partido, depois de Michel Temer. Antes da cassação era muito valioso e não escapou", diz Fleischer.

Segundo ele, o impacto das operações foi sentida pelo PT nas urnas: "É bom lembrar que o PT foi majoritariamente afetado pela Operação Lava Jato e pagou por isso nas urnas."

Para o cientista político, o juiz Moro teve uma "boa sacada" para não levantar suspeitas sobre a data da prisão de Cunha. "Na terça-feira (18) foi divulgado que Moro marcou o interrogatório de Cláudia Cruz, mulher de Cunha, e nada sobre prisão foi mencionado", explica. "O ex-deputado deve ter voltado os esforços para auxiliar a mulher sem nem cogitar a prisão. O juiz conseguiu disfarçar muito bem".

Muitos políticos devem ficar nervosos até que os próximos passos do ex-deputado sejam divulgados e até que seja decidido de fato se ele irá ou não fazer delação premiada. Mas o presidente Michel Temer não deve ser um deles.

"Temer sempre foi muito cauteloso em sua relação com Cunha, sempre teve muito cuidado. Acredito que a distância entre eles após a cassação do ex-deputado garantiu que a imagem do presidente não seja vinculada com a prisão de Cunha."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Cunha é primeiro peixe grande que a Lava Jato prende fora do PT