O voto da periferia: Por que João Dória?

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS
  • Papa pede boicote a bens produzidos por trabalhadores forçados

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Outubro 2016

"Apesar de nossos lamentos por parte da esquerda, cabe uma reflexão autocrítica. As apostas exitosas de inserção via consumo dos governos Lula/Dilma geraram uma força política que, paradoxalmente, rejeita o próprio projeto econômico-social progressista". O comentário é de Danilo Sartorello Spinola, economista e sociólogo pela Unicamp em artigo publicado por Brasil Debate, 03-10-2016.

Eis o artigo.

Há uma tendência na tradição política brasileira que vem do nosso senso comum em acreditar que o projeto político da esquerda esteja associado aos interesses da grande massa populacional e da classe trabalhadora. Por outro lado, associa-se à elite o projeto político de direita.

Pois, nos meses que antecederam as eleições municipais, em um dos raros momentos da política brasileira, tivemos um candidato que abertamente defende um projeto liberal, privatista e que se põe como o representante da classe empresarial capitalista. O resultado, para muitos inesperado, foi a vitória de tal candidato no primeiro turno nas eleições municipais da maior cidade do país.

A surpresa maior se dá ao observar a eleição por subprefeitura. Não foi uma eleição polarizada. Praticamente toda a cidade votou em João Dória. Foi a eleição de um candidato. As causas explicativas desse fenômeno são distintas e vão desde os efeitos da Lava Jato e a descrença com o PT até uma tradição conservadora dos paulistas (os mesmos que recentemente elegeram Haddad, Marta e Erundina).

No entanto, o fator que quero destacar é como um candidato tão caricato como representante da elite paulistana, que rachou o próprio partido, pôde ter apoio tão maciço nas periferias.

Dória é o que almeja ser o paulistano. É o típico referencial. O mito do self-made man. Um empresário dito de sucesso, homem com acesso ao mais luxuoso padrão de consumo. Aquele que pode tomar as decisões que quiser, que pode pegar seu jatinho de manhã com uma linda mulher para comer caviar em Miami e terminar a noite caminhando pela Champs Elisée em Paris. Como Dória chegou a isso, cabe ignorar, mais vale crer no mito da meritocracia.

Apesar de nossos lamentos por parte da esquerda, creio que cabe a esta uma reflexão autocrítica. As apostas exitosas de inserção via consumo dos governos Lula/Dilma geraram uma força política que, paradoxalmente, rejeita o próprio projeto econômico-social progressista.

As pessoas, cada vez menos, almejam ou acreditam no acesso ao bem-estar, mas buscam, sim, mais ter dinheiro para pagar por ele. Um prefeito como Haddad, que deu alguns ares civilizatórios à cidade não cabe na equação.

A visão de coletividade do processo social ganha ares de hiper-individualismo na chamada classe C e D, e a eleição de Dória deixa explícito quais são suas preferências. Querem ser Dória. E isso fez Capão Redondo em massa apoiá-lo.

E deixo um elemento mais crítico. Se há uma força social que, sim, une a periferia, ela está centrada no poder das igrejas evangélicas, em sua maioria abertamente ultraconservadoras.

À esquerda cabe pensar a partir desse dado. Como recolocar em debate às periferias (e também às elites) um projeto progressista? Um projeto de bem-estar que deixe claro a necessidade da sociabilidade e da vida em coletividade, aquela da constituição de 1988?

Que defenda interesses de minorias, mas sem impor conjuntamente a tal defesa de um projeto que contrarie as aspirações das classes sociais emergentes? E que defenda, antes de tudo, a democracia?

Ou seja, um projeto republicano que fortaleça um sentimento de solidariedade orgânica que avança em um sentido cada vez mais fragmentado, mas que é fundamental e necessária para enfrentar os desafios do desenvolvimento, da superação das desigualdades, melhoras da saúde, educação, infraestrutura e redução da criminalidade…?

Fica aberta a reflexão.


Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O voto da periferia: Por que João Dória? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV