Bento XVI revela que não gostou da Humanae Vitae e que não escreveu a Dominus Iesus

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS
  • A opção Mourão: Kant contra Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Setembro 2016

Mesmo sendo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé em 2000, o então cardeal Ratzinger não escreveu a controversa Declaração Dominus Iesus, que defendeu que a Igreja católica é a única Igreja de Cristo. Ratzinger sentiu insatisfação com a Humanae Vitae, decepção com o regime dos nazistas e ainda está perplexo pelo motivo pelo qual Hans Küng o considera um “inimigo”. Estas são algumas das revelações que o Papa emérito faz em seu novo livro-entrevista Últimas conversas com Peter Seewald, que acaba de ser publicado em seu original alemão.

A reportagem é de Cameron Doody e publicada por Religión Digital, 15-09-2016. A tradução é de André Langer.

“Na situação em que eu me encontrava”, disse o Papa Ratzinger, “no contexto do pensamento teológico” em que na época se movia, a “Humanae Vitae era um texto difícil para mim”. A argumentação da encíclica de Paulo VI sobre o controle da natalidade não convenceu o jovem sacerdote e teólogo bávaro quando foi publicada em 1968, embora o tenham feito suas conclusões, dentre as quais a mais famosa foi a proibição total para católicos de métodos anticoncepcionais artificiais.

“Estava claro que o que ela disse foi essencialmente válido”, disse Bento em conversa com o jornalista Seewald, “mas o raciocínio, naquele momento, para nós e para mim pessoalmente, não foi satisfatório”. Quanto às razões pelas quais Ratzinger faz esta avaliação, aduz a falta, no texto, de “uma perspectiva antropológica compreensiva”. Esta, defende, só viria com o ministério do Papa Wojtyla. “Foi João Paulo II quem complementaria o enfoque da encíclica a partir da lei natural com uma visão personalista”, prossegue o papa emérito.

Sobre sua relação com o controvertido teólogo Hans Küng – com quem teve numerosos encontros durante sua etapa como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé –, o Papa Bento assevera desconhecer o porquê do esfriamento do amável trato de outrora. Embora o pontífice emérito confesse que como jovem defendia uma teologia “aberta ao futuro” e que se encontrava com vontade de “renovar” a ciência da revelação “de baixo para cima”, houve certa evolução do estudo da doutrina nos anos 1950 e 1960 – da qual Küng participou – que o tornaram mais conservador. “Vi que a teologia já não era a interpretação da fé da Igreja católica, mas que se preocupava em inventar como poderia e deveria ser, por seus próprios méritos”, disse Ratzinger a Seewald. “Seu caminho teológico”, disse sobre o teólogo suíço, “seguiu outro caminho, e se tornava cada vez mais radical”. “Eu não podia participar disso”, alega, porque, como teólogo católico, “não era permitido”.

Remontando ainda mais em sua história pessoal – até seu tempo como adolescente na Alemanha dos nazistas –, o Papa Ratzinger também compartilha com o jornalista alemão dois curiosos relatos da opressão que sofria. Afirma que como esportista bastante comum e com um desejo de tornar-se sacerdote não via seu futuro na sociedade na qual nasceu. “Em geral, o ambiente era opressivo”, recorda Bento XVI da Alemanha de sua juventude. E o outro exemplo de semelhante ambiente é tomado de um episódio da história de seu pai nos negócios. Herr Ratzinger mandava tecidos para serem costurados em uma fábrica administrada por um judeu, mas quando os nazistas confiscaram o negócio – apesar das insistências de que tudo continuaria como antes –, o pai do papa emérito decidiu nunca mais tratar com eles. “Não me aproveitarei do que um roubou do outro”, recorda Bento tendo dito seu pai: compromisso que manteve, pelo que conta seu filho, até o fim da sua vida.

Mas, talvez, o episódio mais intrigante do livro é a confissão de Ratzinger de que não escreveu pessoalmente a instrução Dominus Iesus, que sustenta que as Igrejas protestantes não são verdadeiras Igrejas. Com respeito à sua participação pessoal nesta declaração, Bento XVI afirma que se limitou a uma mera colaboração em um processo orgânico. “Não escrevi pessoalmente, a propósito, nenhum dos documentos do dicastério, para não deixar que minha opinião pessoal prevalecesse. Caso contrário, teria parecido que eu tentava disseminar e impor a minha teologia privada própria”, afirma.

Leia mais...

“Últimas conversações” de Bento XVI: remodelando o legado de Ratzinger?

Bento XVI revela insatisfação com “Humanae Vitae” de Paulo VI

Bento XVI: "Éramos progressistas. Queríamos renovar a teologia e, com ela, a Igreja"

A extraordinária liberdade com que Bento XVI fala de si mesmo e de Bergoglio

Bento XVI contesta cardeal Marx e nega que seu pontificado tenha sido excessivo

Depois do Sínodo: a Humanae vitae entre Paulo VI e Francisco. Artigo de Gianni Gennari

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bento XVI revela que não gostou da Humanae Vitae e que não escreveu a Dominus Iesus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV