Deslocar seminaristas levanta o debate sobre a formação do futuro clero

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco convoca Sínodo para a região panamazônica

    LER MAIS
  • Um Sínodo muito importante para a Igreja na Amazônia. Entrevista com Cláudio Hummes

    LER MAIS
  • Povos indígenas e criação: um Sínodo dos Bispos especial para a região panamazônica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

06 Setembro 2016

"Suspeito que o arcebispo de Dublin, alguém que passou a maior parte de sua vida sacerdotal em um escritório no Vaticano, não está feliz em mandar os seus seminaristas a Roma. Pelo contrário, ele considera essa atitude a única forma de incitar uma discussão mais importante e urgente a respeito da natureza da formação sacerdotal". 

O comentário é de Robert Mickens, editor-chefe da Global Pulse e teólogo, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 02-09-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Eis o artigo.

Todos os caminhos levam a Roma.

E um caminho em particular – na verdade, um trajeto aéreo do Aeroporto John Kennedy, em Nova York, para o Aeroporto Leonardo da Vinci (Fiumicino) em Roma – me trouxe aqui a exatamente 30 anos atrás.

Era o dia 30 de agosto de 1986. (Desde então estou aqui, após eu ter vivido um ano na Suíça a passado seis meses nos EUA.)

Essa data é fácil lembrar porque, no dia anterior, quando eu e outros 35 seminaristas americanos partimos em direção à Cidade Eterna, celebrava-se a festa litúrgica da Decapitação de João Batista.

Por vezes, em momentos inesperados de altos e baixos nos primeiros meses principalmente, nós nos perguntávamos se tal data não era algum tipo de presságio.

Mais tarde ficou claro que, de fato, muitas pessoas perderam a cabeça (pelo menos de modo figurativo) nessa antiga cidade de santos e pecadores. Em tempo, também aprendemos que Roma é um lugar onde alguns perdem a fé

Em nosso próprio mundo rarefeito, vivendo no Pontifício Colégio Norte-Americano e frequentando uma das pontifícias universidades da cidade, veríamos alguns do nosso grupo se agarrarem com mais tenacidade às vacas sagradas, coisas que eles acabaram confundindo com a crença católica.

Mas a maioria de nós iria sucumbir dolorosamente à experiência impotente e muitas vezes solitária de ver ídolos piedosos desmoronar diante de nós. E isso abriria a possibilidade de ou embarcar em uma jornada mais profunda da fé cristã marcada pela responsabilidade pessoal e por um discernimento cuidadoso, ou buscar refúgio em uma instituição eclesial regrada onde se finge que tudo é preto e branco.

O Papa Francisco me fez recordar estas ideias após algumas observações que fez a respeito da formação sacerdotal enquanto falava em privado no mês passado na Polônia com um grupo de companheiros jesuítas.

“Igreja precisa, hoje, crescer na capacidade de discernimento espiritual”, disse ele aos cerca de trinta confrades em 30 de julho.

“Alguns planos de formação sacerdotal correm o risco de apresentar ideias demasiado claras e distintas”, com limites e critérios “que são definidos a priori, rigidamente (...) e que põem de lado as situações concretas”, continuou.

“É preciso verdadeiramente perceber isto: na vida nem tudo é preto ou branco. Não, na vida prevalecem os tons de cinza. (…) Por isso, é preciso compreender estes aspectos onde as coisas não são claras”, concluiu Francisco.

Eu gostaria apenas de salientar algumas poucas questões que estes comentários fazem surgir em mim à luz da experiência de ter vivido em Roma, e especialmente em seu ambiente eclesiástico, nas últimas três décadas. Par isso, irei considerar alguns eventos recentes que envolvem a formação de jovens seminaristas.

O primeiro pensamento que destaco diz respeito ao atual método ou sistema de preparar membros da religião cristã para serem presbíteros (isto é, sacerdotes ordenados). O segundo tem a ver com a adequação de levar a cabo tal preparação (formação sacerdotal) em Roma.

Recentemente, Dom Diarmuid Martin, de Dublin, foi motivo de manchetes quando declarou que estava retirando os seus seminaristas que estudavam no seminário nacional do país, o St. Patrick’s College, em Maynooth, Irlanda, e mandando-os para o Pontifício Seminário Irlandês, em Roma.

Segundo falou, ele estava fazendo isto em decorrência do que vinha ocorrendo em Maynooth, coisas aparentemente ligadas a acusações anônimas de comportamento e intrigas impróprias envolvendo homossexualidade, o que incluía o uso, de parte de alguns estudantes, do aplicativo de celular Grindr, para encontros entre pessoas do mesmo sexo.

Os outros bispos da Irlanda ficaram surpresos e quase todos comprometeram-se em manter seus alunos estudando no seminário nacional.

Isso não impediu o conselho administrativo do seminário de aplicar imediatamente um “curativo” para consertar o suposto problema: os seminaristas terão agora que fazer suas refeições noturnas na companhia de seus superiores, ao invés de jantar fora; deverão também participar de uma recitação comunitária do rosário às 21 horas.

Os administradores do Maynooth devem achar que os seminaristas são capazes de agir em seus desejos sexuais somente à noite e que quaisquer ações podem ser impedidas com um monitoramento cuidados dos jovens e mantendo-os reclusos no prédio.

Na verdade, não acho que eles pensam isso. Mas suspeito que Martin acabou envergonhando-os com a sua decisão abrupta e drástica, de forma que os fez se sentirem obrigados a tomarem uma atitude.

Suspeito que o arcebispo de Dublin, alguém que passou a maior parte de sua vida sacerdotal em um escritório no Vaticano, não está feliz em mandar os seus seminaristas a Roma. Pelo contrário, ele considera essa atitude a única forma de incitar uma discussão mais importante e urgente a respeito da natureza da formação sacerdotal.

Ele já começou a falar sobre a possibilidade de criar um modelo de aprendizagem de preparação de futuros padres onde os candidatos morariam em paróquias ou em outros ambientes – em vez de seminários, que ainda estão modelados segundo uma programação monástica e de reclusão – enquanto estudam em universidades locais.

Martin terá dado uma contribuição fundamental à Igreja caso este tipo de modelo venha a ser estudado com mais cuidado e se levar a uma reforma em grande escala do atual sistema de formação sacerdotal (até mesmo deixando de lado outras questões cruciais como o sacerdote restrito a homens e o celibato obrigatório). Existem muitas maneiras de como estas coisas poderiam ser desenvolvidas.

Será uma batalha, no entanto. Muitas pessoas têm interesses em torno do atual status quo. Os seminários tradicionais precisariam redefinir suas missões (como alguns já começaram a fazer) ou fechariam, mesmo se forem considerados necessários como centros de discernimento ou formação espiritual – à semelhança dos programas de noviciado existentes nas ordens religiosas.

E quanto a mandar seminaristas para se preparar em Roma?

Não pareceria oportuno se a ideia – conforme deixa claro o Papa Francisco – é evitar dar-lhes “ideias demasiado claras e distintas” e “limites e critérios que são definidos a priori, rigidamente, (…) que põem de lado as situações concretas” nas quais eles estarão ministrando. Os seminaristas deveriam se preparar na – e para a – cultura e lugar onde irão atuar. Os estudos no exterior poderiam ser melhor empreendidos após alguns anos ordenação e serviço local.

É por isso que considero ainda mais alarmante que o seminário St. John Vianney College, em St. Paul, Minnesota, esteja enviando 15 de seus alunos para morar e estudar no Pontifício Colégio Irlandês. O St. John Vianney é o seminário preparatório de teologia para a Arquidiocese de St. Paul-Minneapolis, mas forma seminaristas de 19 dioceses americanas.

Anteriormente, estes seminaristas tinham a opção de estudar um semestre em Roma, mas com estudantes leigos no Campus Bernardi da Universidade de São Tomás, onde normalmente estudam. A mudança parece buscar manter os candidatos ao ministério sacerdotal separados de outros fiéis batizados que não estão em fase de discernimento espiritual. Este movimento é pensado para “proteger” uma vocação incipiente, mas também tem servido para formar atitudes de pertencimento a uma casta separada, clerical.

Simplificando: este é o modelo que foi confirmado por João Paulo II em sua exortação apostólica pós-sinodal de 1992, Dabo Pastores Vobis, e que teve continuidade com Bento XVI.

Mas Dom Diarmuid Martin, intencionalmente ou não, pode ter desferido o primeiro golpe a esta prática inadequada e ultrapassada, que não está conseguindo produzir padres eficientes para as necessidades e a missão da Igreja. Ironicamente, talvez, ele inspirou o esforço de percorrer um trajeto que, mais uma vez, leva a Roma.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Deslocar seminaristas levanta o debate sobre a formação do futuro clero