Madre Teresa, Pier Paolo Pasolini e o reconhecimento da santidade. Artigo de Angelo Comastri

Revista ihu on-line

1968, um ano múltiplo – Meio século de um tempo que desafiou diversas formas de poder

Edição: 521

Leia mais

Fake news – Ambiência digital e os novos modos de ser

Edição: 520

Leia mais

30 anos da Constituição – A experiência cidadã incompleta

Edição: 519

Leia mais

Mais Lidos

  • Todos os bispos chilenos apresentam sua renúncia ao Papa após o encontro de Roma

    LER MAIS
  • Papa confirma remoções e mudanças na Igreja chilena em dura carta aos bispos

    LER MAIS
  • Economia brasileira em 2018: estagnação e o recorde de 27,7 milhões de desocupados

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Setembro 2016

"Pier Paolo Pasolini entendeu que a Madre Teresa via algo onde nós não víamos nada: e reconheceu o mistério, o mistério da santidade!"

A opinião é do cardeal italiano Angelo Comastri, em artigo publicado na revista Se Vuoi, 27-03-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

No fim dos anos 1960, Pier Paolo Pasolini, depois de se encontrar com a Madre Teresa de Calcutá, saiu com esta encantadora exclamação: "Madre Teresa quando olha, vê!"... A propósito do seu "ver", eu me lembro de um episódio de extraordinária beleza.

Em 1988, ela foi me encontrar em Porto Santo Stefano, onde eu era pároco há vários anos. Ela me disse: "Não faça coisas barulhentas. Façamos algumas orações para acolher amor e nos tornarmos amor!".

Não me foi possível cumprir completamente o desejo da madre, e, portanto, à sua chegada, ela encontrou um pouco de inevitável oficialidade.

Ela cumprimentou a todos com a sua costumeira amabilidade e, depois, encaminhou-se para o lugar onde lhe esperava uma extraordinária assembleia: cerca de 20.000 pessoas! A Madre Teresa, de repente, se dirigiu para um ponto específico. O que ela tinha visto? Tinha visto os doentes, e o seu coração tinha tomado asas, e o seu rosto tinha se tornado radiante: ela tinha visto! E, assim, surpreendeu a a todos.

Pier Paolo Pasolini entendeu que a Madre Teresa via algo onde nós não víamos nada: e reconheceu o mistério, o mistério da santidade!

Augusto Guerriero (conhecido pelo pseudônimo de Ricciardetto), nos anos 1970, foi um escritor muito polêmico sobre a religião (…). No entanto, quando se encontrou com a Madre Teresa, Ricciardetto foi capaz de escrever: "Eu nunca tinha encontrado um santo. Esse encontro me comoveu profundamente. A Madre Teresa mantém na Índia 50.000 leprosos, organiza escolas e abrigos para jovens. Agora, abriu uma casa para leprosos no Iêmen. ‘Demos-lhes um pouco de luz', disse ela. ‘São nossos irmãos. Rezem por eles’. Eu beijei a sua mão várias vezes (...) e não respondi, porque era a comoção que me impedia de falar. Nos seus olhos, resplandecia a luz da mensagem cristã, da verdadeira mensagem cristã, que é o amor. Eu senti toda a vaidade do mundo em que vivi, das suas paixões, das suas lutas, das suas ambições. (…) Porque há um único ideal pelo qual vale a pena viver: é a caridade".

Assim era a Madre Teresa, e assim também os "distantes" a reconheciam.

Leia mais:

A Santa da Escuridão. Entrevista com Brian Kolodiejchuk, postulador da causa de Madre Teresa

O lobby de 17 anos de um padre pela canonização de madre Teresa

Vaticano: Madre Teresa de Calcutá vai ser canonizada a 4 de setembro

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Madre Teresa, Pier Paolo Pasolini e o reconhecimento da santidade. Artigo de Angelo Comastri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV