“Vivemos em dois mundos paralelos e diferentes: o on-line e o off-line”. Entrevista com o sociólogo Zygmunt Bauman

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Setembro 2016

Em um mesmo tom de voz e igual grau de expressividade, Zygmunt Bauman, o sociólogo mais influente das últimas décadas, faz piadas de sua surdez e reflete sobre a vida dupla – on-line e off-line – que, segundo ele, define nossa modernidade. “Venha deste lado – e mostra o aparelho auditivo escondido em seu ouvido esquerdo –, assim posso escutar algo do que você me disser e conversamos”, disse em um terraço de Lignano Sabbiadoro, o refinado balneário da costa friulana, perto de Údine, onde Bauman veio receber o Prêmio Hemingway, na categoria Aventura do Pensamento. Acaba de se guardar o cachimbo no bolso. Nas mãos, ainda tem dois isqueiros e o pacote de tabaco Clan Aromatic, uma combinação de quatorze tabacos diferentes, elaborado na Holanda.


Zygmunt Bauman (Foto: Wikipedia)

A entrevista é de Marina Artusa, publicada pelo jornal Clarín, 06-07-2016. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Que aspecto da vida moderna lhe faz perder o sonho, ultimamente?

Bom, procuro simplificar e encontrar um denominador comum no que penso e no que digo, porque vivemos em um mundo problemático e o que subjaz em comum em todas as manifestações dos inconvenientes destes tempos é a fluidez, a liquidez atual que se reflete em nossos sentimentos, no conhecimento de nós mesmos.

Bauman já era um sociólogo influente quando lançou seu conceito líquido – essa ideia de inconsistência que para definir o mundo que nos rodeia aplicou à vida, ao amor e à modernidade –, que lhe valeu notoriedade midiática e popular: “Escolhi chamar ‘modernidade líquida’ a crescente convicção de que a mudança é a única coisa permanente e a incerteza a única certeza”, disse. “A vida moderna pode adquirir diversas formas, mas o que une todas é justamente essa fragilidade, essa temporalidade, a vulnerabilidade e a inclinação à mudança constante”.

Seguimos dominados pela incerteza?

A incerteza é nosso estado mental que é regido pelas ideias como “não sei o que irá acontecer”, “não posso planejar um futuro”. O segundo sentimento é o que traz impotência, porque mesmo quando sabemos o que é que devemos fazer, não estamos seguros de que isso será efetivado: “não tenho os recursos, os meios”, “não tenho poder suficiente para encarar o desafio”. O terceiro elemento, que é o mais prejudicial psicologicamente, é o que afeta a autoestima. Sente-se um perdedor: “não posso me manter por cima, afundo-me”, “os outros são os bem-sucedidos”.

Neste estado anímico de instabilidade, maníaco, esquizofrênico, o homem está desesperado buscando uma solução mágica. Torna-se agressivo, brutal na relação com os demais. Usamos os avanços tecnológicos que, teoricamente, deveriam nos ajudar a estender nossas fronteiras, no sentido contrário. São utilizados por nós para nos tornar herméticos, para nos fecharmos no que chamo “echo chambers”, um espaço onde a única coisa que se escuta são ecos de nossas vozes, ou para nos fechar em um “hall dos espelhos”, onde só se reflete nossa própria imagem e nada mais.

Onde estamos melhor, on-line ou off-line?

Hoje, vivemos simultaneamente em dois mundos paralelos e diferentes. Um, criado pela tecnologia on-line, nos permite passar horas em frente a uma tela. Por outro lado, temos uma vida normal. A outra metade do dia passamos no mundo que, em oposição ao mundo on-line, chamo off-line. Segundo as últimas pesquisas estatísticas, em média, cada um de nós passa sete horas e meia em frente a tela. E, paradoxalmente, o perigo que jaz, aí, é a propensão da maior parte dos internautas tornar o mundo on-line uma zona ausente de conflitos.

Quando se caminha pela rua em Buenos Aires, no Rio de Janeiro, em Veneza ou em Roma, não se pode evitar o encontro com a diversidade das pessoas. Deve-se negociar a coabitação com essa gente de distinta cor de pele, de diferentes religiões, diferentes idiomas. Não se pode evitar. Mas, sim, é possível se esquivar na Internet. Aí, há uma solução mágica para os nossos problemas. Utiliza-se o botão “apagar” e as sensações desagradáveis desaparecem.

Estamos em processo de liquidez auxiliado pelo desenvolvimento desta tecnologia. Estamos esquecendo lentamente, ou nunca aprendemos, a arte do diálogo. Entre os danos mais analisados e teoricamente mais nocivos da vida on-line está a dispersão da atenção, a deterioração da capacidade de escutar e da faculdade de compreender, que levam ao empobrecimento da capacidade de dialogar, uma forma de comunicação de vital importância no mundo off-line.

Se nos sentimos conectados, para que precisaríamos recuperar o diálogo?

O futuro de nossa coabitação na vida moderna se baseia no desenvolvimento da arte do diálogo. O diálogo implica uma intenção real de nos compreender mutuamente para viver juntos em paz, graças as nossas diferenças e não apesar delas. É necessário transformar essa coexistência cheia de problemas em cooperação, o que se revelará em um enriquecimento mútuo. Eu posso aproveitar sua experiência inacessível para mim e você pode tomar algum aspecto de meu conhecimento que lhe seja útil. Em um mundo de diáspora, globalizado, a arte do diálogo é crucial. A ‘diasporização’ é um fato.

Estou certo que Buenos Aires é uma coleção de diversas diásporas. Em Londres, há 70 diásporas diversas: étnicas, ideológicas, religiosas, que vivem uma ao lado da outra. Transformar essa coexistência em cooperação é o desafio mais importante de nosso tempo. Diálogo significa expor as próprias ideias, mesmo assumindo o risco que no transcurso da conversa seja comprovado que se estava equivocado e que o outro tinha razão. O melhor exemplo foi dado pelo seu Papa, o Papa argentino: apenas assumiu, Francisco concedeu sua primeira entrevista a Eugenio Scalfari, decano dos jornalistas italianos e ateu confesso, e a um jornal anticlerical como é La Republica.

A vida on-line é um refúgio ou um consolo a essa ausência de diálogo?

Encontramos um substituto para nossa sociabilidade na Internet e isso torna mais fácil não resolver os problemas da diversidade. É um modo infantil de se esquivar viver na diversidade. Há outra força que atua contra e é a mudança de situação na regulação do mercado de trabalho. Os antigos lugares de trabalho eram espaços que propiciava a solidariedade entre as pessoas. Eram estáveis. Isso mudou, hoje, com os contratos breves e precários. As condições instáveis, flutuantes e sem perspectiva de carreira não favorecem a solidariedade, mas a concorrência. Estes dois fatores não incentivam as pessoas para o diálogo. Já sou uma pessoa idosa e acredito que vou morrer sem ver este problema resolvido.

No entanto, em diferentes lugares do mundo, surgem processos de auto-organização social, a partir de baixo. Vizinhos que se auto-organizam para resolver problemas como a insegurança ou para recuperar a sociabilidade perdida. É uma alternativa ou um paliativo?

O que você destaca é muito importante. É crucial para a atual situação, pois todas as instituições de ação coletiva que herdamos de nossos ancestrais, aqueles que desenvolveram as bases da democracia moderna, como o poder tripartite, o parlamento nas democracias representativas, as eleições, a Corte Suprema, já não funcionam adequadamente. Todas estas instituições tinham uma única e mesma ideia em mente: estabelecer as regras da soberania territorial. Mas, vivemos em condições de globalização, o que significa que ninguém é territorialmente independente. Nenhum governo, hoje, pode dizer que tem pleno controle da situação, pois se vive em um mundo globalizado, em que os mercados, as finanças, o poder, tudo está globalizado. Então, aquelas instituições que já foram efetivas em estabelecer a independência territorial para um melhor desenvolvimento do Estado moderno, hoje, são imprestáveis para enfrentar o tema da interdependência, que a globalização nos coloca.

Os governos são cegos ou néscios a ponto de não admitir a globalização?

Propõem soluções locais para problemas globais. Não se pode pensar com esta lógica. É preciso desenvolver soluções que renunciem as fronteiras territoriais, assim como fizeram os bancos, os mercados, o capital de investimentos, o conhecimento, o terrorismo, o mercado de armas, o narcotráfico.

E isso daria origem às novas formas de auto-organização?

Surgem projetos interessantes como Slow Food ou Médicos Sem Fronteiras. Jeremy Rifkin (economista e teórico social estadunidense) escreveu um livro que foi publicado no ano passado – The Zero Marginal Cost Society. The Internet of Things, The Collaborative Commons, and the Eclipse of Capitalism (O custo social zero. A Internet das coisas, os bens comuns colaborativos e o eclipse do capitalismo) –, no qual destaca que uma nova realidade está emergindo, ainda inadvertida pela opinião pública. Os mercados competitivos estão sendo substituídos pelo que ele denomina “collaborative commons”, o bem comum colaborativo, onde as pessoas não buscam o lucro pessoal, mas a cooperação, reunir forças e compartilhar. Compartilhar conhecimento, recursos. Compartilhar felicidade, compartilhar welfare.

Você concorda?

Não saberia dizer se Rifkin tem razão ou não. Ele disse que a tecnologia resolverá o problema, que fará isso por nós. Para mim, isso é uma reedição do determinismo tecnológico que não me agrada. Para mim é improvável sugerir que a questão esteja resolvida e que o êxito da transformação em curso esteja preestabelecido. Um machado pode ser utilizado para cortar lenha ou para partir a cabeça de alguém. Ao mesmo tempo em que a tecnologia determina a série de opções abertas aos seres humanos, não determina qual destas opções, ao final, será escolhida ou descartada. O que talvez o homem possa fazer é uma pergunta que pode ser dirigida à tecnologia. Mas, o que será feito pelo homem deve se perguntar à política, à sociologia, à psicologia. As pessoas estão buscando alternativas às instituições que não estão funcionando. Fazem o que ninguém fará por eles. Isso é inegável.

Leia mais...

Zygmunt Bauman: 'Três décadas de orgia consumista resultaram em uma sensação de urgência sem fim'

"Cuidado com os políticos que fazem dos nossos sentimentos um instrumento de poder." Entrevista com Zygmunt Bauman

"Babel: entre a incerteza e a esperança". Zygmunt Bauman e Ezio Mauro

As respostas aos demônios que nos perseguem. Entrevista com Zygmunt Bauman

"Contra a Europa da suspeita e para encontrar uma saída, escutem o papa." Entrevista com Zygmunt Bauman

"O medo e o ódio têm a mesma origem." Entrevista com Zygmunt Bauman

Felicidade, privilégio para todos. Entrevista com Zygmunt Bauman

Um fantasma ronda a terra da democracia: o homem (ou mulher) forte. Artigo de Zygmunt Bauman

"Se cedermos ao medo, a democracia morrerá." Entrevista com Zygmunt Bauman

Internet: o ódio que suspende a ética. Artigo de Zygmunt Bauman

Bauman, 90 anos: "Sou sempre estrangeiro. A minha consciência é o único juiz"

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Vivemos em dois mundos paralelos e diferentes: o on-line e o off-line”. Entrevista com o sociólogo Zygmunt Bauman - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV