Pobre polícia, pobre governo: Acham que é possível cegar uma ideia

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco tem o seu próprio ''Sínodo do Cadáver''

    LER MAIS
  • “A Igreja, e principalmente a Igreja na Amazônia, não será mais a mesma após este Sínodo”. Entrevista com o Pastor Inácio Lemke

    LER MAIS
  • Chile. O orgulho de resistir tomou as ruas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Setembro 2016

Recebemos com triste regularidade notícias de que manifestantes, repórteres ou fotógrafos perderam a visão ou foram feridos nos olhos por conta da ação irresponsável da polícia militar ao reprimir protestos em espaços públicos. Não todo protesto, é claro, apenas aqueles que estão em desacordo com os interesses do governo estadual de plantão. Caso contrário, o que se vê é uma chuva de selfies.

O comentário é de Leonardo Sakamoto, jornalista, publicado no seu blog, 01-09-2016.

Bombas que liberam estilhaços e balas de borracha parecem ser distribuídas com gosto com o intuito de causar o maior dano possível à população. Nesta quarta (31), a estudante Deborah Fabri, de 19 anos, teve um dos olhos perfurados por estilhaços de bomba lançada pela polícia ao protestar contra o impeachment de Dilma Rousseff, na capital paulista.

E se o poder público que comanda as forças de segurança sabe das consequências desse tipo de ação e não altera a sua forma de atuação, então não é possível chamar esses casos de acidentes. Pelo contrário, são propositais. Em outra palavra, o poder público tem, sistematicamente, roubado a visão da população como punição para quem resolve exercer sua cidadania e se manifestar de forma contrária à sua opinião. Mas também roubado a visão de profissionais de imprensa que estão lá para garantir a transmissão dos fatos e a circulação de informação de qualidade.

Como foi o caso do fotógrafo Sérgio Silva, considerado o único culpado pela Justiça paulista por ter sido atingido por uma bala de borracha que lhe tirou a visão.
Não consigo parar de pensar na razão dos olhos acabarem sendo alvos preferenciais. Talvez seja por conta de sua fragilidade. Ou talvez pelo seu simbolismo. E se os agentes do poder público, inconscientemente, procurarem pelos olhos para incapacitar manifestantes e jornalistas achando que, dessa forma, fecharão sua janela para o mundo?
Daí me lembro de uma história contada por um antigo professor: um jornalista, já caído no chão, teve a mão esmagada por um coturno da ditadura civil-militar. Como resposta, ironizou, dizendo que não escrevia com as mãos.

A Polícia Militar pode cegar manifestantes e jornalistas. Mas isso fará apenas com que fique cada vez mais claro, para essas vítimas e nós mesmos, como nosso próprio governo adota uma pesada censura através da violência de Estado. Da mesma forma, como o mesmo governo rasga os direitos fundamentais a fim de calar a boca daqueles que querem simplesmente exercer sua cidadania.

Meia dúzia de manifestantes que espalham lixo nas ruas, põe fogo em pneus e quebram vidros de agências bancárias são exatamente isso, meia dúzia de pessoas, e não representam uma manifestação inteira. São usadas como pretexto para calar e cegar.

Como isso termina, todos já sabem. Pode levar mais tempo, mas nada disso sairá impune. Porque não se cala e não se cega uma ideia.

Pobre polícia, pobre governo. Acham que o povo escreve só com as mãos e enxerga apenas com os olhos.

Leia mais...

#ForaTemer já é maior que o #ForaDilma do auge dos protestos antipetistas

O dia histórico em que nada acontecia (até as bombas de gás na Paulista)

"Estado fugiu de sua responsabilidade", diz fotógrafo cego por tiro de PM

Justiça paulista nega indenização ao fotógrafo Sérgio Silva, baleado no olho em 2013

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pobre polícia, pobre governo: Acham que é possível cegar uma ideia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV