‘Situação é preocupante’. Estiagem no interior do AM

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • Por oito a zero, STF reafirma direitos originários dos povos indígenas

    LER MAIS
  • Livro sobre 'escravos livres' é tão forte que obriga a olhar para o presente

    LER MAIS
  • Vitória indígena no STF

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

23 Agosto 2016

Seca no Rio Madeira dificulta logística, encarece insumos e combustível. Municípios do Sul do estado são afetados pelo baixo nível do rio.

A estiagem que atinge a calha dos rios Madeira, Purus e Juruá dificulta a navegabilidade e tem influenciado a chegada de combustível e insumos nos municípios localizados no Sul do Amazonas. Para a Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea), a “situação é preocupante” pois a vazante pode se intensificar até o fim do ano.

A reportagem foi publicada por G1, 22-08-2016.

De acordo com informações repassadas pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM), a cota do Rio Madeira chegou a 9,59 metros na última quinta-feira (18), na estação de Humaitá, a 590 Km de Manaus. A cota máxima atingida neste ano foi de 21,80m em 19 de março. O nível já desceu mais de 12 metros.

“Essa preocupação é porque nós ainda não estamos no momento de maior vazante, geralmente é final de agosto e inicio de setembro”, explicou o presidente Faea, Muni Lourenço.

A navegabilidade comprometida já fez agricultores e pecuaristas dos municípios de Apuí e Manicoré sentirem o reflexo na produção. “Principalmente com relação ao encarecimento de insumos em função da dificuldade logística”, afirmou Lourenço.

Ele apontou que uma diferença no preço do combustível já começou a ser sentida em Apuí, por conta da logística. “Para manter hoje o abastecimento de combustíveis em Apuí, já tem postos tendo que comprar em Itaituba no Pará, á quase 700 km do município”, afirmou.

Insumos

Sem condições de navegabilidade, a chegada de insumos, como sementes para o plantio, ração animal e sal mineral não tem chegado aos produtores. “Com a paralisação da balsa de Humaitá para a transamazônica, já temos situações de produtores rurais que estão sem receber insumos. As sementes estão em cima de caminhões, que não conseguem atravessar o rio Madeira, pela paralisação da balsa”, alertou Muni.

A federação ainda não tem estimativas da perda de produção com a estiagem nos próximos meses, nem sobre possível aumento dos preços para o mercado consumidor.

“A seca prejudica a produção agrícola e pecuária, diminui o desenvolvimento das culturas agrícolas e pastagens. Dificulta o processo produtivo com um todo”, observou o presidente Faea.

Medidas

Uma das estratégias para minimizar os prejuízos é que os produtores usem técnicas de irrigação, apontou o presidente. “É muito importante a questão da dragagem do Rio Madeira, para que a navegação possa voltar a se formalizar. A gente tem procurado fazer gestões junto aos órgãos públicos”, afirmou o presidente Muni Lourenço.

Leia mais...

Rio Madeira pode ficar sem água para navegação

Moradores relacionam hidrelétricas a cheia histórica do rio Madeira

Cinco instituições cobram do Ibama medidas emergenciais sobre nova cheia no rio Madeira

Desafios para melhoria de qualidade de vida são vencidos no Rio Madeira

Fenômenos climáticos extremos, como chuvas ou secas, podem ter um impacto devastador na produção agrícola

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - ‘Situação é preocupante’. Estiagem no interior do AM