FLM é incentivada a rever investimentos em empresas de combustíveis fósseis

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa deixou claro que não pensa em renunciar

    LER MAIS
  • “Sinto-me o cardeal de Romero. Ele é um ícone da Igreja”, afirma novo purpurado de El Salvador

    LER MAIS
  • Instituição católica quer indenização milionária por vídeo do Porta dos Fundos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

23 Agosto 2016

Bispa Elizabeth A. Eaton, presidente da ELCA, discursando na Assembleia Geral em Nova Orleans (Foto: Reprodução/ELCA)

As ações centrais recentes tomadas pelo órgão governante da Igreja Evangélica Luterana na América – ELCA (na sigla em inglês) incluíram uma resposta ao chamado da Federação Luterana Mundial – FLM às suas igrejas-membro de não investirem em combustíveis fósseis, uma defesa da paz com justiça na Terra Santa e um apoio a iniciativas em favor de crianças migrantes e suas famílias.

A reportagem foi publicada por Federação Luterana Mundial, 19-08-2016. A tradução de Isaque Gomes Correa.

Em assembleia geral ocorrida em Nova Orleans entre os dias 8 e 13 de agosto, a ELCA votou pela revisão de seus respectivos ensinos sociais e políticas e procedimentos de Responsabilidade Social Corporativa, “com o objetivo de não investir no setor e afastar-se das grandes companhias de combustíveis fósseis conforme identificado pelo sistema Carbon Tracker, além de investir em empresas que estão dando passos positivos no sentido de um meio ambiente sustentável”.

Os delegados também pediram à agência de benefícios sociais e de serviços de aposentadoria da denominação (a Agência Portico) “que analise a viabilidade de um fundo opcional livre de combustíveis fósseis para os participantes do plano de aposentadoria”.

Dirigindo-se à assembleia antes da votação, o secretário-geral Rev. Dr. Martin Junge explicou que a decisão, da FLM tomada em reunião no mesmo de junho de 2015, de não investir em empresas envolvidas em – ou que se beneficiam de – atividades baseadas em combustíveis fósseis fazia parte deste compromisso com a justiça climática. Disse que ficou “bastante animado” pela “sensação de urgência” com que a ELCA assumira para si este chamado.

Responsabilidade pela justiça intergeracional

“Não lidamos com as mudanças climáticas como um problema abstrato, como uma ideia, mas como uma questão que afeta irmãs e irmãos a quem estamos ligados por meio de relações de comunhão”, Junge observou, citando países como Brasil, Honduras, Índia, Myanmar e Namíbia, que frequentemente enfrentam a realidade de inundações e secas. “A FLM sabe destas situações. A FLM fica sentida com esta realidade, pois particularmente ela atinge a vida das comunidades mais vulneráveis”, disse ele.

O secretário-geral enfatizou que o combate às alterações climáticas tem a ver também com assumir uma responsabilidade com a justiça intergeracional. Este fato ficou mais claro para a FLM após a defesa feita por sua delegação de jovens apresentada em conferências climáticas da ONU, entre elas a COP-21, ocorrida em 2015 na França.

“Não teremos condições de dizer aos nossos filhos e jovens no futuro o quanto os amamos e cuidamos deles, se não formos capazes de mostrar e compartilhar com eles, ao mesmo tempo, o quanto nos preocupamos com a criação”, disse Junge em meio a aplausos. Ele fez notar que o Programa de Comunhão, da FLM, já estava trabalhando no sentido de tornar uma a própria articulação internacional das igrejas luteranas em uma entidade neutra em carbono até 2015.

Gratidão pelo apoio da ELCA ao trabalho da FLM

O mais alto órgão legislativo da ELCA também votou a favor de uma estratégia de defesa e acompanhamento de menores migrantes e suas famílias; decidiu também abordar as causas originárias da migração que parte da América Central e do México em direção aos EUA. Junge manifestou um particular apreço por esta consideração e agradeceu a ELCA pelo apoio dado à obra humanitária da FLM a mais de 2.3 milhões de refugiados no mundo.

A assembleia adotou o documento ecumênico “Declaration on the Way” que marca um trajeto no sentido de uma maior unidade entre católicos e luteranos. No cerne do documento estão 32 “Statements of Agreement” que dizem onde os luteranos e católicos não possuem diferenças divisoras, bem como trazem as divergências que ainda existem. O secretário-geral da Federação Luterana Mundial – FLM disse que este material pode ser um passo útil no trajeto para um acordo mundial entre luteranos e católicos a respeito de temas como igreja, ministério e Eucaristia.

Em outros momentos, a assembleia apoiou propostas que pedem uma ajuda à Igreja Evangélica Luterana na Jordânia e na Terra Santa e a outros cristãos para manterem sua presença em região.

A Assembleia Geral da ELCA se reuniu sob o tema “Libertos e Renovados em Cristo: 500 anos da graça de Deus em ação”.

Leia mais...

EUA. Luteranos ratificam documento inter-religioso católico

Católicos e luteranos publicam “Declaração a Caminho” da unidade plena

Metas nacionais declaradas na COP-21 não garantem elevação de apenas 2Cº

Pesquisador da Fiocruz fala sobre os desafios das mudanças climáticas para a Saúde

Objetivos do desenvolvimento sustentável no Antropoceno

Liberte-se dos combustíveis fósseis

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - FLM é incentivada a rever investimentos em empresas de combustíveis fósseis