Trabalhadores da Mercedes sob tensão. O temor de receber telegrama com anúncio de demissão

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco convoca Sínodo para a região Pan-Amazônica

    LER MAIS
  • 'O que explica o Brasil não é o patrimonialismo e o populismo, mas a escravidão'. Entrevista com Jessé Souza

    LER MAIS
  • Um Sínodo muito importante para a Igreja na Amazônia. Entrevista com Cláudio Hummes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

22 Agosto 2016

Ouvir o som da campainha ou a chamada do carteiro no portão de casa tornou-se um trauma para trabalhadores da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, conhecida como a cidade das montadoras, no ABC paulista. O temor de receber um telegrama com aviso de demissão é geral entre os funcionários da maior fabricante de comerciais leves do País.

A reportagem é de Cleide Silva, publicada por O Estado de S. Paulo, 21-08-2016.

Na última segunda-feira, toda a produção de caminhões, ônibus e peças foi suspensa e a empresa deu licença remunerada para a maioria dos mais de 9 mil trabalhadores da fábrica, sem data para retorno. No mesmo dia, a Mercedes começou a enviar telegramas com datas agendadas para o funcionário assinar a rescisão de contrato.

O grupo alega ter mais de 2 mil trabalhadores excedentes, depois que a produção caiu mais de 50% em razão da crise que derrubou as vendas. “Se for mandado embora será uma catástrofe, principalmente no momento atual, em que não se consegue outro emprego”, afirma Luiz Carlos Daniel, de 51 anos, dos quais 32 como funcionário do setor de ferramentaria.

Ele mora em Mauá com a mulher e a filha de 25 anos, que não trabalham. Também da ferramentaria, Graicon Figueiredo, de 47 anos e há 12 anos na Mercedes, afirma que a aflição é constante. “A gente adia projetos, não consegue fazer planos, não assume compromissos.”

Com 60 anos de Brasil, comemorados em abril, a montadora alemã afirma passar pela pior crise de sua história no segmento de veículos pesados. A fábrica do ABC tem capacidade anual para produzir 80 mil caminhões, mas este ano deve fazer menos da metade desse volume. A crise, contudo, não adiou a inauguração da fábrica de carros de luxo do grupo, em março, no interior de São Paulo.

Nos últimos dois anos, quando a crise começou a se aprofundar, a montadora adotou diversas medidas para evitar demissões no ABC, como férias coletivas, semana reduzida de trabalho, lay-off (suspensão temporária de contratos) e o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que reduz jornada e salários.

A difícil situação do mercado brasileiro, que segue para o terceiro ano consecutivo de queda nas vendas de veículos, resultou para a companhia em uma redução de receitas, informa a direção da Mercedes.

“Inevitavelmente, com isso, é imprescindível também reduzir os custos de operação e administração na fábrica de São Bernardo”, diz a empresa. Reduzir drasticamente o quadro de pessoal também será inevitável. “Se a empresa não conseguir efetivar essa redução, vamos comprometer os investimentos planejados para o futuro.”

O Sindicato dos Metalúrgicos tentar negociar uma saída menos traumática, mas seus dirigentes reconhecem que a tarefa é difícil. Desde quarta-feira ocorrem negociações, mas sem avanço. Enquanto isso, trabalhadores têm as vidas suspensas.

'Onde passava o tiro, eu me abaixava'

“Onde passava o tiro eu me abaixava”, brinca Ivan Bezerra, ao explicar como conseguiu, em 12 anos de trabalho na Mercedes-Benz, ficar de fora de todos os programas de lay-off (dispensa por até cinco meses), adotados a partir de 2014 como forma de manter a mão de obra empregada, enquanto o mercado não volta a comprar caminhões e ônibus.

Ele não escapou, porém, das férias coletivas, licenças remuneradas, folgas e da redução da jornada e dos salários em 20% durante a adesão da montadora ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE), que tem parte do corte salarial bancada pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Bezerra, de 41 anos, trabalha atualmente na área de CKD (veículos desmontados para exportação), mas já passou pelos setores de motores, funilaria e pintura. “Já rodei quase a fábrica toda.”

Ele vive numa casa própria em Mauá, no Grande ABC, com a mulher e dois filhos, de 14 e 18 anos. “Eu fico na expectativa, pois a minha renda é a única da família e não quero ser mais um desempregado.”

Ele conta que vários familiares estão sem trabalho, incluindo a irmã, “que tem curso superior, pós-graduação e atuava na área de Recursos Humanos”.

O filho do metalúrgico concluiu há seis meses o curso técnico de mecatrônica e vem procurando emprego desde então. “Não conseguiu nem estágio.”

Bezerra diz entender a situação da Mercedes, mas ressalta que, nos anos em que ela batia recordes de produção, ninguém se recusava a fazer horas extras, a trabalhar nos finais de semana. “Em 2011, fizemos 40 dias de jornada extra; ninguém tinha preguiça”, lembra.

Naquele ano, a indústria automobilística brasileira registrou produção recorde de caminhões, com 223,6 mil unidades, e de ônibus, com 49,4 mil unidades. Para este ano, a previsão total para veículos pesados é de 94,6 mil unidades.

“Agora que tem a crise, a empresa quer demitir”, lamenta Bezerra. Em sua opinião, esse período em que os funcionários ficam em casa em licença, recebendo sem trabalhar, poderia ser utilizado pela montadora para dar cursos de qualificação para que todos voltassem mais preparados quando o mercado melhorar. “A empresa tem centros de treinamento e poderia aproveitar essa ociosidade que tem hoje na produção para reciclar a mão de obra.”

Deficientes não foram poupados

As dispensas não poupam nem trabalhadores da cota de deficientes. Kleber Frasson, de 26 anos e há seis trabalhando no setor de pintura da Mercedes-Benz, recebeu o telegrama de dispensa na quinta-feira. Ele pertence ao grupo de 1,4 mil funcionários que está em licença remunerada desde fevereiro e que, na visão dos metalúrgicos, é o primeiro alvo dos cortes.

Mudo, ele explica por meio de gestos, traduzidos por um companheiro, que mora na zona leste de São Paulo com o pai, aposentado, e um irmão de 38 anos que trabalhava na área de construção civil, mas está desempregado há um ano.

É Frasson quem banca a maior parte dos gastos da família. Nos últimos seis meses, ele esperou que a empresa o chamasse de volta e agora conta com as negociações entre o sindicato e a Mercedes para que a demissão seja revertida. O diretor do sindicato, Sebastião Ismael de Souza, representante na empresa do grupo de deficientes, afirma que, nos últimos três anos, a Mercedes demitiu mais de 40 trabalhadores dessa equipe. “A empresa não cumpre a cota”, afirma.

Para ler mais...

O "lucro Brasil" das montadoras

Montadoras fazem rodízio de 'layoff'

Governo vai lançar programa para estimular venda de veículos em 2016

Milhares de carros estão sendo abandonados

Com pátios lotados, montadoras liberam pessoal e cortam produção

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Trabalhadores da Mercedes sob tensão. O temor de receber telegrama com anúncio de demissão