Carta do Papa Francisco à Equipe de Refugiados das Olimpíadas 2016

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Estas são as razões do ‘adeus’ do (ex-)cardeal Angelo Becciu

    LER MAIS
  • Pantanal: “Já queimaram uma área tão grande que os bichos não têm mais para onde correr”

    LER MAIS
  • “O Óbolo de São Pedro foi usado para pagar um imóvel em Londres”: a investigação sobre o cardeal Becciu

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Agosto 2016

Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, uma equipe composta unicamente por refugiados: cinco vêm do Sudão do Sul, dois da Síria, dois do Congo e um da Etiópia.

A reportagem é do sítio Il Sismografo, com informações do jornal Corriere della Sera, 05-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A equipe de refugiados das Olimpíadas do Rio entraram no Estádio do Maracanã antes do Brasil, dono da casa, na cerimônia que, no dia 5 de agosto, marcou o início das Olimpíadas do Rio.

Dez atletas, dois provenientes da Síria, dois de Congo, cinco do Sudão e um da Etiópia, todos refugiados. Quem anunciou a lista dos nomes, selecionados entre 43 candidatos para fazer parte da representação, foi o presidente do Comitê Olímpico, Thomas Bach.

"Esses refugiados não têm casa, não têm uma equipe nem uma bandeira ou um hino", disse. "Nós vamos oferecer a eles uma casa na Vila Olímpica, junto com todos os outros atletas do mundo. E, para eles, será tocado o hino olímpico, enquanto a bandeira das Olimpíadas vai ser erguida nos estádios para representá-los. Esse será um sinal de esperança para todos os refugiados do mundo e fará com que o planeta entenda ainda melhor o enorme porte da crise dos refugiados".

Eis a carta enviada pelo papa à equipe.

Cidade do Vaticano, 26 de julho de 2016

Aos Membros da Equipe Olímpica de Refugiados,

Queridos irmãos: Rami Anis, Yiech Pur Biel, James Nyang Chiengjiek, Yonas Kinde, Anjelina Nada Lohalit, Rose Nathike Lokonyen, Paulo Amotun Lokoro, Yusra Mardini, Popole Misenga e Yolande Bukasa Mabika.

Quero fazer chegar até vocês a minha saudação e o meu desejo de êxito nestas Olimpíadas. Que a coragem e a valentia que vocês trazem consigo possam expressar, através dos Jogos Olímpicos, um grito de fraternidade e de paz. Que, através de vocês, a humanidade compreenda que a paz é possível, que, com a paz, tudo se ganha; em troca, com a guerra, tudo se perde.

Desejo que o testemunho de vocês faça bem a todos nós. Rezo por vocês e, por favor, peço-lhes que o façam por mim.

Que Deus os abençoe.

Fraternalmente,

Francisco

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Carta do Papa Francisco à Equipe de Refugiados das Olimpíadas 2016 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV