Para que serve hoje, no Brasil, a previsão de direitos sociais em lei?

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • As sete antífonas do 'Ó': celebrando o mistério da vinda de Jesus

    LER MAIS
  • O que está acontecendo no Vaticano

    LER MAIS
  • Evangélicos franceses enfrentam retaliação após o sucesso de Trump e Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Agosto 2016

"Patrimônio jurídico da cidadania. Como isso deve soar estranho aos ouvidos do novo governo do país, se o encaminhamento das suas novas premissas políticas for avaliado por quem é titular de direitos humanos fundamentais sociais", escreve Jacques Távora Alfonsin, procurador aposentado do estado do Rio Grande do Sul e membro da ONG Acesso, Cidadania e Direitos Humanos.

Eis o artigo

As perspectivas futuras dos direitos humanos fundamentais sociais, previstos na Constituição brasileira, à luz dos novos rumos políticos do governo chamado de interino, podem ser avaliadas como manifestamente infringentes do consagrado princípio jurídico de proibição do retrocesso social.

A histórica defesa dos direitos sociais à terra, trabalho e teto (os famosos três ts), repetida pelo Papa Francisco em sua visita à Bolívia, estão servindo de alvo para a arrancada governista em direção contrária, por tudo o quanto se tem visto até aqui. Há uma justificada e crescente preocupação das/os trabalhadoras/es com inciativas que estão sendo tomadas com o intuito claro de desmontar espaços institucionais importantes, conquistados no passado para defesa desses direitos.

A extinção do MDA, por exemplo, somada à intenção tornada pública pelo próprio novo chefe do Executivo, de revogar as restrições à aquisição de terras por estrangeiras/os, previstas na Constituição Federal, serve de aviso tanto às/aos agricultoras/es sem-terra sobre o interesse do governo em impedir a reforma agrária, quanto sua disposição entreguista do nosso território. O acesso aos sites da maioria dos sindicatos e ONGs dedicadas aos direitos sociais também estão mostrando como os projetos gestados por iniciativa do governo pretendem reduzir obrigações patronais previstas na CLT, e alcançar logo a possibilidade de promover a terceirização do trabalho. A reforma da previdência, igualmente, e as muitas dúvidas pendentes sobre a continuidade ou não de políticas sociais, inclusive as urbanas inclusivas, seguem alarmando quem acredita na função social da propriedade e das cidades.

Já não cabe mais dúvida de o país estar sendo submetido a um retrocesso social politico-jurídico, em flagrante prejuízo do povo pobre e trabalhador. Se tais juízos se devessem apenas a conveniências ideológicas da oposição, poder-se-ia julgar como carentes de legitimação, desmentidas por fatos.

Comparados com lições de quem vive o dia a dia dos conflitos administrativos e judiciais causados por ameaças e violações dos direitos sociais, a conclusão é bem diferente. Continua muito grande e tende a aumentar a distância que a previsão legal dos direitos humanos sociais guardam da sua concretização.

Em 2012, os conhecidos Cadernos IHU Idéias do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, nº 180, publicou um estudo do jurista Afonso Maria das Chagas sobre Limites e desafios para os direitos humanos no Brasil” Vencidos mais de três anos, o seu diagnóstico sobre a eficácia desses direitos nem parece ser de ontem.

Ele criticava os desdobramentos sociais daquela discutida alavanca inspiradora da globalização econômica, na esteira do que se convencionou chamar de Consenso de Washington:

“Uma nova ideologia de mercado re-concebeu as relações de produção, de consumo e de pensamento. À metáfora de “um mundo sem fronteiras”. vincula-se outra, a de um mundo em rede (Casstells, 2010), interligado. Ao lado de benefícios iniludíveis (avanços tecnológicos, descobertas no campo da saúde, da comunicação), vimos coincidir dramas e ameaças tornadas imprescritíveis (milhões de famintos pelo mundo, milhões de refugiados ambientais e das guerras disseminadas, ameaças naturais, degradação do planeta, etc.) Abundância e desperdício, superconcentração de riquezas e miséria e condições subumanas. O referencial social de inclusão humana foi ditado e editado por outro imperativo: “eu consumo”, e pode-se dizer ainda {...} “eu ostento”. Nesse contexto, é claro que se faz imperativo a produção e constante ressignificação de sentido através de um discurso ideológico forte, com capacidade de fabricar consensos. Nunca a ideia fixa da uniformidade, do pensamento único, foi tão exigida”.

Um retrato fiel da principal contradição ideológica do neoliberalismo, agora cultivado no Brasil pelos seus novos condutores políticos. Sua defesa da liberdade de pensamento e iniciativa desmentida pela exigência do seu discurso totalitário: “crê ou morre”.

Um estudo de Rosângela Tremel, disponível na internet (co-autora do livro “Lei de Responsabilidade fiscal”), comentando o princípio de proibição do retrocesso, lembra duas lições muito atuais, também, para se julgar os deméritos de qualquer política, seja pública ou privada, de apoio explícito ou implícito ao retrocesso social. Lembrando um alerta de Ingo Wolfgang Sarlet:

“Negar reconhecimento ao princípio da proibição do retrocesso significaria, em última análise, admitir que os órgãos legislativos (assim como o poder público de modo geral), a despeito de estarem inquestionavelmente vinculados aos direitos fundamentais e às normas constitucionais em geral, dispõem do poder de tornar livremente suas decisões mesmo em flagrante desrespeito à vontade expressa do Constituinte”

Lembrando Luiz Roberto Barroso: “Por este princípio, que não é expresso, mas decorre do sistema jurídico -constitucional, entende-se que se uma lei, ao regulamentar um mandamento constitucional, instituir determinado direito, ele se incorpora ao patrimônio jurídico da cidadania e não pode ser absolutamente suprimido”, demonstrando, assim, a sua aplicabilidade no sistema jurídico constitucional brasileiro.”

Patrimônio jurídico da cidadania. Como isso deve soar estranho aos ouvidos do novo governo do país, se o encaminhamento das suas novas premissas políticas for avaliado por quem é titular de direitos humanos fundamentais sociais. Toda/o brasileira/o nessa condição trate de seguir o conselho dado pelo Papa, na referida visita à Bolívia: “Vocês, os mais humildes, os explorados, os pobres e excluídos, podem e fazem muito. Ouso dizer que o futuro da humanidade está, em grande medida, em suas mãos, em sua capacidade de organizar-se e promover alternativas criativas, na busca cotidiana dos três T (trabalho, teto, terra). Não se intimidem!”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para que serve hoje, no Brasil, a previsão de direitos sociais em lei? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV