Meditações sobre Maria Madalena apóstola. Artigo de Enzo Bianchi

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Julho 2016

"Madalena é amada por Jesus e, por sua vez, ama a Jesus, para com o qual ela se sente devedora. É por isso que o seu pranto é o da amada-amante que perdeu o seu amado-amante, como ocorre no Cântico dos Cânticos, onde a jovem, à noite, busca o seu amado, levanta-se, vaga com audácia na escuridão para buscá-lo, interroga os guardas noturnos e, depois, finalmente, encontra-o no seu jardim."

A reflexão é do monge e teólogo italiano Enzo Bianchi, prior e fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado no jornal L'Osservatore Romano, 21-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Maria Madalena é uma das figuras femininas mais intrigantes para quem lê a Escritura. Presente em todos os Evangelhos, junto com as outras discípulas de Jesus, mulheres da Galileia, é evidenciada particularmente por João como mulher próxima do Senhor e como primeira testemunha da Sua ressurreição. Significativamente, no quarto Evangelho, ela aparece ao lado da cruz, junto com a mãe de Jesus, com a irmã da mãe, Maria de Cléofas, e com o discípulo amado pelo Senhor.

Na hora de Jesus, na hora da elevação do Filho do homem (cf. João 3, 14; 8, 28) e da Sua glorificação (cf. João 12, 23), sob a cruz, estão presentes os amigos do Senhor, aqueles ligados a Ele por amor e agora chamados a se tornar a comunidade de Jesus, na escandalosa ausência de todos os discípulos, menos um.

Agora, Maria Madalena está lá embaixo da cruz, na hora da extrema da vida de Jesus (cf. João 19, 25), enquanto todos os outros discípulos fugiram, abandonando-O. Justamente ela e o discípulo amado são as únicas testemunhas da morte de Jesus e da Sua ressurreição. Na cruz, ela não diz e não faz nada, mas, no terceiro dia depois da morte, isto é, no primeiro dia da semana judaica, no início da manhã, enquanto ainda está escuro, Maria vai ao sepulcro (cf. João 20, 1-2.11-18). De acordo com o quarto evangelista, é uma iniciativa pessoal dela, mas, de fato, naquela sua ida ao túmulo, como figura típica e exemplar, ela também representa as outras mulheres que, de acordo com os Evangelhos sinóticos, tinham ido com ela; eis porque ela fala no plural, também no nome delas: "Não sabemos onde o puseram".

Porque Maria, passado o sábado, assim que possível, vai ao túmulo? O quarto Evangelho não nos oferece o motivo: ela não vai para ungir o cadáver de Jesus (cf. Marcos 16, 1; Lucas 24, 1), nem para observar o túmulo (cf. Mateus 28, 1), mas de modo totalmente gratuito. Só podemos dizer que, nela, há um desejo de estar perto do corpo morto de Jesus: Aquele que Maria amou está morto, agora o Seu corpo está lá no túmulo, e Maria quer estar simplesmente perto d’Ele. Está como que torturada por aquela "ardente intimidade da ausência", que seria cantada por Rainer Maria Rilke.

Tendo chegado ao túmulo, ela vê a pedra removida e, então, faz uma corrida, vai ao encontro de Pedro e do discípulo amado, e lhes diz: "Levaram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram".

Ao ouvir isso, os dois discípulos correm logo para o sepulcro, e, naquela corrida, há uma verdadeira con-concorrência: o discípulo amado é mais rápido e chega primeiro, depois também chega Pedro, que entra, vê as faixas sobre o chão e o sudário envolto de modo ordenado.

Pedro está na aporia (cf. João 20, 3-7.), enquanto o discípulo amado, tendo também entrado no sepulcro, "viu e acreditou" (João 20, 8). Enquanto tudo isso acontece ao redor de Maria, ela, como se não se desse conta, continua a chorar e, inclinando-se para dentro do túmulo, "viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde o corpo de Jesus tinha sido colocado, um na cabeceira e outro nos pés". Maria não faz muito caso, nem mesmo aos dois anjos, que também eram uma manifestação divina e deveriam despertar temor nela (cf. Mateus 16, 5 e paralelos).

Não, Maria busca Jesus, o seu Senhor, e – se poderia dizer – não sabe o que fazer com os anjos. Assim como Bernardo de Claraval, que, comentando o Cântico dos Cânticos, expressa assim a sua busca por Jesus: "Rejeito as visões e os sonhos, (...) os anjos também me incomodam. Porque o meu Jesus os supera em muito com a sua beleza e o seu esplendor. Não a outros, portanto, seja anjo, seja homem, mas é a Ele que eu peço que me beije com os beijos da sua boca (cf. Cântico dos Cânticos, 1, 2)!" (Sermões sobre o Cântico dos Cânticos II, 1). Os anjos luminosos lhe perguntam: "Mulher, por que você está chorando?", mas Maria continua afirmando obsessivamente a sua busca de Jesus, que ela define como "o meu Senhor".

Jesus é o Senhor, o kýrios da Igreja, mas é chamado por ela de "o meu Senhor". Há algo de extraordinário nesse amor persistente para além da morte, que leva Maria a buscá-lo, a sofrer pelo fato de não saber onde está o seu corpo morto. O pranto testemunha a sua dor que se tornou eloquente por todo o corpo: é a Madalena, com todo o seu ser, corpo, mente e coração, que busca o corpo de Jesus, o corpo do amado.

Para Maria, não bastam nem a recordação, nem as suas palavras, nem o sepulcro que é um memorial (em grego, mneméion, como o sepulcro é definido em todos os Evangelhos): ela quer ficar ao lado do corpo de Jesus. Busca amorosa, fiel, perseverante, que custa a aceitar a realidade do fim de uma relação, porque, para ela, Jesus significava tudo.

Maria, a mãe de Jesus, certamente vivia para Jesus; Maria da Magdala, em vez disso, graças a Jesus. A ela foi dado fazer aquela experiência que algumas, na própria vida, fazem por graça extraordinária: reerguer-se, graças a alguém, da sombra da morte, do não sentido, do ser presa do nada, a uma vida que conhece o ser amado e o amar.

Madalena, de fato, é amada por Jesus e, por sua vez, ama a Jesus, para com o qual ela se sente devedora. É por isso que o seu pranto é o da amada-amante que perdeu o seu amado-amante, como ocorre no Cântico dos Cânticos, onde a jovem, à noite, busca o seu amado, levanta-se, vaga com audácia na escuridão para buscá-lo, interroga os guardas noturnos e, depois, finalmente, encontra-o no seu jardim (cf. 3, 1-4).

E assim acontece naquela aurora primaveril, no monte dos aromas (cf. 2, 17; 8, 14), lá onde havia um jardim, lugar da sepultura de Jesus. Em meio às lágrimas, Maria responde aos dois anjos que a interrogaram sobre o seu pranto: "Levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram". Dito isso, virou-se para trás (estráphe éis tà opíso), dando início ao diálogo com outro personagem, desta vez humano.

O fato de ela se virar para trás tem um valor simbólico: Maria relê toda a sua vida com Jesus, faz anamnese da sua relação repleta de amor com Ele e, portanto, continua chorando também por causa da nostalgia por aquilo que foi e não poderá voltar mais. Na sua dor, ela se vira para trás, não olha mais o túmulo nem os anjos, mas entrevê um homem, que lhe faz a mesma pergunta: "Mulher, por que você está chorando?".

Assim como Jesus chorou pelo Lázaro morto (cf. João 11, 35), Maria chora por Jesus morto. Chora por amor e por dor de amor, e não, de fato, pelos seus pecados: Maria é a única que chora por Jesus! É apenas Pedro o ícone evangélico que chora pelos seus pecados, pela sua horrível vilania, pelo seu amor breve como o orvalho da manhã (cf. Oseias 6, 4). Pedro não chora sobre Jesus, mas sobre si mesmo, por ter traído o amigo (cf. Marcos 14, 72 e paralelos).

Sim, Pedro deveria ser ícone do arrependimento cristão, e Maria Madalena, ícone do amor por Jesus! Maria, pensando que aquele que agora tem na frente é o jardineiro, o guardião daquele jardim em que Jesus tinha sido sepultado por José de Arimateia e por Nicodemos, respondeu-lhe: "Se foi o senhor que levou Jesus, diga-me onde o colocou, e eu irei buscá-lo". Mas aquele homem, que é Jesus, também lhe pergunta: "A quem você busca?", pergunta análoga à que foi feita por Ele aos dois discípulos do Batista: "O que vocês estão procurando?" (João 1, 38: suas primeiras palavras no quarto evangelho!). Nessa interrogação, há algo que, para Maria, não é novo, porque é a pergunta essencial que Jesus fazia a qualquer um que queria se tornar Seu discípulo: buscar é a condição específica do discípulo.

Nesse ponto, Jesus, com o Seu rosto contra o rosto de Maria, lhe diz: Mariám!, chama-a pelo nome, e imediatamente ela, "voltando-se" (straphéisa) novamente para Ele, o Jesus glorificado, está pronta para reconhecê-Lo e para Lhe dizer: "Rabuni, meu mestre!". Quantas vezes tinha acontecido esse diálogo entre ela e Jesus: ela, a ovelha perdida, mas reencontrada por Jesus (cf. Mateus 18, 12-14; Lucas 15, 4-7), chamada pelo nome, reconhece a voz do pastor (cf. Jo 10, 3-4). "Maria!", um novo chamado e, logo depois, um convite: "Pare de me tocar", isto é, tire as suas mãos de mim, porque não há mais possibilidade de encontro entre corpos como antes, estando já o corpo de Jesus ressuscitado no seio do Pai.

Maria, que podia dizer que estava entre aqueles que "tinham ouvido, visto com os seus olhos, contemplado e tocado com as suas mãos a Palavra da vida" (cf. 1João 1, 1), agora deve acreditar e amar Jesus de outro modo: o Seu amor não morre, não desaparecerá, mas outro é o modo em que, agora, Maria deve amar Jesus! Ela tinha se virado para trás, para o seu passado, mas agora, chamada por Jesus, ela se vira para Ele, o Ressuscitado, sem mais nostalgia do tempo anterior ao Seu êxodo deste mundo ao Pai (cf. João 13, 1).

Essa página joanina é muito afetiva, no sentido de que é repleta de sentimentos e, como tal, também inspira a nossa imaginação ao pensar a relação de amor com o Senhor Jesus. É uma página que, claramente, tem no pano de fundo o já lembrado Cântico dos Cânticos, no qual, em um jardim, acontece um diálogo de amor entre os dois parceiros (cf. 4, 16; 5, 1; 6, 2), que se perdem, se buscam e se reencontram (cf. 3, 1-4; 5, 1-8). Como a mulher no Cântico dos Cânticos, Maria de Magdala é mulher do desejo, um desejo tão forte e tenaz que permite apenas a ela, tendo permanecido no sepulcro para buscar Jesus, poder vê-lo.

Mas o que, em particular, eu gostaria de evidenciar é o fato de que essa busca, essa perseverança, essa identificação da presença do corpo são traços tipicamente femininos, essenciais na amizade entre homens e mulheres. Ao mesmo tempo, essa página joanina é dangereuse, perigosa, para aqueles que não sabem entender o amor com olhos puros, até serem induzidos a muitas fantasias sobre a relação entre Jesus e Madalena.

Trata-se de uma reação nada nova, que já ocorreu na história e foi testemunhada em textos apócrifos, especialmente no Evangelho de Filipe: desvio devido ao prurido daqueles que não sabem senão atribuir a Jesus os seus próprios desejos modestos! Naquele encontro com o Ressuscitado, Maria de Magdala é logo tornada apóstola, enviada aos discípulos, aos irmãos de Jesus, para levar a eles o anúncio pascal. E ela, em plena obediência, declara: "Vi o Senhor" e relata o que Ele lhe disse.

Sim, na origem da fé pascal, acima de tudo, está Maria da Magdala (e as mulheres discípulas por ela representadas), uma mulher que acreditou no Senhor Jesus e O amou. Infelizmente, porém, no Ocidente, Maria conheceu uma história triste, mas não estranha, e foi submetida a uma série de equívocos: tornou-se também a pecadora, a prostituta do Evangelho de Lucas, até Maria de Betânia, e foi pintada no ato de chorar pelos seus pecados, dos quais nenhum evangelista jamais falou.

De fato, o fato de que Jesus "tinha expulsado sete demônios dela" (cf. Marcos 16, 9, Lucas 8, 2) indica apenas o fato de ela ter sido libertada de uma grave situação de doença (sete é um número que indica plenitude, portanto, doença grave), não os seus pecados! O encontro com Jesus tinha significado para ela cura, libertação dessas forças opressivas, renascimento e possibilidade de uma vida nova, sensata: de mulher "morta" como era, ela tinha sido reerguida e levada novamente por Jesus à vida plena, aquela em que se vivem afetos, relações, amor, comunhão, alegria, junto com o esforço da dura tarefa de viver.

Contudo, deve-se reconhecer que, se é verdade que Maria de Magdala se beneficiou no Oriente com o título de isapostola, isto é, "igual aos apóstolos", e, no Ocidente, com o de "apóstola dos apóstolos", na realidade, nunca lhe foram reconhecidos nenhum valor eclesial e nenhuma qualidade ministerial. Estamos bem longe de levar a sério as palavras de Rábano Mauro, um monge e bispo que viveu entre os séculos VIII e IX, que, na sua biografia de Maria de Magdala (Vida de Santa Maria Madalena, 26-27), comenta a aparição a ela de Jesus ressuscitado destacando como esse evento confere uma decisiva função na Igreja a essa mulher discípula:

"Maria crê no Cristo, obtendo a fé n’Ele a partir da escuta da desejada voz do Senhor e a partir da Sua própria presença tão desejável (...) |Ela acreditou firmemente que o Cristo, filho de Deus, que ela via ressuscitado, era verdadeiro Deus, Aquele a quem ela tinha amado quando vivo; que realmente tinha ressuscitado dentre os mortos Aquele que ela tinha visto morrer (...) O Salvador, persuadido de que o amor de Maria era puríssimo, (...) elegeu-a apóstola da Sua ascensão (...) como, pouco antes, tinha-a instituído evangelista da ressurreição (...) Ela, elevada a tão grande e tão alta dignidade de honra e de graça, pelo próprio filho de Deus e Salvador nosso, (...) não hesitou em exercer o ministério de apóstola com o qual tinha sido honrada (...) Maria, com os seus coapóstolos, anunciou o Evangelho da ressurreição de Cristo com as palavras: ‘Vi o Senhor’ (João 20, 18) e profetizou a sua ascensão com as palavras: ‘Subo para junto do meu Pai e do Pai de vocês’ (João 20, 17)".

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Meditações sobre Maria Madalena apóstola. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV