Grupos gays cristãos terão um “refúgio do peregrino LGBT” na JMJ de Cracóvia

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 22 Julho 2016

Cristãos homossexuais e transexuais querem se fazer ouvir durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2016, que acontecerá na próxima semana na Polônia com a participação de centenas de milhares de pessoas, e contarão com um “refúgio do peregrino LGBT”, no qual encontrarão atendimento.

 
Fonte: http://bit.ly/29OWeHC  

A reportagem é publicada por Religión Digital, 21-07-2016. A tradução é de André Langer.

“Queremos oferecer um lugar em que os católicos gays, lésbicas, transexuais e bissexuais encontrem respostas para os seus problemas e se sintam aceitos e seguros”, explicou à agência Efe uma das lideranças da associação polonesa Fé e Arco Íris, Artur Barbara Kapturkiewicz.

Com esse objetivo, a organização polonesa oferecerá um espaço para católicos LGBT com um quartel general montado em um café do bairro judeu de Cracóvia, cidade que sediará a Jornada Mundial da Juventude entre os dias 26 e 31 de julho e que espera a chegada do Papa Francisco no dia 27.

A iniciativa não conta com o apoio da Igreja católica, embora Fé e Arco Íris garanta que a cúria está informada; seus membros se reuniram com o cardeal arcebispo de Cracóvia, Stanislaw Dziwisz, convidado, assim como o resto da hierarquia católica, a participar dos atos que serão organizados durante a JMJ.

Artur Barbara defende a necessidade de atender os peregrinos LGBT ao destacar que muitos estudos revelam que ao menos 5% da população tem essas orientações sexuais, o que significa que em Cracóvia também haverá jovens homossexuais ou transexuais.

Uma iniciativa similar teve lugar na Jornada Mundial da Juventude de Colônia, em 2005. No entanto, esta é a primeira vez que se oferece um espaço independente para estes peregrinos, aponta a organização.

A associação contará em seus atos com a participação do jesuíta estadunidense Jim Mulcahy, descrito em seu programa como “um pastor experiente e padre espiritual de muitos fiéis LGBT” no Leste Europeu.

Para os membros desta organização, a orientação sexual não é incompatível com a participação ativa na vida católica, e em sua página na internet afirma que uma “mudança de consciência dentro da Igreja contribuirá para aumentar a tolerância e a aceitação da sociedade em geral”.

“A maioria de nós somos católicos, mas somos um grupo totalmente aberto a todas as pessoas, independentemente da sua religião”, afirmam na Fé e Arco Íris.

“Acreditamos que as relações entre casais do mesmo sexo e as relações transexuais são uma fonte de bem quando se baseiam em um amor verdadeiro, e devem ser aceitas na sociedade e em todas as Igrejas”, acrescenta Fé e Arco Íris.

Os organizadores da Jornada Mundial da Juventude 2016 esperam contar com a presença de até 1,5 milhão de peregrinos de todo o mundo.

Desde que convidou “para arrumar confusão”, em 2003, intuiu-se a sintonia que o então desconhecido Jorge Bergoglio teria com os jovens, os quais, em Cracóvia, voltará a incentivar para romper o imobilismo.

Sobre os homossexuais, Francisco disse neste mesmo ano que está em vigor a resposta que deu em sua viagem de volta do Rio de Janeiro de 2013 e que está no Catecismo da Igreja e na qual disse: “Quem sou eu para julgar?

A frase fez história para o coletivo LGTB, embora não tenha havido mudanças na doutrina do Vaticano.

 
Fonte: http://bit.ly/29OWeHC  

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupos gays cristãos terão um “refúgio do peregrino LGBT” na JMJ de Cracóvia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV