Artigo sobre Paulo Freire é alterado por rede do governo federal e critica pedagogo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Por uma teologia do acolhimento e do diálogo, do discernimento e da misericórdia', segundo o papa Francisco

    LER MAIS
  • Usada por Moro e Dallagnol, tese de alteração das mensagens está cada vez mais fraca

    LER MAIS
  • “Quem disser ‘amo a Deus’, mas odeia o irmão, é mentiroso”. Entrevista com Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Junho 2016

Um grupo que monitora alterações feitas em páginas da Wikipedia a partir de redes governamentais identificou edições e alterações no artigo sobre o educador Paulo Freire na Wikipedia realizadas na tarde de ontem (28/6) a partir de da rede do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados).

A reportagem é de Leandro Melito, publicada no Portal EBC, 29-06-2016.

O Serpro, empresa de TI do governo federal, administra a rede que provê acesso à internet em instalações do Serpro e também para órgãos públicos em todo o país. Em nota a instituição afirma que a alteração não partiu de suas instalações mas de um órgão público federal que não pode ser divulgado por questões contratuais.

"A alteração realizada não partiu das instalações do Serpro, mas, sim, de um órgão público, cujo acesso à internet é administrado pela empresa. Entretanto, o Serpro não está autorizado, por questões contratuais, a divulgar informações de acesso de seus clientes à rede", diz a nota.

A edição incluiu no texto parágrafos que atribuem a Freire a origem de “doutrinação marxista” nas escolas e universidades e diz que o educador participou da última grande reforma da legislação educacional que resultou em uma educação "atrasada, doutrinária e fraca".

Os parágrafos inseridos no artigo foram retirados de um texto publicado no site do Instituto Liberal com o título “Paulo Freire e o Assassinato do Conhecimento” e assinado por um integrante da rede Estudantes Pela Liberdade e do Movimento Universidade Livre.

Os "ataques" aos ideais de Paulo Freire têm sido comuns nos recentes debates do movimento "Escola sem Partido" que questiona as diretrizes curriculares e o debate político dentro das instituições de ensino, acusadas de "ideologizar" os alunos.

“Aí está uma das origens da nossa já conhecida doutrinação marxista nas escolas e universidades, que em vez de formar cidadãos e profissionais para o crescimento do país, forma soldados dispostos a defender com unhas e dentes o marxismo no meio acadêmico”, diz o trecho de um dos parágrafos inseridos no artigo.

Pedagogia do oprimido

A principal obra do pedagogo pernambucano Paulo Freire, “Pedagogia do Oprimido” (1968) é a terceira mais citada mundialmente em trabalhos da área de humanas, segundo um levantamento realizado no Google Scholar, ferramenta de pesquisa dedicada à literatura acadêmica. O pedagogo também é referencial nacional nas pesquisas da área.

Paulo Roberto Padilha, diretor pedagógico do IPF (Instituto Paulo Freire), considera que esse tipo de ação é uma tentativa de doutrinar leitores que não conhecem o Paulo Freire e afirmar que não se quer mudança na educação.

“O que está publicado é um absurdo, uma aberração política e pedagógica, não corresponde à verdade. O que ele [Paulo Freire] queria é uma educação que libertasse a pessoa, para que se tornasse uma pessoa crítica, capaz de questionar qualquer doutrinação”, afirma.

Padilha afirma que os trechos do artigo inseridos na Wikipedia serão questionados nacional e internacionalmente pela comunidade de estudiosos da obra de Paulo Freire. Realizado a cada dois anos o Fórum Paulo Freire que reúne estudiosos interessados em discutir a obra do autor terá sua 10ª edição neste ano em Santiago do Chile, onde Freire escreveu e publicou “Pedagogia do Oprimido” durante o exílio.

Impedido pelos militares durante a Ditadura no Brasil (1964-1985) o livro só viria a ser publicado aqui em 1974. “A gente vê inventada nesse tipo de ação a mesma lógica do golpe militar, querendo desfigurar e descaracterizar a palavra do Paulo Freire. Estaremos no Chile discutindo uma educação libertadora que não se restringe a um ou outro teórico, mas dialoga com os diferentes, contra o retrocesso”, reforçou Padilha.

Outro trecho do texto inserido no artigo da Wikipedia fala sobre a participação de Freire no processo que originou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, durante a reforma educacional feita em 1996 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Segundo o coordenador pedagógico do Instituto, a LDB da forma como foi aprovada não contemplou a visão de Freire. “Paulo Freire inspirou muitos educadores que tiveram papel importante na LDB, mas de última hora a lei foi desconfigurada. Ele o fez com a expectativa de uma outra perspectiva”, afirma.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Artigo sobre Paulo Freire é alterado por rede do governo federal e critica pedagogo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV