"Licenciamento ambiental visa garantia de Direitos Humanos", reafirma MPF em audiência na Câmara

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Junho 2016

O Ministério Público Federal reforçou nessa quarta-feira, 22 de junho, o seu posicionamento contra os projetos de lei em trâmite no Congresso Nacional que visam flexibilizar o licenciamento ambiental para empreendimentos e atividades.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 23-06-2016. 

Em audiência pública na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia, a procuradora da República Márcia Zollinger defendeu o licenciamento ambiental como um instrumento que visa a garantia de direitos humanos e socioambientais. “Os projetos de lei propostos desequilibram o tripé do desenvolvimento sustentável (econômico, social e ambiental) porque só focam o lado econômico, sem levar em conta os eixos socioambientais”, alertou.

No Senado, além da Proposta de Emenda à Constituição nº 65/2012, que praticamente acaba com o licenciamento, o procedimento é ameaçado pelo Projeto de Lei nº 654/2015, que institui o licenciamento ambiental “a jato”. O projeto acelera a liberação de licenças ambientais para grandes empreendimentos de infraestrutura, com a criação de um procedimento especial para obras “estratégicas e de interesse nacional”. A ofensiva contra o licenciamento conta com, pelo menos, outros quatro projetos no Congresso (PLS 447/2012, PLC 112/2015, PLS 705/2015, PLC 1546/2015).

Segundo Márcia Zollinger, todas as propostas colocam em risco o princípio da prevenção, a mitigação e compensação de dos impactos socioambientais, o desenvolvimento sustentável, os direitos das populações atingidas pelos empreendimentos, além de ampliar os conflitos sociais e ambientais e gerar insegurança jurídica aos empreendimentos. “Efetividade do licenciamento ambiental não significa conceder a licença de forma mais rápida, mas sim garantir direitos, prevenindo, mitigando e compensando impactos socioambientais”.

Em concordância, a procuradora de Justiça do Acre Patrícia Rêgo citou que desde 2005 o estado enfrentou 11 grandes extremos eventos, causados pelas mudanças climáticas resultado de fatores como falta de licenciamento adequado de hidrelétricas.

Lei geral do licenciamento ambiental

Os participantes da audiência analisaram o substitutivo do Projeto de Lei n. 3729/2004, que cria a Lei Geral de Licenciamento Ambiental. Segundo o ministro do Superior Tribunal de Justiça Herman Benjamim, o texto tem que ser melhorado para englobar aspectos não tratados no PL, como a separação dos impactos em categorias: ambiental, social e ecológico.

Também participaram da audiência pública representantes da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que se posicionaram contra a PEC 65, mas questionaram a demora para se obter as licenças e a falta de segurança jurídica.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Licenciamento ambiental visa garantia de Direitos Humanos", reafirma MPF em audiência na Câmara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV