João Paulo II em 2002: "A pope emeritus is impossible"

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Judith Butler: corpos que resistem ao ódio e ao poder

    LER MAIS
  • Como 'comportamento de manada' permite manipulação da opinião pública por fakes

    LER MAIS
  • Coreias. Do tecnocapitalismo definitivo ao comunismo dinástico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2016

O enigma de um "papa emérito" ao lado do papa reinante, até mesmo sob a forma de "um ministério em comum" entre um papa "contemplativo" e um "ativo", continua pesando de forma não resolvida sobre a atual época do papado.

A nota é de Sandro Magister, publicada no seu blog de Settimo Cielo, 21-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A figura do "papa emérito" foi deliberadamente introduzida por Bento XVI depois da sua renúncia, mas não tem precedentes na história.

Sabe-se que ela já havia sido examinada por alguns dos seus antecessores, que, no entanto, sempre a rejeitaram como impraticável. Pio XII, por exemplo, pensando em um possível sequestro por parte dos nazistas que ocupavam Roma, tinha preparado uma carta de renúncia total ao papado e tinha confidenciado a Dom Domenico Tardini: "Se me sequestrarem, levarão embora o cardeal Pacelli, não o papa".

A questão voltou a aparecer na última fase, cada vez mais marcada pela doença, do pontificado de João Paulo II.

O escritor e editor católico Conrad Black, canadense, nos confirma que o Papa Karol Wojtyla teve a oportunidade de falar a respeito no fim de julho de 2002, em Toronto, na Jornada Mundial da Juventude, durante um almoço com os benfeitores que haviam financiado a jornada, na casa do arcebispo emérito da cidade, o cardeal Gerald Emmett Carter, do qual Black era muito amigo.

Naquela ocasião, João Paulo II se disse totalmente contrário à hipótese. E as suas palavras exatas foram: "A pope emeritus is impossible" [Um papa emérito é impossível].

Black relatou esse episódio, na época, em um tributo à memória do santo papa, publicado no jornal britânico Catholic Herald, do qual foi coproprietário.

Joseph Ratzinger era o mestre de doutrina no qual João Paulo II punha a sua máxima confiança. E, depois, em 2005, foi o seu sucessor.

Mas, evidentemente, sobre o "papa emérito", um e outro tomaram caminhos diferentes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

João Paulo II em 2002: "A pope emeritus is impossible" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV