Livro diz que o Concílio Vaticano II é fundamental para compreender o Papa Francisco

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Não posso me calar

    LER MAIS
  • Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

    LER MAIS
  • O fim do indivíduo. Viagem de um filósofo à terra da inteligência artificial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Maio 2016

Bons repórteres ficam sempre intrigados com os paradoxos, e o meu amigo Giacomo Galeazzi, do jornal italiano La Stampa é, sem dúvida, um repórter talentoso. Portanto não é surpresa que o seu novo livro, Il Concilio di Papa Francesco: La Nuova Primavera della Chiesa, gire em torno de um paradoxo.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada por Crux, 11-05-2016. A tradução de Isaque Gomes Correa.

(Em nosso idioma, o título fica: “O concílio do Papa Francisco: a nova primavera da Igreja”.)
O paradoxo é este: desde São João XXIII, Francisco é o primeiro papa que não teve nenhuma função no Concílio Vaticano II (1962-1965). No entanto, o Vaticano II é, com razão, a base de todo este papado. Conforme diz Galeazzi: “O programa do Papa Francisco é o Concílio (…) a realização e atualização da primavera conciliar”.

Para explicar melhor, Galeazzi sustenta que Jorge Mario Bergoglio, o futuro papa, amadureceu enquanto liderança na Igreja Católica no período imediatamente posterior ao Concílio. Ele serviu como superior jesuíta na Argentina de 1973 a 1979, quando a implementação das diretrizes conciliares era a principal prioridade de toda e qualquer ordem religiosa.

Ele também viveu no ambiente do CELAM, o Conselho Episcopal Latino-Americano, numa época em que este organismo trabalhava em sua visão continental sobre o significado do Vaticano II e via como ele deveria modelar a vida e a missão católicas.

Segundo Galeazzi, desta experiência Francisco extraiu duas convicções: que o Vaticano II era absolutamente fundamental para o futuro, e que, em grande parte, esta visão não foi implementada e vivida plenamente.

Conforme Luigi La Spina notou numa resenha que escreveu do livro, ao enquadrar as coisas deste modo Galeazzi supera a tendência presente nos comentários sobre Francisco de avaliar as coisas em termos de “ruptura” versus “continuidade”.

Sim, o Papa Francisco é um papa da continuidade, mas é uma continuidade com um concílio que, em si, representou uma ruptura significativa: um retorno radical às fontes do cristianismo, que, segundo Galeazzi, Francisco acredita estar longe de ser alcançado.

Com certeza, e isto Galeazzi documenta pontualmente, a visão do Vaticano II que o Papa Francisco tem é uma visão distintamente latino-americana.

Para muitos católicos europeus e norte-americanos, o elemento principal do Vaticano II esteve na liturgia, especialmente no emprego das línguas vernáculas e na mudança em que o sacerdote ficou de frente às pessoas na missa.

Em termos culturais, o Vaticano II interagiu com a revolução sexual no final da década de 1960, que se tornou no principal aspecto para a avaliação do Concílio ao ponto de incitar revisões no magistério católico sobre a ética sexual e a emancipação feminina – uma história que domina, ainda hoje, a cobertura midiática na Europa e América do Norte.

Na América Latina, no entanto, a onda mais significativa desencadeada pelo Vaticano II foi a “opção pelos pobres”, que se desdobrou em várias formas da Teologia da Libertação, e mais basicamente numa decisão de muitos fiéis em deixar de lado a dependência tradicional da Igreja baseada nas elites sociais e, em vez disso, decidiram abraçar a ampla massa das pessoas comuns, especialmente as marginalizadas.

Como Galeazzi mostra, nada disso tinha a ver com marxismo: para Jorge Mario Bergoglio e seus companheiros latino-americanos, tratava-se de uma estratégia prática de evangelização, levando em conta a dura realidade de uma união estreita entre o trono e o altar que, na América Latina ao longo dos séculos, distanciou a Igreja do povo.

Nesse sentido, o livro de Galeazzi ajuda os leitores a compreenderem um outro paradoxo aparente a respeito do Papa Francisco: ele afirma ser um homem do Vaticano II, todavia não adotou a pauta reformista eclesiástica que muitos fiéis, especialmente os americanos, associam com o Concílio, tais como mulheres ordenadas ao sacerdócio ou mudanças no ensino sobre o controle de natalidade, o aborto ou a homossexualidade.

Em parte, isso é assim porque não foi este o Vaticano II que Bergoglio viveu na América Latina. O central aqui não é que ele não tenha invertido o magistério católico, ideia que sempre esteve fora da realidade, mas que estas sequer são as questões que ele naturalmente relaciona com o “espírito do Vaticano II”.

A obra “O concílio do Papa Francisco: a nova primavera da Igreja” conta com uma nota escrita por Dom Nunzio Galantino, secretário escolhido por Francisco para liderar a poderosa Conferência Episcopal Italiana, e pelo colega de Galeazzi no jornal La Stampa, o destacado escritor Andrea Tornielli.

O livro será apresentado nesta quinta-feira, 12-05-2016, em Turim. Até o momento, não há planos para uma tradução inglesa. Fiquemos à espera que alguma editora se interesse pela ideia, pois “O concílio do Papa Francisco” traz perspectivas das quais os leitores americanos, em particular, podem se beneficiar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Livro diz que o Concílio Vaticano II é fundamental para compreender o Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV