O Papa Francisco conseguiria diminuir a tensão entre Igreja e Estado na França?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Maio 2015

A França pode ser tradicionalmente apelidada de "a filha mais velha da Igreja", mas não é nenhum segredo o fato de que as relações entre pai e filha estão desgastadas há muito tempo. Ultimamente, as tensões que chiavam entre a Igreja e o Estado têm estado em alta fervura.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no sítio Crux, 06-05-2015. A tradução é de Claudia Sbardelotto.

A mídia francesa inundou-se de matérias sobre o fato da nomeação de Laurent Stefanini como próximo embaixador do país para o Vaticano ter sido bloqueada porque ele é gay. Stefanini, que diz ser um católico praticante, é atualmente chefe de protocolo do governo e é descrito como um funcionário altamente capaz.

Os diplomatas do Vaticano consideram uma cortesia dos governos não nomear católicos cujas vidas pessoais estejam em conflito com o ensinamento da Igreja, porque o Vaticano vê isso como uma ingerência na vida interna da Igreja. Assim, a escolha de um católico abertamente gay pelo presidente socialista François Hollande foi vista por eles como uma provocação deliberada.

Para uma grande parte da opinião pública francesa, no entanto, o veto foi visto como algo mesquinho e intolerante.

Enquanto isso, muitos católicos na França ficaram indignados na segunda-feira ao saber que um juiz tinha ordenado que a cidade de Ploermel, na Bretanha, faça a remoção de uma estátua de João Paulo II de sua praça principal, alegando que ela viola uma lei de 1905 que decreta a separação entre Igreja e Estado.

A estátua foi um presente para a cidade do escultor russo-georgiano Zurab Tsereteli, e foi concebida como um símbolo de amizade entre a Rússia e outros países com uma herança cristã. É também uma atração turística de Ploermel, uma pequena cidade de 9 mil habitantes, onde a única outra grande atração é um carnaval anual.

Não é a primeira vez que algo desse tipo acontece. Anteriormente, uma ordem foi dada para que fosse removida uma estátua de Maria de um parque público que beira o Lago Genebra na cidade de Publier.

Essa decisão foi tomada mesmo com a oposição do prefeito de Publier, um homem de esquerda e "livre pensador", conforme sua própria definição, que, juntamente com um padre local, fez um contrato de arrendamento privado no pequeno pedaço de terra onde a estátua está localizada, dispositivo destinado a protegê-la da lei de 1905. O prefeito Gaston Lacroix disse que a estátua é um marco local, e que até os muçulmanos da cidade estavam a favor.

Os fiéis enxergam a repressão aos símbolos religiosos e populares tão mesquinha e fanática da mesma forma que os simpatizantes aos direitos dos homossexuais percebem o desprezo a Stefanini.

Isso acontece juntamente com uma decisão controversa das autoridades do metrô de Paris, decisão mais tarde revogada, que proibia a colocação de um anúncio publicitário para um concerto de um grupo musical popular, de padres católicos, cuja arrecadação beneficiaria os cristãos perseguidos no Oriente Médio.

Com certeza, a estrita interpretação da França sobre a separação entre Igreja e Estado não afeta apenas os católicos. Recentemente, uma menina muçulmana, de 15 anos de idade, foi mandada para casa duas vezes de uma escola em Charleville-Mézières por usar uma saia longa que o diretor considerou como uma demonstração de "ostentação" de sua fé.

O fato de outros credos também sentirem a picada, no entanto, não faz com que muitos católicos franceses sintam-se menos infelizes.

A boa notícia é que as relações entre Igreja e Estado ainda não atingiram o ponto de irreversibilidade. Por exemplo, as autoridades francesas anunciaram, recentemente, que soldados e a polícia vão proteger propriedades católicas após a prisão de um muçulmano marroquino que planejava atacar durante os serviços religiosos da Igreja.

Ainda assim, as recentes brigas sugerem a possibilidade de um novo ciclo de conflito entre secularistas e crentes franceses.

Há muito em jogo porque, para o bem ou para o mal, a Igreja francesa continua a ser uma força extremamente importante no catolicismo. Tradicionalmente, os prelados franceses estão entre os líderes intelectuais da Igreja, e muito da nova energia teológica tem borbulhado primeiro na França.

A França também tem um papel de liderança no mundo em desenvolvimento, onde se encontram dois terços dos 1,2 bilhão de católicos no planeta hoje.

No geral, a população católica das 40 nações onde o francês é a língua principal, em sua maioria na África, será mais ou menos de 280 milhões até o ano de 2050, representando um quinto de todos os católicos na Terra. A República Democrática do Congo por si só, tem quase 100 milhões de católicos em meados do século, e muitos ainda serão fortemente influenciados por tudo o que está acontecendo na França.

De uma forma abstrata, Francisco parece ser o papa certo para ajudar a Igreja francesa a esculpir um novo relacionamento com a maioria secular do país.

A aproximação com os não-crentes é uma marca registrada de seu papado, e sua agenda de justiça social desempenha um bom papel com a opinião pública francesa. Em janeiro de 2014, o presidente francês François Hollande fez questão de conhecer o Papa Francisco no Vaticano, algo que ele não tinha feito nas viagens anteriores a Roma, em parte porque, segundo as pesquisas de opinião na França, a popularidade do papa é muito maior do que a sua.

Mesmo que o seu francês seja um pouco irregular, esse papa sem dúvida consegue falar a língua da França.

Quando Francisco fez uma viagem de um dia para Estrasburgo em novembro a fim de abordar o Parlamento Europeu, ele não fez quaisquer outras paragens, porque disse que isso constituiria uma visita oficial à França e ele queria esperar para fazer essa visita direito.

Os eventos atuais sugerem que Francisco pode estar pensando sobre o agendamento a sua visita o mais rapidamente possível, porque senão colocar a relação entre Igreja e Estado de volta aos trilhos pode provar ser difícil até mesmo para ele.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa Francisco conseguiria diminuir a tensão entre Igreja e Estado na França? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV