O que o papa pretendia exatamente em Estrasburgo?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Dezembro 2014

Francisco busca uma redescoberta da identidade europeia, centrada não na economia, mas na sacralidade da pessoa humana.

A opinião é de Dom William Kenney CP, bispo auxiliar de Birmingham, na Inglaterra, e porta-voz sobre as questões europeias para a Conferência Episcopal da Inglaterra e do País de Gales. O artigo foi publicado no sítio da revista The Tablet, 26-11-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O discurso do Papa Francisco ao Parlamento da União Europeia em Estrasburgo veio em um momento em que significativas minorias em muitos países europeus estão perdendo a esperança nas instituições europeias. Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, sem dúvida, queria o endosso a essas instituições. Foi isso que ele obteve, mas possivelmente não do modo que ele esperava.

O papa falou para as realidades políticas da Europa. É um discurso concebido para fomentar as relações Vaticano-União Europeia, certamente preparado por muitas mãos, e não apenas pelo próprio Francisco.

Martin Schulz começou listando muitos dos problemas da União Europeia (e, por essa razão, do restante da Europa) e foi familiarmente deprimente. O papa, então, usou as mesmas questão para dar uma mensagem muito esperançosa, embora forte.

Ele é um papa de símbolos, e essa é a sua primeira visita a qualquer ponto da União Europeia além do território italiano. Ele optou por visitar duas das maiores instituições democráticas da Europa. Ele prometeu a cooperação da Igreja, não menos importante da Comece (Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia), com estas e outras instituições da Europa.

Ele identificou o que considerou como as áreas realmente problemáticas da atual Europa: a solidão típica daqueles que não têm nenhuma conexão com os outros; a marginalização dos idosos; os jovens que não têm pontos de referência claros e oportunidades para o futuro; e o tratamento dos pobres e imigrantes.

Ele pediu um retorno da Europa aos seus valores fundamentais da paz, da subsidiariedade, da solidariedade e da dignidade da pessoa humana. A sua solução para as áreas problemáticas que ele identificou foi a de dar à Europa esperança, restaurando um sentido de transcendência e da centralidade da pessoa humana; alimentar os dons de cada homem e mulher. Isso deve ser feito mediante uma educação, disse, não menos importante na família, que auxilia a pessoa humana a crescer em sua totalidade. Ele disse que esses dons floresceriam no trabalho, remontando à encíclica de João Paulo II sobre o trabalho, Laborem exercens, de 1981. Francisco apelou por uma nova política imigratória que não transforme o Mediterrâneo em um cemitério.

Nas últimas 24 horas, alguns comentaristas viram no discurso do Papa Francisco um endosso dos pontos de vista negativos da Europa. De fato, ele é crítico de muitas das atuais políticas, mas quer um maior engajamento, não desengajamento, ele encoraja outros países a aderirem (os Bálcãs), e não a saírem. Ele está em busca de uma redescoberta da identidade europeia, centrada não na economia, mas na sacralidade da pessoa humana.

A sua conclusão é um forte chamado à ação e à esperança: "Chegou o momento de abandonar a ideia de uma Europa temerosa e fechada sobre si mesma para suscitar e promover a Europa protagonista, portadora de ciência, de arte, de música, de valores humanos e também de fé. A Europa que contempla o céu e persegue ideais; a Europa que assiste, defende e tutela o homem; a Europa que caminha na terra segura e firme, precioso ponto de referência para toda a humanidade!".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que o papa pretendia exatamente em Estrasburgo? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV