Os primeiros humanos geneticamente modificados já são adolescentes

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Outubro 2014

Em 1997, estreou o filme "Gattaca", que fala sobre uma sociedade distópica na qual humanos geneticamente modificados para serem perfeitos são comuns - e os nascidos de forma 'natural', sem interferência, seriam marginalizados por terem problemas de saúde. No mesmo ano, nasciam os primeiros bebês humanos geneticamente modificados - e, fazendo as contas, isso significa que, agora, eles estão se formando no ensino médico.

A reportagem é de Luciana Galastri, publicada pelo protal TechCrunch e reproduzida pela revista Galileu, 29-09-2014.

O relato da primeira transferência de material genético para o DNA de um feto foi publicado em 1997, nos EUA: na época, cientistas injetaram o material genético de uma terceira pessoa em 30 embriões, concebidos através do DNA mitocondrial de duas mães. Ou seja, tecnicamente, os bebês teriam três pais. A ideia não era criar um tipo de "super humano" no entanto - era apenas prevenir que os bebês desenvolvessem doenças genéticas graves às quais os seus pais eram predispostos.

Não se sabe se os 30 bebês se tornaram pessoas saudáveis, porém o Instituto de Ciência e Medicina Reprodutiva (IRMS) de St. Barnabas, começou a acompanhar 17 destes adolescentes desde o início do ano.

A identidade dos jovens, obviamente, não foi divulgada por questões éticas e experimentos do tipo foram proibidos nos EUA desde 2002. No entanto, isso quer dizer que, a partir do momento em que atingem sua idade adulta e podem reproduzir, as suas modificações genéticas podem passar para seus descendentes - e acompanhar as famílias resultantes ficará cada vez mais difícil.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os primeiros humanos geneticamente modificados já são adolescentes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV