A festa da alegria eterna. Artigo de Jürgen Moltmann

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Abril 2014

A festa da eterna alegria é preparada pela plenitude da de Deus e pelo júbilo de todas as criaturas. O riso do universo é o êxtase de Deus.

A reflexão é do teólogo alemão Jürgen Moltmann, professor emérito da Universidade de Tübingen, em artigo publicado no blog Teologi@Internet, da Editora Queriniana, 16-04-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

A ressurreição de Cristo é vitória sobre o poder da morte e aparição da vida eterna, de uma vida que nunca passará. A primeira reação por parte dos homens é a da alegria espontânea que irrompe na manhã de Páscoa, quando essa vida divina se descerra e dela se participa. É aquilo que a Bíblia chama de cháris. A vida comunicada, divina também é vida eterna, vida de participação no viver divino, mas não só vida no além do "pós-morte", mas desde agora despertar, renascimento, vida vivida sobre esta terra, com energias novas.

A cháris se comunica em inúmeros charísmata, que não são apenas "dons" de graça, mas novas energias vitais. Seria unilateral demais entender essa cháris em termos puramente jurídicos, como a graça que é concedida ao pecador. Cháris vida é que se recebe da plenitude de Deus e que se expressa em uma vitalidade nova e na alegria irrefreável. À cháris se reage com a chára, justamente a alegria. E essa alegria é aquela que também se diz "fé verdadeira".

Para as criaturas humanas que querem viver, mas são forçadas a morrer, tudo gira em torno da morte. E. se a morte tivesse que representar o fim, toda a alegria de viver estaria destinada a desaparecer, assim como desaparece a nossa vida sobre a terra. Mas, se a vida vem da plenitude de Deus, ela será vida divina, que se manifestará em nós na vida como ressuscitados. Precisamente por isso, desde o início, para a cristandade, a ressurreição de Cristo significava plenitude de Deus, e aquela alegria que nós chamamos de "fé" se traduzia no júbilo pascal.

"Dia de ressurreição. Tornamo-nos também nós luz nesta festa. E nos abraçamos. Nós que nos odiamos recomeçamos a nos falar. É a ressurreição, perdoemo-nos tudo e gritemos: Cristo ressuscitou dentre os mortos" (Liturgia pascal ortodoxa).

Na alegria que essa plenitude de Deus nos infunde, da qual obtemos não apenas "graça sobre graça", mas também – como agora podemos dizer – "vida sobre vida", desde agora a nossa existência é "transfigurada" em uma vida festiva. E a alegria traz nela música e fantasia, em que não se trata apenas de viver a vida, mas também de organizá-la e exibi-la.

É uma vida não apenas restabelecida [her-gestellt], mas também representada [dar-gestellt]: diante de Deus e diante dos homens, e que se traduz ela mesma em um hino de louvor. Nos mesmos sofrimentos e angústias pelos quais ela é disseminada, a comunhão com Cristo crucificado faz jorrar centelhas de confiança e acende luzes de esperança.

E os fiéis podem reter para si essa alegria. em um mundo hostil a eles e hostil à própria vida? Não! A transfiguração da vida, como eles a experimentaram na alegria pascal, representa para eles apenas um pequeno começo da transfiguração do cosmos inteiro. O Cristo ressuscitado não vem apenas para os mortos, para lhes despertar e comunicar-lhes a sua vida eterna, mas também atrai todas as coisas ao seu futuro, para renová-las e torná-las partícipes da eterna alegria de Deus:

"Mediante a tua ressurreição, ó Senhor, o universo se ilumina... E toda a criação te louva, dia após dia a ti eleva o seu hino" (Liturgia pascal ortodoxa).

A alegria que brota da ressurreição de Cristo escancara sobre a redenção do cosmos as suas perspectivas cósmicas e escatológicas. Por que uma redenção? Na festa da alegria eterna, todas as criaturas e toda a comunidade criatural devem cantar os seus hinos e os seus louvores. E não entendamos isso somente em termos meramente antropomórficos: os hinos e os louvores que as criaturas humanas elevam a Deus pelo Cristo ressuscitado são, quão elas bem reconhecem, somente um fraco eco da liturgia cósmica, dos cânticos celestes e da alegria de viver que sobe de todos os outros seres vivos.

A festa da eterna alegria é preparada pela plenitude da de Deus e pelo júbilo de todas as criaturas. Não percebemos em profundidade tal plenitude quando nos limitamos a falar do ser e querer de Deus. Seria melhor, embora admitindo todos os limites que essa metáfora implica, falar de uma fantasia de Deus, a da sua imaginação criativa da qual tem origem a vida em toda a sua pitoresca variedade.

Uma criação que, como se viu, conhece uma transfiguração e glorificação próprias não pode ser simplesmente efeito de um querer de Deus e nem mesmo apenas um resultado do seu modo de se realizar, mas é como que um grandioso cântico, ou uma poderosa poesia, ou uma maravilhosa dança da sua fantasia, em que se expressa a sua vontade de comunicar a divina plenitude. O riso do universo é o êxtase de Deus.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A festa da alegria eterna. Artigo de Jürgen Moltmann - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV