''Falar de pauperismo empobrece o discurso de Francisco''. Entrevista com Angelo Becciu

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Setembro 2013

"Um discurso muito duro, não, excelência?". "Sim, esses eram discursos que, talvez, em 1968, eram mais aceitos, mais acolhidos. Mas agora...". O arcebispo Angelo Becciu, sostituto e, portanto, "número dois" da Secretaria de Estado, sorri. Na comitiva que acompanhou Francisco na sua viagem a Sardenha, no último domingo, há a percepção da coragem de um papa que vai na contracorrente.

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada no jornal Corriere della Sera, 23-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Alguém gritou para o Santo Padre: você é único, você é único! Foi clara a sua crítica a um sistema econômico e financeiro em que prevalece o ídolo do dinheiro e se está disposto a tudo, a sacrificar os direitos fundamentais, pelo lucro".

Eis a entrevista.

O papa, que vem do Sul do mundo é sensível às injustiças...

É claro. Ele nunca adotou a teologia da libertação, entendida no sentido ideológico. Ele foi severo com quem queria transformar a Igreja em uma ONG. Isso, no entanto, leva-o com mais autoridade a gritar contra as injustiças do capitalismo selvagem.

Um legado da "teologia do povo" argentina?

A verdadeira teologia da libertação é aquela que a Igreja também adotou e aprovou: a teologia em que se coloca Deus em primeiro lugar e tenta defender os pobres fazendo deles a expressão da solidariedade e do compromisso dos católicos.

Há quem o acuse de pauperismo.

O seu discurso é cristológico: a salvação total diante de Jesus. Quem tem, deve compartilhar e investir: o empreendedorismo inteligente que atua de forma adequada. Falar de pauperismo empobrece o discurso. É a doutrina social da Igreja: o dinheiro não pode ser o objetivo.

Com as nomeações na Cúria, os diplomatas voltam ao primeiro plano...

Egoisticamente, isso me conforta... Houve uma onda, mesmo na Igreja, contra os núncios. O papa escolheu as pessoas e considerou a sua preparação: é uma forma de dar fôlego internacional à Igreja, como indicou o Concílio.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Falar de pauperismo empobrece o discurso de Francisco''. Entrevista com Angelo Becciu - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV