Semana Santa – Mito, História, Fé

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que muda (para pior) no financiamento do SUS

    LER MAIS
  • Ou isto, ou aquilo

    LER MAIS
  • Desmatamento na Amazônia aumenta 212% em outubro deste ano, aponta Imazon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Abril 2012

"O Mediador Jesus Messias ("Messias" significa "Cristo") construiu, a partir de pequenas interrupções históricas (“o Reino de Deus no meio de nós”), a perspectiva de grandes transformações das quais poderá nascer um segundo paraíso que integra o mundo histórico num mundo transistórico. O espaço escatológico dessa reintegração ou reconciliação convencionamos chamar “Mundo Novo”, Paraíso, Terra sem Males, Céu, reino de Paz e Justiça", escreve Paulo Suess, missiólogo e assessor teológico do Conselho Indigenista Missionário - CIMI.

Eis o artigo.

No passado, “ter” uma religião era a situação normal de indivíduos e povos. O “ter” uma religião, hoje, não é mais óbvio. No mundo moderno, as pessoas aprenderam ser justos e solidários, altruístas e egoístas, santos e pecadores sem religião. As religiões aprenderam transformar seus mitos em história. Quando chegaram a limites explicativos de seus mistérios, exigem fé.

Os cristãos que celebram, neste tempo pascal, morte e ressurreição de seu Messias, com o nome programático de Jesus, que significa, “Deus salva", se movimentam na mesma linha explicativa, entre mito, história e fé. Todos sentimos que nosso mundo vivencial não corresponde ao imaginário de um “paraíso” ou de um espaço perfeito. Um Deus, que os cristãos consideram criador do mundo e imensamente bom, só poderia criar um mundo perfeito. Por conseguinte, o mundo bom foi perdido. Ao interpretar o pesadelo de um paraíso perdido, criado por um Deus que consideram bom e perfeito, recorrem à figura explicativa do “pecado original” e a um mediador histórico, enviado por Deus, para sanar o mundo das consequências dessa ruptura causada pelo pecado.

O Mediador Jesus Messias ("Messias" significa "Cristo") construiu, a partir de pequenas interrupções históricas (“o Reino de Deus no meio de nós”), a perspectiva de grandes transformações das quais poderá nascer um segundo paraíso que integra o mundo histórico num mundo transistórico. O espaço escatológico dessa reintegração ou reconciliação convencionamos chamar “Mundo Novo”, Paraíso, Terra sem Males, Céu, reino de Paz e Justiça.

Na vida dos cristãos, sobretudo dos pobres, mito, história e fé estão entrelaçados numa trama de leituras arquetípicas, lutas históricas e imagens de fé e esperança.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Semana Santa – Mito, História, Fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV