Greve em Jirau e Santo Antônio é mantida

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • A opção pelos pobres “não é uma opção sociológica, não é a moda de um pontificado. É uma exigência evangélica”, atesta o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Quem tem medo do globalismo?

    LER MAIS
  • “Bolsonaro foi o candidato do colapso e precisa dele pra se manter no poder”. Entrevista com Marcos Nobre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Março 2012

Os trabalhadores das usinas de Jirau e de Santo Antônio, em construção no rio Madeira (RO), decidiram ontem continuar em greve.

A reportagem é de Felipe Luchete e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 27-03-2012.

Eles reivindicam reajuste salarial de 30%, diminuição da jornada de trabalho (de 44 para 40 horas), aumento da cesta básica e plano de saúde extensivo para toda a família, além de outros pontos.

Os operários recebem entre R$ 800 e R$ 1.400, diz o sindicato da categoria -os valores são iguais ou pouco acima do piso estadual.

Segundo o Sticcero (sindicato da construção civil), as empresas apresentaram até agora proposta para reajustar em 5% os salários e pagar os dias parados, mas os funcionários não aceitaram.

As obras, de empresas diferentes, fazem parte do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Em Jirau, a Camargo Corrêa tem a maior parte dos funcionários. Em Santo Antônio, o movimento atinge operários da Odebrecht. Juntas, as usinas abrigam em torno de 35 mil operários.

A Justiça do Trabalho já declarou as duas greves ilegais, estabelecendo multa ao sindicato. O vice-presidente do Sticcero, Altair Donizete de Oliveira, disse que a decisão da greve é dos trabalhadores.

A Folha visitou o canteiro de Jirau na sexta-feira, com representantes da Camargo Corrêa. A maioria dos trabalhadores ouvidos pela reportagem reclamou dos salários e disse que as horas extras não são pagas corretamente.

A Camargo Corrêa afirmou que paga salários acima do piso estadual e que remunera as horas extras de acordo com o controle de frequência de cada trabalhador.

A paralisação não é consensual. Alguns disseram que só voltarão caso a empresa negocie. Outros afirmaram que preferiam trabalhar.

Funcionários disseram que a greve iniciada há cerca de 20 dias foi "decretada" por um grupo armado com paus.

A Polícia Civil passou a investigar supostos crimes ocorridos durante as greves, como dano ao patrimônio, ameaças e cárcere privado.

O delegado Jeremias Mendes de Souza disse que identificou em Jirau líderes grevistas que ameaçaram operários que queriam trabalhar.

Depois do quebra-quebra que ocorreu no ano passado em Jirau, a polícia montou um "serviço de inteligência" nos dois canteiros de obras.

LAZER

Em Jirau, os funcionários passam o dia em frente aos alojamentos ou em áreas de lazer. Ficam na lanchonete, jogam futebol e assistem à TV.

Na sexta-feira, as salas audiovisuais mais concorridas eram as que transmitiam o filme "Duro de Matar" e a novela das 18h, da Globo.

Ônibus da Camargo Corrêa permitem a entrada e a saída do canteiro de obras. Jirau fica a 120 km do centro de Porto Velho. As obras estão paralisadas. Só funcionam serviços essenciais, como alimentação e segurança.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Greve em Jirau e Santo Antônio é mantida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV