"A teologia deve dar as razões da fé. E estimular a cultura moderna"

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Setembro 2011

Rosto de criança, um discurso que às vezes se transforma em poesia, uma fé rochosa. E um olhar feliz, despreocupado com as láureas e os títulos acumulados pelo seu proprietário. Esse é o Pe. Roberto Repole, turma de 1967, de Turim, novo presidente (eleito por unanimidade) da Associação Teológica Italiana (ATI), que nestes dias reuniu seus membros em seu congresso (reúne 300 especialistas de toda a Itália) em um hotel província turinense para discutir Eucaristia e Logos. Repole sucede outro turinense, Piero Coda.

A reportagem é de Mauro Pianta, publicada no sítio Vatican Insider, 02-09-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Comecemos com o fundamental. Estranho ofício o do teólogo. Benedetto Croce definia a teologia como uma ciência chamada a se ocupar de algo que não sabe muito bem se existe... Qual é a tarefa do teólogo hoje?

A fé em Jesus Cristo só é autenticamente humana se for pensada. Por isso, a teologia serve precisamente para dar razões da fé. É um serviço para "alimentar" o povo de Deus, para mostrar ao homem contemporâneo que a fé tem a ver com a vida em todas as suas dimensões...

Mas fé e razão podem realmente entrar em acodo, como Bento XVI se esforça para repetir?

O divórcio entre fé e razão é uma opção cultural, mas a fé não é absolutamente antitética à razão. Acreditar não significa não pensar, ao contrário...

Já teve a dúvida de que tudo o que o senhor acredita pode não ser verdade? Como se pode ter certeza?

Às vezes, pode acontecer que tenhamos dúvidas, não é preciso se escandalizar. O ponto é que a nossa concepção de certeza deriva das ciências modernas. Somos acostumados a dizer que é certo só aquilo que podemos medir. Mas a certeza científica não é o único tipo de certeza. Estou certo de muitas coisas que eu não posso "medir"...

Que relação deve haver entre a teologia e a cultura contemporânea?

Penso que a teologia certamente tem um tipo de dívida para com a cultura contemporânea. Ao mesmo tempo, no entanto, acho que a tarefa da teologia é a de "inquietar" a cultura de hoje, de estimulá-la, de não deixá-la jamais descansar tranquilamente naquelas que, talvez, só aparentemente, são as suas certezas.

Certezas que, por exemplo, uma crise econômica como a atual pode pôr em discussão. O que o teólogo pode dizer diante dessa conjuntura?

Pode interrogar a Escritura, a Tradição e olhar a realidade com os olhos da fé. E compreender, por exemplo, que aquilo que aconteceu é o resultado de um modelo, chamemo-lo, para nos compreender, de "liberalismo selvagem", assumido – erroneamente - como o único possível. Por que não recomeçar de Jesus, dos seus critérios, para nos perguntarmos como deveria ser uma verdadeira convivência civil?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A teologia deve dar as razões da fé. E estimular a cultura moderna" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV