Adolfo Sánchez Vázquez, in memoriam. Artigo de Atilio Boron

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Julho 2011

"Seus ensinamentos, recolhidos em mais de 20 livros e uma infinidade de artigos, continuarão a ser fonte duradoura de inspiração, projetando um forte feixe luz em meio às trevas produzidas pela sociedade burguesa em sua lenta, mas inexorável, putrefação", escreve o cientista político argentino Atilio A. Boron, em artigo publicado no jornal Página/12, 13-07-2011. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

"Ser marxista hoje significa não apenas colocar em jogo a inteligência para fundamentar a necessidade e a possibilidade dessa alternativa (ao capitalismo), mas também tensionar a vontade para responder ao imperativo político-moral de contribuir para realizá-la".
Adolfo Sánchez Vázquez
"Por que ser marxista hoje". Discurso pronunciado ao receber o Doutorado Honoris Causa da Universidade de Havana

Uma triste notícia: no dia 8 de julho, morria aos 95 anos de idade Adolfo Sánchez Vázquez, que, sem exageros, poderia ser caracterizado como um dos maiores filósofos marxistas da segunda metade do século XX e cuja influência se deixa sentir até hoje. Faleceu no México, país que o acolheu com sua proverbial hospitalidade no final da Guerra Civil Espanhola, em 1939.

Por muitas razões, o desaparecimento físico de Adolfo me tocou no mais profundo da alma. Foi ele quem me convidou a entrar profundamente no campo da filosofia política, instando-me a completar minhas análises sociopolíticas e econômicas do capitalismo com um olhar mais filosófico, que me abrisse as portas para uma reflexão mais integral, totalizadora e dialética das sociedades contemporâneas. Isso ocorreu no México, em 1976, quando a Flacso – naquela época ainda um foco de pensamento crítico – o convidou para dar um curso de Filosofia Política no Mestrado de Ciência Política. Ao aceitar, me solicitou que fosse seu assistente de cátedra e a partir desse momento sua obra e sua pessoa se converteram em uma fonte constante de estímulo para o meu pensamento. Como diria outro espanhol excepcional, Alfonso Sastre, Adolfo se converteu em minha sombra, com a qual teria que dialogar permanentemente a partir de então; sombra inquisidora e socrática, que me impulsionava a me formular as perguntas fundamentais, evitando qualquer tentação facilista, as enganosas certezas das aparências ou a comodidade do saber estabelecido. Por isso, não exagero ao dizer que aquela experiência de trabalho com ele mudou a minha vida e a minha visão do mundo.

Quando grande parte do que naquele momento passava pelo marxismo era uma indigesta coleção de "manuais... estalinistas" ou de confusos desvarios estruturalistas ou pós-estruturalistas – porque Gramsci ainda estava à espera de sua releitura em chave comunista e não social-democrata, e porque Mariátegui, Fidel e Che não haviam conseguido furar o obstinado europeísmo e a visão colonial que ainda prevalecia nas fileiras do marxismo –, com seu corajoso exemplo Sánchez Vázquez me ensinou a descartar tanto as imposições teóricas de uma burocracia pseudo-revolucionária como a desconfiar das modas intelectuais da época, por mais sedutoras que fossem. Essas modas, dizia, eram a isca que a burguesia oferecia com astúcia para captar e extraviar os espíritos rebeldes, mas ingênuos, desviando seu potencial contestador para os estéreis campos das pequenas disputas na insignificante "república das letras", longe, bem longe, das cruciais frentes onde o capital travava suas cruciais batalhas contra os trabalhadores.

O marxismo de Adolfo era aberto, antidogmático, fresco e, por conseguinte, em permanente renovação, sintonizado constantemente – assim como Marx, Engels, Lênin – com o desenvolvimento das contradições do capitalismo, em cujos segredos se internava com audácia para descobrir, a partir dali, a estrada para a nova sociedade. Não o inquietavam nem a feroz crítica da direita, nem seu sistemático "desprezo", nem a fúria das múmias da ortodoxia, em cujo encargo estava a custódia de um dogma que nada tinha a ver com o marxismo. Nesta iniciativa sua sabedoria lhe permitiu distinguir com precisão a necessidade de uma contínua reatualização da grande herança da tradição marxista do "liquidacionismo" pós-moderno, em virtude do qual os supostos "renovadores" do marxismo o "renovaram" com tanto entusiasmo que acabaram passando para as fileiras do pensamento burguês.

Por isso, com sua morte, fomos privados de um dos grandes da filosofia marxista, embora, ao reler estas linhas – esclareço – para ser fiel aos seus ensinamentos, que Adolfo foi, como bom marxista que era, filósofo, mas também sociólogo, economista, historiador e cientista político, afora poeta. Essas fronteiras disciplinares só têm sentido no interior do pensamento fragmentador e fetichizado, por isso mesmo profundamente conservador, da burguesia. Quem nos abandonou foi um intelectual de uma sabedoria e erudição deslumbrantes que enalteceu como poucos a palavra "mestre" e que jamais abdicou de suas convicções revolucionárias nem fez concessão alguma ao capitalismo, ao qual nunca se cansou de denunciar por sua incorrigível essência predadora, exploradora e anti-humana que fazia da revolução socialista uma imperiosa necessidade.

Fiel ao legado marxiano, sabia que se a humanidade não sacudisse o jugo do sistema capitalista, em todas as suas formas e manifestações, seu futuro seria a barbárie. Seus ensinamentos, recolhidos em mais de 20 livros e uma infinidade de artigos, continuarão a ser fonte duradoura de inspiração, projetando um forte feixe luz em meio às trevas produzidas pela sociedade burguesa em sua lenta, mas inexorável, putrefação. Até a vitória sempre, Adolfo!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Adolfo Sánchez Vázquez, in memoriam. Artigo de Atilio Boron - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV