A benção de Jesus

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Mai 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 24,46-54 que corresponde à Festa da Ascensão ciclo C, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Ouça a Leitura do Evangelho

 

Eis o texto

São os últimos momentos de Jesus com os Seus. Em seguida os deixará para entrar definitivamente no mistério do Pai. Já não os poderá acompanhar pelos caminhos do mundo como o fez na Galileia. Sua presença não poderá ser substituída por ninguém.

Jesus só pensa que chegue a todos os povos o anúncio do perdão e da misericórdia de Deus. Que todos escutem sua chamada à conversão. Ninguém deve sentir-se perdido. Ninguém deve viver sem esperança. Todos devem saber que Deus compreende e ama sem fim seus filhos e filhas. Quem poderá anunciar essa Boa Nova?

Segundo o relato de Lucas, Jesus não pensa em sacerdotes ou bispos. Nem em doutores ou teólogos. Quer deixar na terra «testemunhas». Isto é o primeiro: «Vós sois testemunhas dessas coisas». Serão testemunhas de Jesus os que comunicarem sua experiência num Deus bom e contagiarem com seu estilo de vida, trabalhando por um mundo mais humano.

Mas Jesus conhece bem seus discípulos. São fracos e covardes. Onde encontrarão a audácia para serem testemunhas de alguém que foi crucificado pelo representante do Império e pelos dirigentes do Templo? Jesus tranquiliza-os: «Eu vos enviarei o dom prometido pelo meu Pai». Não lhes vai faltar a «força do alto». O Espírito de Deus os defenderá.

Para expressar graficamente o desejo de Jesus, o evangelista Lucas descreve sua partida deste mundo de forma surpreendente: Jesus volta ao Pai, levantando suas mãos e abençoando seus discípulos. É seu último gesto. Jesus entra no mistério insondável de Deus e sobre o mundo desce sua bênção.

Os cristãos esqueceram que somos portadores da bênção de Jesus. Nossa primeira tarefa é ser testemunhas da Bondade de Deus, manter viva a esperança, não nos rendermos ante o poder do mal. Este mundo que às vezes parece um «inferno maldito» não está perdido. Deus olha para ele com ternura e compaixão. Também hoje é possível fazer o bem, difundir a bondade. É possível trabalhar por um mundo mais humano e uma convivência mais saudável. Podemos ser mais solidários e menos egoístas. Mais austeros e menos escravos de dinheiro. A mesma crise econômica pode levar-nos a procurar urgentemente uma sociedade menos corrupta.

Jesus é uma bênção e as pessoas precisam sabê-lo. O primeiro é promover uma «pastoral da bondade». Temos que sentir-nos como testemunhas e profetas desse Jesus que passou a vida semeando gestos e palavras de bondade. Assim despertou no povo da Galileia a esperança em um Deus Bom e Salvador. Jesus é uma bênção e as pessoas devem saber disso.

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A benção de Jesus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV