Porque meus olhos viram a Salvação

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • "Pela Democracia, pelo Brasil". Manifesto contra candidatura de Jair Bolsonaro

    LER MAIS
  • Teólogos e pastores reagem a apoio evangélico a Bolsonaro

    LER MAIS
  • Apelo de Francisco: ''Que o Senhor nos ajude a reconhecer a tempo as sementes de ideologias totalitárias"

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Fevereiro 2017

A Apresentação de Jesus no Templo entra no conjunto do mistério do Natal. Na Natividade, Jesus é apresentado aos pastores; na Epifania, aos magos; no Templo, ele é apresentado ao povo da Aliança, personificado por Simeão e Ana. Hoje, cabe a nós acolhê-lo, adotando a atitude de Simeão.

A reflexão é de Marcel Domergue (+1922-2015), sacerdote jesuíta francês, comentando as leituras da Apresentação do Senhor – Ano A. A tradução é de Francisco O. Lara, João Bosco Lara e José J. Lara.

1ª leitura: «Logo chegará ao seu Templo o Senhor, que tentais encontrar» (Malaquias 3,1-4)

Salmo: Sl. 23(24) - R/ O rei da glória é o Senhor onipotente!

Evangelho: «Meus olhos viram a tua salvação» (Lucas 2,22-40 ou 2,22-32)

A criança

Um dom duplicado. A vida não é minha vida: eu a recebi dum outro lugar. Dos meus pais? Mas a vida que eles transmitiram também lhes veio dum outro lugar... Da origem, que, a justo título, chamamos de «Pai». Resulta daí que a minha vida é um dom recebido sem cessar. O rito da apresentação do primogênito é o reconhecimento da nossa pertença, para além dos pais, a Deus, à Vida. E tudo poderia terminar aí, se o rito não se fizesse acompanhar de um «resgate» (Êxodo 13,1-2;13-16), significado pela oferenda de pombos ou de rolinhas. Em troca, a criança era de alguma forma recuperada pelos pais. Deus a «devolve», a dá uma segunda vez. O dom primeiro, efetuado através dos processos biológicos «naturais», poderia passar despercebido, com os pais imaginando terem «feito» esta criança, por si mesmos. O rito lhes ensina que não são eles a origem da vida que transmitem: mas, através deles, um Outro foi quem quis que esta criança existisse.

«Explicarás a teu filho» (Êxodo 13,8 e 14). O primogênito não é capaz de perceber o sentido do rito de que é o suporte. Assim, «um dia, quando ele interrogar» (Êxodo 13,14), os pais lhe deverão explicar. Porque a lição vale também para ele: o que depende da sua liberdade para com os pais. Segue daí que esta explicação conduz à libertação da servidão. Foi preciso que, numa dolorosa gestação, Israel se desgarrasse da sua matriz egípcia. O povo libertado, nascido uma segunda vez, agora pertence a Deus, à vida. Os primogênitos de Israel são filhos da vida, por oposição aos primogênitos do Egito, os filhos da tirania destinados à morte, porque, na realidade, estão impedidos de nascer. Jesus aparece aqui como o que vem de Deus (1ª leitura) e que volta para Deus. Mas, de volta para Deus, pelo «resgate», está de volta também para os homens: é «luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel».

Maria está grávida uma segunda vez. Uma espada vai abrir-lhe a alma. Que espada? «A palavra de Deus é viva, eficaz e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes»: o parentesco deste versículo da Epístola aos Hebreus (4,12) e os versículos 34-35 de Lucas 2 nos leva a pensar que se trata da espada da Palavra, a palavra do Outro que abre em nós uma fenda, um espaço que somente a fé no que fala pode preencher. Então, é o verdadeiro nascimento. Dando o seu filho é que Maria fica sabendo realmente que ele veio da origem. Despossuída em suas entranhas da criança que carregava ainda como o seu bem (em Marcos 3,21 e 31-32, não buscou recuperá-la?), torna-se realmente mãe, a que põe no mundo, a que dá ao mundo. Temos todos que acolher esta abertura praticada em nós pela Palavra.

Aprofunde sua reflexão...

Acesse outros Comentários do Evangelho aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Porque meus olhos viram a Salvação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV