Para Deus, seus filhos não morrem

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS
  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Novembro 2016

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho segundo Lucas 20, 27-38, que corresponde ao 32° Domingo do Tempo Comum, ciclo C do Ano Litúrgico.

O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Eis o texto

Jesus foi sempre muito sóbrio ao falar da nova vida depois da ressurreição. No entanto, quando um grupo de aristocratas saduceus procura ridiculizar a fé na ressurreição dos mortos, Jesus reage elevando a questão ao seu verdadeiro nível e fazendo duas afirmações básicas.

Antes de tudo, Jesus recusa a ideia pueril dos saduceus que imaginam a vida dos ressuscitados como prolongamento desta vida que agora conhecemos. É um erro representarmos a vida ressuscitada por Deus a partir das nossas experiências atuais.

Há uma diferença radical entre a nossa vida terrestre e essa vida plena, sustentada diretamente pelo amor de Deus depois da morte. Essa Vida é absolutamente “nova”. Por isso, podemos esperá-la, mas nunca descrevê-la ou explicá-la.

As primeiras gerações cristãs mantiveram essa atitude humilde e honesta ante o mistério da “vida eterna”. Paulo diz aos crentes de Corinto que se trata de algo que “a vista nunca viu nem o ouvido ouviu nem homem algum imaginou, algo que Deus preparou aos que o amam”.

Estas palavras servem-nos de advertência sã e de orientação gozosa. Por uma parte, o céu é uma “novidade” que está mais para lá do que qualquer experiência terrestre, mas, por outra, é uma vida “preparada” por Deus para o cumprimento pleno das nossas aspirações mais profundas. O próprio da fé não é satisfazer ingenuamente a curiosidade, mas alimentar o desejo, a expectativa e a esperança colocada em Deus.

Isto é, precisamente, o que procura Jesus apelando com toda a simplicidade a um fato aceito pelos saduceus: segundo a tradição bíblica, Deus é chamado: “Deus de Abraão, Isaac e Jacob”. Apesar de estes patriarcas terem morrido, Deus continua sendo o seu Deus, o seu protetor, o seu amigo. A morte não pode destruir o amor e a fidelidade de Deus para com eles.

Jesus tira a sua própria conclusão fazendo uma afirmação decisiva para a nossa fé: “Deus não é um Deus de mortos, mas de vivos; porque para Ele todos estão vivos”. Deus é fonte inesgotável de vida. A morte não vai deixando Deus sem seus filhos queridos. Quando nós os choramos porque os perdemos nesta terra, Deus contempla-os cheios de vida porque os acolheu no seu amor de Pai.

Segundo Jesus, a união de Deus com os Seus filhos não pode ser destruída pela morte. O Seu amor é mais forte que a nossa extinção biológica. Por isso, com fé humilde nos atrevemos a invocá-Lo: “Em Ti confio meu Deus”. “Que eu não fique envergonhado” (Salmo 25,1-2).

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Deus, seus filhos não morrem - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV